Beber chá e falar sobre o fim da vida. Nem a pandemia acabou com os Cafés da Morte

Os Cafés da Morte são locais especialmente criados para beber chá, comer bolos e falar sobre o fim da vida. Porém, com a pandemia e a morte a ocupar os pensamentos de todos, será que ainda fazem sentido?

Quando a Índia entrou em confinamento, os proprietários do Talking Death, um local em Mumbai onde os clientes podiam beber chá, comer bolos e pensar na brevidade da vida, estavam a pensar na sua própria morte.

Como muitos outros encontros afetados pelas regras de permanência em casa durante a pandemia, Talking Death teve de passar a ser online. Porém, os dois psicólogos que o iniciaram, Devaunshi Mehta e Zena Yarde, temiam que, com a morte nos noticiários todos os dias, as pessoas não quisessem perder tempo a pensar nisso.

Por outro lado, de acordo com o Vice, depois de se adaptarem ao regime online, Mehta e Yarde perceberam que era útil para aqueles que queriam discutir os seus medos – mesmo que os números tenham caído em comparação com as reuniões presenciais.

“Algumas pessoas disseram: ‘Oh, graças a Deus! Existe uma plataforma para falar sobre isso’. Queriam realmente falar sobre a morte, especialmente desde que estamos cercados por ela”, disse Mehta.

Yarde também observou que o acesso à Internet permitiu a participação de visitantes internacionais. “Tivemos alguém do Canadá que se juntou a nós. E o anterior, tivemos alguém de Boston”, referiu.

Misturando religião, filosofia e cafeína, a miríade de Cafés da Morte da Ásia também surgiu em Hong Kong, Coreia do Sul, China, Tailândia e Singapura, seja em encontros informais ou negócios temáticos. Os participantes fazem um lanche e pensam sobre o fim inevitável da sua existência ou o que pode acontecer depois.

Muitos também estão localizados em países com tradições e influências budistas, que enfatizam ideias de renascimento após a morte, de acordo com Alastair Gornall, professor assistente de Estudos do Sul e Sudeste Asiático na Universidade de Tecnologia e Design de Singapura.

Em Singapura, o consultor financeiro Raj Mohammad começou a organizar reuniões informais em vários cafés ao redor da ilha para discutir a morte há cerca de cinco anos, com a intenção de fazer com que as pessoas a aceitassem como parte da vida.

Localizado num bairro nobre da capital tailandesa Banguecoque, o Kid Mai Death Awareness Cafe leva a reflexão um passo adiante e oferece aos clientes a oportunidade de se deitarem num caixão e beberem bebidas que os lembra da natureza finita da vida.

O professor assistente Veeranut Rojanaprapa criou o café para a sua tese de doutorado em filosofia e religião na Saint John’s University, na Tailândia, onde a maioria da população é budista.

A Tailândia já não está em confinamento e os casos de transmissão local são quase inexistentes. Mesmo com poucas restrições, o café recebe cerca de 20 clientes nos dias de semana e 50 nos fins de semana. Rojanaprapa disse que, antes do vírus, veria o dobro desses números.

No entanto, Rojanaprapa não vê uma ligação entre o menor comparecimento e relutância em ser lembrado da morte durante a pandemia. Não há planos de fechar o café e o professor acredita que as coisas vão recuperar-se assim que o vírus for derrotado.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Os polegares dos neandertais adaptaram-se a ferramentas com pega

Os polegares dos neandertais adaptaram-se para segurar melhor ferramentas com pega, da mesma forma como utilizamos atualmente um martelo, revela uma nova investigação da Universidade de Kent, no Reino Unido. A mesma investigação sugere ainda …

Sporting 2-1 Moreirense | JackPote rende pontos ao “leão”

O “Leão” soma e segue na liderança do campeonato, depois de vencer o Moreirense por 2-1, graças a um bis Pedro Gonçalves. Neste sábado, na recepção ao Moreirense, num embate relativo à oitava jornada, sofreu, mas conseguiu …

Raro crustáceo parasita descoberto na boca de um tubarão em exibição num museu

Uma equipa de cientistas descobriu uma espécie extremamente rara de Cymothoidae na boca de um espécime de tubarão capturado no Mar da China Oriental e agora em exibição num museu. Os Cymothoidae são uma família de isópodes …

Série da Netflix faz disparar venda de jogos de xadrez nos Estados Unidos

A série "The Queen’s Gambit", da plataforma de streaming Netflix, que retrata a ascensão de uma jovem jogadora de xadrez na década de 1950, fez disparar as vendas deste jogo de tabuleiro nos Estados Unidos. …

Novo comité central do PCP eleito com 98,5%

O novo comité central do PCP foi este domingo eleito no XXI congresso nacional dos comunistas, em Loures, com 98,5% dos votos. Dos 611 delegados, 602 votaram a favor, seis abstiveram-se e três votaram contra na …

Elefante salvo de um poço profundo na Índia. Resgate durou 14 horas

Uma equipa de 50 pessoas ajudou a salvar um elefante que tinha caído num poço profundo em Dharmapuri, no sul da Índia. Moradores locais atiraram folhas de bananeira para o animal comer antes de ser …

Santa Clara 0-1 Porto | Magia de Díaz resolve jogo pobre

Missão cumprida. O Porto viajou até aos Açores para defrontar o Santa Clara e leva na bagagem os três pontos. Mas não o conseguiu com brilhantismo, longe disso. A eficácia foi a palavra de ordem, num …

Raro pinguim totalmente branco encontrado nas Ilhas Galápagos

Um raro pinguim com o corpo totalmente "pintado" de branco foi encontrado no arquipélago das Galápagos, no Equador. Em comunicado, o Parque Nacional das Galápagos detalha que o raro espécime foi encontrado enquanto um guia fazia …

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. Há uma razão

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. As cidades populosas, as vias não adaptadas, as poucas escolas de treino e a própria população são entraves à existência destes companheiros (e verdadeiros …

Governo das Ilhas Salomão quer banir o Facebook para preservar a União Nacional

O Governo das lhas Salomão quer banir temporariamente a rede social Facebook numa tentativa de combater o cyberbullying e a difamação, alegando que a plataforma está a "minar" a União Nacional. A decisão, que já …