Marcelo já não fala em veto, mas diz que a Lei de Bases da Saúde sem privados é “irrealista”

Paulo Novais / Lusa

O Presidente da República considera que qualquer proposta de reforma da Lei de Bases da Saúde que feche totalmente a hipótese da sua gestão por privados “é uma lei irrealista”, mas a proposta do Governo “abre essa hipótese”.

Esta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa deu a entender que pode não vetar uma Lei de Bases da Saúde que não tenha o acordo dos dois principais partidos, desde que o documento que venha a ser aprovado dê provas de “sensatez”, sobretudo nas escolhas políticas sobre a participação dos privados no Serviço Nacional de Saúde – as parcerias público-privadas (PPP).

No programa O Outro Lado, na RTP 3, o Presidente da República sublinhou que o debate em relação ao fim das PPP está circunscrito a saber se a gestão do SNS deve ou não ter a participação do setor privado.

“A minha resposta não é ideológica, é pragmática: uma lei que feche totalmente essa hipótese é uma lei irrealista. A gestão pública do SNS integral não é possível”, afirmou.

Para Marcelo, o “inteligente é prever fórmulas que tenham válvulas de escape. Traduzirá porventura o estado de espírito da maioria deste momento, mas permitirá acautelar a possibilidade, no futuro, de prestações de saúde por parte do setor privado”.

O moderador João Adelino Faria perguntou como seria se não acontecesse desta forma, ao que Marcelo respondeu “não vejo porque não há-de ser assim. A lei em vigor foi aprovada por uma maioria de direita, mas não impunha [que a gestão fosse privada]. Permitia dois caminhos”.

Neste contexto, uma reforma que vá no sentido da fórmula “apresentada pelo Governo”, que inclua “mais qualificativo, menos qualificativo, a título supletivo, a título complementar, em circunstâncias excecionais, em função da ponderação das circunstâncias, proporcionalmente, como uma válvula de escape”, é, para Marcelo, “um problema de sensatez, não é um problema ideológico”.

Questionado sobre se espera que exista “sensatez” numa eventual reforma da Lei de Bases da Saúde que venha a ser aprovada e que tenha de apreciar, o Presidente reiterou: “Se houve [essa sensatez] na proposta de lei do Governo, acho que pode vir a haver” naquilo que o parlamento vier a aprovar.

Marcelo lembrou que “o setor público não pode garantir, e não deve”, com os meios de que dispõe, os cuidados continuados de saúde com a amplitude com que eram prestados anteriormente pela rede hospitalar a uma população cada vez mais envelhecida. E esta circunstância, segundo o Presidente, explica a importância crescente do setor social neste domínio.

De igual forma, continuou, “há de haver situações em que a gestão pública integral do SNS não é possível”. “Já não é possível hoje e poderá não ser no futuro. Há crises económicas, crises financeiras, situações orçamentais, situações de nichos em que isso não é possível”, insistiu o chefe de Estado, escusando-se a colocar “a questão no plano doutrinário”.

O Presidente espera que a reforma que sair do parlamento traduza, “porventura, o estado de espírito da maioria existente neste momento”, mas essa eventual futura lei deverá “no futuro acautelar a possibilidade de se recorrer à gestão – mais ampla, menos ampla – da prestação de cuidados de saúde, por parte do setor social e privado”.

“Uma lei votada no atual quadro político pode ser marcada por esse quadro político. Não se vê como é que uma lei em vésperas de eleições seja uma lei que possa abranger um acordo fácil entre a liderança da oposição e a maioria governativa. Não é fácil. Mas, não sendo fácil, é uma questão de imaginação”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, realçando: “Aliás, a proposta apresentada pelo Governo abre essa hipótese, tal como está”.

Bloco não vai ceder

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, considerou que atualmente o debate é se no futuro os hospitais serão geridos pelo Estado ou por privados e salientou que o partido não vai ceder nesta matéria.

Intervindo numa sessão pública sobre o Serviço Nacional de Saúde organizada pelo partido e que decorreu em Lisboa, Catarina Martins começou por dizer que atualmente existem “três hospitais apenas” que são geridos através de Parcerias Público Privadas (PPP), referindo-se às unidades de Cascais, Vila Franca de Xira e Loures.

“Quando vemos, por um lado, toda a pressão do Presidente da República para que se mantenham as PPP, por outro lado toda a indefinição do Partido Socialista, que parece não querer cumprir o acordo que foi feito pela própria ministra da Saúde e pelo próprio primeiro-ministro, para acabar com as PPP na área da saúde, não estamos a falar seguramente destes três hospitais”, afirmou.

Na ótica da bloquista, “o que está em debate é se, no futuro, todas as unidades de saúde do país podem ser geridas por privados ou se devem ser geridas pelo Estado”. “O que está verdadeiramente em jogo nesta Lei de Bases é se queremos que o Serviço Nacional de Saúde se transforme numa gigantesca PPP, indo entregando unidade de saúde, após unidade de saúde à gestão privada, ou se nós queremos, pelo contrário, reforçar um Serviço Nacional de Saúde público, que responde a toda a gente”, salientou.

A líder do BE referiu que não existe “nenhuma dúvida” quanto a esta matéria, concretizando que, quando um utente entra “num hospital que tem gestão pública, esse hospital tem o dever de fazer tudo ao seu alcance para responder pela saúde do utente”, pelo contrário, “quando se entra num hospital PPP, esse hospital só faz o que está contratualizado”.

Referindo que “essa é toda a diferença” quando se fala de saúde, Catarina Martins sustentou que o Bloco pretende que exista em Portugal um SNS que, “em todo o território, e em todas as condições, a todas as pessoas, dê a melhor resposta” que o “país possa ter para cada situação concreta”.

“É por isso que lutamos, é por isso que temos feito este debate, é por isso que não cedemos. Não cedemos e o problema não são três PPP, o problema é saber se nós queremos deixar o caminho aberto para um qualquer governo futuro que, não estando condicionado à esquerda, decida entregar a generalidade dos hospitais à gestão privada ou se, pelo contrário, nesta legislatura respondemos à expectativa das pessoas de salvar o Serviço Nacional de Saúde”, frisou.

Assim, a coordenadora assinalou ainda que “ao Bloco de Esquerda interessa muito pouco o debate com os partidos da direita”, uma vez que “não têm nada para oferecer a este debate, a não ser manter tudo como está, manter que uma boa fatia dos 10 mil milhões de euros do orçamento da saúde continue a ir para os privados e, de preferência, fazer crescer essa sangria de sangria de recursos do SNS para os hospitais privados”. “A nós interessa-nos a discussão que temos tido com o Partido Socialista”, frisou.

O fim de novas PPP na área na gestão de hospitais é uma das propostas de alteração à Lei de Bases da Saúde, apresentadas pelo BE e que o partido diz terem sido concertadas com o Governo, liderado pelo socialista António Costa.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Muçulmanos invadiram a Sicília e revolucionaram o comércio de vinho

Uma equipa de investigadores da Universidade de York encontrou resíduos químicos de uvas em ânforas, um tipo de recipiente medieval, sugerindo um próspero comércio de vinho na Sicília islâmica. Foram ainda encontrados cacos encharcados de vinho …

Com as famílias em dificuldades, escolas alimentam 40% dos alunos que serviam antes do confinamento

Mesmo com as aulas online, as cantinas continuam a trabalhar para alimentar alunos com carências. Só na última semana, as escolas públicas serviram em média 45 mil refeições por dia. O número significa que estão …

2 de março de 2020. Confinamentos, recordes, três vagas e um "milagre" depois

O primeiro caso de covid-19 em Portugal foi registado há, precisamente, um ano. 365 dias depois, o medo esfumou-se, mas a incerteza permanece. A 2 de março de 2020 foram confirmados em Portugal os primeiros casos …

Genoma do urso-das-cavernas sequenciado graças a minúsculo osso com 360 mil anos

Investigadores sequenciaram o genoma do urso-das-cavernas graças a um pequeno osso com 360 mil anos. A história evolutiva deste animal mudou drasticamente. Os ursos-das-cavernas eram enormes ursos herbívoros que vagueavam pela Europa e norte da Ásia …

Um ano após o primeiro caso, Marcelo elogia SNS, mas relembra que a pandemia ainda não acabou

Para o chefe de Estado, ao longo de 12 meses, Portugal "foi-se ajustando à pandemia, umas vezes mais proativamente outras, infelizmente, mais reativamente". Marcelo diz que "é desejável" melhorar a "capacidade de planear e antecipar …

Plano de Recuperação tem alto risco de fraude (e chovem críticas)

Um grupo de reflexão, constituído no âmbito do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), concluiu que o Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) comporta um sério risco de fraude e necessita de várias …

Moedas quer unir a direita contra Medina. Objetivo é incluir IL e Aliança na coligação PSD/CDS

Carlos Moedas está a tentar alargar a coligação PSD/CDS para construir uma frente de direita contra o socialista Fernando Medina, atual presidente da Câmara Municipal de Lisboa. O Público avança esta terça-feira que Carlos Moedas, candidato do …

Faz pequenas pausas antes de responder a uma questão? Pode parecer menos sincero

Costuma fazer pequenas pausas antes de responder a uma questão? Este comportamento pode fazer com que a resposta pareça menos sincera e confiável, de acordo com uma nova investigação da American Psychological Association. Segundo a …

Portugal entra no 12.º estado de emergência. Restrições são as mesmas dos últimos 15 dias

Portugal entrou esta terça-feira no 12.º período de estado de emergência para conter a pandemia da covid-19, mas mantendo, até 16 de março, as mesmas regras que vigoraram nos últimos 15 dias em território continental. O …

Eis o "estado redemoinho", um novo tipo de matéria que desafia as leis da Física

Uma nova investigação revelou que, no nível mais básico, o comportamento de grupo como, por exemplo, cardumes de peixes, enxames de insetos e bandos de pássaros, forma um novo tipo de matéria ativa, chamado …