Maduro avança com um plano de desarmamento e pacificação

chavezcandanga / Flickr

Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje que o seu Governo está a preparar um plano de desarmamento para combater os altos índices de assassinatos no país e para pacificar a sociedade venezuelana.

“Vamos aplicar um plano de pacificação nacional no ano de 2014 em todo o território da pátria, um plano profundo de construção da paz desde dentro das comunidades, que implique a reincorporação de rapazes que estão no crime e na violência no trabalho e no estudo, na cultura”, declarou.

Estas declarações surgiram depois de a ex-miss Venezuela Mónica Spear Mootz, 29 anos, e o marido, terem sido assassinados a tiro na noite de segunda-feira por vários homens armados que assaltaram a viatura em que circulavam.

Nicolás Maduro falava no palácio presidencial de Miraflores, durante uma reunião, transmitida pela televisão estatal, com os presidentes de 79 câmaras municipais e governadores estaduais, convocada para abordar a questão da insegurança, que, segundo admitiu Maduro, “teve um aumento perigoso” nos últimos 15 dias.

Sublinhando que “é um esforço tremendo, um tema particularmente importante sobre o qual é preciso estudar, refletir respeitosamente e de maneira profunda”, apontou que a chave está na educação, na cultura, “no exemplo verdadeiro, permanente, na comunidade, na família, na escola, dotar os meninos, meninas e jovens da suficiente defesa imunológica do seu espírito, para ter uma consciência crítica perante esses anti-valores”.

“Eu disse e ratifico, rapazes que me ouvem, que estão nesses grupos criminosos, chegou a hora, chegou 2014, eu estendo-vos a mão e atrevo-me a dizer que lhes estendo a mão de todos os governadores e autarcas deste país para que venham cá, à vida, ao trabalho, ao desporto, à educação, à cultura, a fazer vida, à sua família novamente”, afirmou.

Por outro lado enfatizou “a dor do que aconteceu nos últimos 15 dias” e avisou os criminosos para “que não se enganem”, ao mesmo tempo que pediu aos representantes dos vários organismos para exercerem “a autoridade do Estado e aplicar mão de ferro”.

“Que ninguém se engane. A autoridade do Estado, da Lei, tem de ser respeitada e temos que fazer respeitar o direito à vida dos venezuelanos. Têm que entregar as armas. Este é um processo de pacificação e desarme, ninguém pode ficar com armas”, disse, precisando que apenas a República, as Forças Armadas Bolivarianas e a polícia podem ter armas.

Nicolás Maduro disse estar a preparar “uma nova lei de pacificação” para aplicar já em 2014, que combinará e fortalecerá a autoridade do Estado, assim como uma ação de combate à insegurança denominada “Plano Pátria Segura”, com mais patrulhamentos, vigilância e maior efetividade na formação de polícias.

O Presidente vincou que a criminalidade nos Estados venezuelanos de Táchira, Mérida, Zúlia, Apure, Barinas e Amazonas, “tem uma componente que que vem da irmã Colômbia [com quem a Venezuela faz fronteira]: o narcotráfico e a violência de todo o tipo, que levou para a Venezuela coisa que nunca tínham visto”, como os “sequestro expresso” e o “sicariato” (assassínio por encomenda).

Segundo fontes não oficiais, 24.763 pessoas foram assassinadas nos últimos 12 meses na Venezuela.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Eis AlphaDog, a resposta da China para o cão-robô norte-americano Spot

A empresa de tecnologia Weilan, sediada em Nanjing, na China, desenvolveu o AlphaDog, um cão-robô que usa sensores e inteligência artificial (IA) para realizar uma série de aplicações, incluindo entrega de encomendas e orientação para …

E se a vacina contra a covid-19 se chamasse Trumpcine? O "sir" sugeriu e Donald Trump gostou

No fim de semana passado, durante um encontro do Comité Nacional Republicano, o ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que alguém sugeriu que as vacinas disponíveis contra a covid-19 deveriam receber o seu nome. …

O custo da paz mundial é bastante inferior ao custo da guerra

Um recente relatório do Instituto de Economia e Paz (IEP) conclui que o custo dos países com a violência é bem superior ao custo com a paz mundial. O Instituto de Economia e Paz estima que, …

Malta vai pagar aos turistas que visitarem a ilha durante o verão

Numa altura em que pandemia não tem dado tréguas ao setor do turismo, Malta anunciou um conjunto de medidas com o objetivo de encorajar os viajantes a visitarem o país e a ficarem hospedados nos …

Pentágono confirma que filmagens de OVNI em forma de pirâmide são autênticas

Uma nova série de imagens e vídeos de OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados) filmados pela Marinha dos Estados Unidos foi agora confirmada como autêntica pelo Pentágono. Enquanto muitas pessoas geralmente se referem a avistamentos misteriosos …

Irão vai aumentar produção de urânio enriquecido em resposta ao “terrorismo nuclear” de Israel

O Irão justificou esta quarta-feira a decisão de enriquecer urânio a 60% como resposta ao “terrorismo nuclear” e à “maldade” israelita, referindo-se ao alegado ataque contra a central de Natanz, no domingo. “A decisão de enriquecer …

Possibilidade de ser reinfetado baixa 84% para quem já teve covid-19

Um novo estudo indica que a infeção prévia por SARS-CoV-2 protege a maioria dos indivíduos contra a reinfecção durante uma média de sete meses As probabilidades de reinfeção não descem até zero, mas um novo estudo, …

Bolsonaro diz que confinamentos transformaram o Brasil num "barril de pólvora"

Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, alertou esta quarta-feira que o país se tornou "um barril de pólvora" devido às medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos para tentar conter a disseminação da covid-19. "O Brasil está …

Valentina poderia ter sobrevivido se socorrida, afirma médico legista

O médico responsável pela autópsia de Valentina, a criança de nove anos que morreu após graves agressões, admitiu hoje ao Tribunal de Leiria que a menina poderia ter sobrevivido, "com sequelas", se tivesse sido socorrida. A …

Marcelo admite confinamentos locais, fala em "reta final" e aponta à "recuperação social"

O Presidente da República afirmou esperar que o estado de emergência esteja a caminhar para o fim, sem dar como certo que esta seja a sua última renovação, e admitiu confinamentos locais para conter a …