/

“Maldição, mas com amor”. Duas mulheres estão a tentar “melhorar” os palavrões da Índia

Duas mulheres lançaram, em setembro do ano passado, o Projeto Gaali, com o objetivo de tornar os palavrões indianos um pouco menos maus.

De acordo com o Atlas Obscura, Tamanna Mishra, consultora de comunicação, e Neha Thakur, anfitriã do Airbnb, frequentemente discutiam sobre a forma como o uso cada vez mais casual dos palavrões populares indianos as deixavam desconfortáveis.

O problema não era o uso dos palavrões em si, mas sim o facto de que muitas dessas expressões parecerem ter origens tendenciosas, preconceituosas ou misóginas.

Com isto em mente, as duas mulheres lançaram o Projeto Gaali nas redes sociais em setembro de 2020, para juntar gaalis – o termo hindi para gíria, incluindo palavrões e uma série de insultos coloquiais e expressões de frustração – de toda a Índia que não usam género, comunidade, casta ou deficiência de uma forma degradante.

Desde então, as mulheres viram chegar um fluxo de palavrões mais gentis, em várias línguas regionais, sendo agora cerca de mil. Depois de avaliar os envios, as mulheres partilham-nos através de imagens nas redes sociais do projeto.

O objetivo é encontrar um vocabulário desagradável com o qual todos possam concordar.

Gaali, magar pyaar seh. É humano desabafar. Mas expresse-se com graça”, disse Mishra, explicando o slogan do projeto, que se traduz em “Maldição, mas com amor”.

Hakri hoon é um dos termos favoritos de Mishra. É originário de Caxemira e significa “bisbilhoteiro”, derivando de um conto popular sobre uma criatura mítica errante, semelhante a um cão com comichão, que coloca o ouvido nas portas das pessoas.

Kirmi kaadi, de Kerala, a comichão causada por um verme, expressa ciúme. Já vaangan, uma beringela, é usada por falantes do sindi para se referir a uma pessoa sem bom senso, enquanto thaali ka baigan, em hindi, descreve a inconstância ao compará-la a uma beringela a rolar numa bandeja.

Algumas outras expressões no catálogo são palavrões tradicionais: bawaseer ka nasoor, uma “ferida de hemorroida” em urdu, é para alguém que é aborrecido. O Marathi fukat hawa (“conversa sobre gás”) descreve alguém que gosta de se mostrar.

“A ideia era criar uma plataforma divertida para uma conversa sobre os palavrões comuns que usamos e a misoginia e o preconceito por trás deles”, explicou Mishra. “Encontrar palavras divertidas e alternativas é o que achamos que funcionará melhor para envolver as pessoas a estarem atentas à linguagem que usam.”

Gaalis não são apenas palavrões, mas um vocabulário mais amplo de gírias usadas em todo o subcontinente. Por exemplo, lah bong é usado para expressar exasperação em Khasi, uma linguagem usada em Meghalaya, e bakthoth descreve um tagarela em Jharkand.

Embora os palavrões tenham sido cada vez mais ouvidos e aceites no uso diário na última década, a atitude em relação aos palavrões na Índia é influenciada pela classe. Na maioria dos lares de classe média, palavrões são tabu. Estas palavras são normalmente associadas à classe trabalhadora.

Insultos tendenciosos, preconceituosos e misóginos

Os palavrões indianos não são diferentes de outros ao redor do mundo por terem raízes preconceituosas ou misóginas, mas existem algumas características distintas. Muitos envolvem género, honra, incesto ou religião. Além disso, refletem os fundamentos da misoginia ou da intolerância.

Outros estão ancorados no sistema de castas hindu, como bhangi, uma casta historicamente oprimida relegada à limpeza, que é usada para descrever alguém que não é cuidado.

Género, casta ou outras formas de crimes relacionados com o preconceito continuam a ser um problema em toda a Índia.

As criadores do Projeto Gaali querem criar um espaço na Índia, que tem mais de 780 idiomas, para desabafar de uma forma mais segura e culturalmente apropriada.

Cerca de 40% das submissões até agora foram filtradas por causa de preconceitos sugeridos ou óbvios, como a palavra malaiala pottan – ou “tolo” -, que é usada para sugerir que um homem é afeminado.

Uma série de gaalis baseia-se na admoestação popular indiana, muitas vezes usada por pais ou avós quando os filhos ou netos não os ouvem. Embora haja uma crescente consciencialização e discussão na Índia sobre os efeitos do disciplinamento físico das crianças, o estilo parental de “palmadas ocasionais” é considerado aceitável e normal.

Mas será que as pessoas realmente vão mudar a forma como mostram exasperação ou desdém? “A maioria das pessoas não quer usar conscientemente um gaali tendencioso. Usa-se um gaali para desabafar, não para propagar misoginia”, disse Mishra.

As criadoras pretendem que o projeto cresça em diferentes meios e evolua. “O Projeto Gaali não vai mudar a paisagem, mas é um passo à frente. É criar essa atenção plena”.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.