Marcelo já não fala em veto, mas diz que a Lei de Bases da Saúde sem privados é “irrealista”

Paulo Novais / Lusa

O Presidente da República considera que qualquer proposta de reforma da Lei de Bases da Saúde que feche totalmente a hipótese da sua gestão por privados “é uma lei irrealista”, mas a proposta do Governo “abre essa hipótese”.

Esta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa deu a entender que pode não vetar uma Lei de Bases da Saúde que não tenha o acordo dos dois principais partidos, desde que o documento que venha a ser aprovado dê provas de “sensatez”, sobretudo nas escolhas políticas sobre a participação dos privados no Serviço Nacional de Saúde – as parcerias público-privadas (PPP).

No programa O Outro Lado, na RTP 3, o Presidente da República sublinhou que o debate em relação ao fim das PPP está circunscrito a saber se a gestão do SNS deve ou não ter a participação do setor privado.

“A minha resposta não é ideológica, é pragmática: uma lei que feche totalmente essa hipótese é uma lei irrealista. A gestão pública do SNS integral não é possível”, afirmou.

Para Marcelo, o “inteligente é prever fórmulas que tenham válvulas de escape. Traduzirá porventura o estado de espírito da maioria deste momento, mas permitirá acautelar a possibilidade, no futuro, de prestações de saúde por parte do setor privado”.

O moderador João Adelino Faria perguntou como seria se não acontecesse desta forma, ao que Marcelo respondeu “não vejo porque não há-de ser assim. A lei em vigor foi aprovada por uma maioria de direita, mas não impunha [que a gestão fosse privada]. Permitia dois caminhos”.

Neste contexto, uma reforma que vá no sentido da fórmula “apresentada pelo Governo”, que inclua “mais qualificativo, menos qualificativo, a título supletivo, a título complementar, em circunstâncias excecionais, em função da ponderação das circunstâncias, proporcionalmente, como uma válvula de escape”, é, para Marcelo, “um problema de sensatez, não é um problema ideológico”.

Questionado sobre se espera que exista “sensatez” numa eventual reforma da Lei de Bases da Saúde que venha a ser aprovada e que tenha de apreciar, o Presidente reiterou: “Se houve [essa sensatez] na proposta de lei do Governo, acho que pode vir a haver” naquilo que o parlamento vier a aprovar.

Marcelo lembrou que “o setor público não pode garantir, e não deve”, com os meios de que dispõe, os cuidados continuados de saúde com a amplitude com que eram prestados anteriormente pela rede hospitalar a uma população cada vez mais envelhecida. E esta circunstância, segundo o Presidente, explica a importância crescente do setor social neste domínio.

De igual forma, continuou, “há de haver situações em que a gestão pública integral do SNS não é possível”. “Já não é possível hoje e poderá não ser no futuro. Há crises económicas, crises financeiras, situações orçamentais, situações de nichos em que isso não é possível”, insistiu o chefe de Estado, escusando-se a colocar “a questão no plano doutrinário”.

O Presidente espera que a reforma que sair do parlamento traduza, “porventura, o estado de espírito da maioria existente neste momento”, mas essa eventual futura lei deverá “no futuro acautelar a possibilidade de se recorrer à gestão – mais ampla, menos ampla – da prestação de cuidados de saúde, por parte do setor social e privado”.

“Uma lei votada no atual quadro político pode ser marcada por esse quadro político. Não se vê como é que uma lei em vésperas de eleições seja uma lei que possa abranger um acordo fácil entre a liderança da oposição e a maioria governativa. Não é fácil. Mas, não sendo fácil, é uma questão de imaginação”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, realçando: “Aliás, a proposta apresentada pelo Governo abre essa hipótese, tal como está”.

Bloco não vai ceder

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, considerou que atualmente o debate é se no futuro os hospitais serão geridos pelo Estado ou por privados e salientou que o partido não vai ceder nesta matéria.

Intervindo numa sessão pública sobre o Serviço Nacional de Saúde organizada pelo partido e que decorreu em Lisboa, Catarina Martins começou por dizer que atualmente existem “três hospitais apenas” que são geridos através de Parcerias Público Privadas (PPP), referindo-se às unidades de Cascais, Vila Franca de Xira e Loures.

“Quando vemos, por um lado, toda a pressão do Presidente da República para que se mantenham as PPP, por outro lado toda a indefinição do Partido Socialista, que parece não querer cumprir o acordo que foi feito pela própria ministra da Saúde e pelo próprio primeiro-ministro, para acabar com as PPP na área da saúde, não estamos a falar seguramente destes três hospitais”, afirmou.

Na ótica da bloquista, “o que está em debate é se, no futuro, todas as unidades de saúde do país podem ser geridas por privados ou se devem ser geridas pelo Estado”. “O que está verdadeiramente em jogo nesta Lei de Bases é se queremos que o Serviço Nacional de Saúde se transforme numa gigantesca PPP, indo entregando unidade de saúde, após unidade de saúde à gestão privada, ou se nós queremos, pelo contrário, reforçar um Serviço Nacional de Saúde público, que responde a toda a gente”, salientou.

A líder do BE referiu que não existe “nenhuma dúvida” quanto a esta matéria, concretizando que, quando um utente entra “num hospital que tem gestão pública, esse hospital tem o dever de fazer tudo ao seu alcance para responder pela saúde do utente”, pelo contrário, “quando se entra num hospital PPP, esse hospital só faz o que está contratualizado”.

Referindo que “essa é toda a diferença” quando se fala de saúde, Catarina Martins sustentou que o Bloco pretende que exista em Portugal um SNS que, “em todo o território, e em todas as condições, a todas as pessoas, dê a melhor resposta” que o “país possa ter para cada situação concreta”.

“É por isso que lutamos, é por isso que temos feito este debate, é por isso que não cedemos. Não cedemos e o problema não são três PPP, o problema é saber se nós queremos deixar o caminho aberto para um qualquer governo futuro que, não estando condicionado à esquerda, decida entregar a generalidade dos hospitais à gestão privada ou se, pelo contrário, nesta legislatura respondemos à expectativa das pessoas de salvar o Serviço Nacional de Saúde”, frisou.

Assim, a coordenadora assinalou ainda que “ao Bloco de Esquerda interessa muito pouco o debate com os partidos da direita”, uma vez que “não têm nada para oferecer a este debate, a não ser manter tudo como está, manter que uma boa fatia dos 10 mil milhões de euros do orçamento da saúde continue a ir para os privados e, de preferência, fazer crescer essa sangria de sangria de recursos do SNS para os hospitais privados”. “A nós interessa-nos a discussão que temos tido com o Partido Socialista”, frisou.

O fim de novas PPP na área na gestão de hospitais é uma das propostas de alteração à Lei de Bases da Saúde, apresentadas pelo BE e que o partido diz terem sido concertadas com o Governo, liderado pelo socialista António Costa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …