Macron eleito presidente da França com 66,1% dos votos

Yoan Valat / EPA

Emmanuel Macron 'En Marche!'

Emmanuel Macron ‘En Marche!’

O candidato centrista Emmanuel Macron foi eleito Presidente de França com 66,1% dos votos e derrotou a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, que obteve apenas 33,9%.

Os resultados de Macron são melhores do que as sondagens tinham indicado nas duas semanas entre a primeira e a segunda voltas. Os valores foram avançados pelos institutos de estudos de mercados Ifop e Harris Interactive, citados pela agência France-Presse, cerca das 20h00 em França.

Segundo uma estimativa da empresa de sondagens Ipsos-Sopra Steria para vários órgãos franceses, a abstenção ter-se-á situado nos 25,3%, a maior taxa numa segunda volta em eleições presidenciais desde 1969.

A participação terá sido assim de 75,7%, menos três pontos percentuais que na primeira volta, a 23 de abril, em que 77,77% dos eleitores franceses foram às urnas. É também a primeira vez desde 1969 que a participação na 2ª volta é inferior à da primeira.

“O que fizemos nestes meses não tem precedente nem equivalente. Todos diziam que era impossível. Isso é porque não conheciam a França“, afirmou Macron, no Museu do Louvre, num discurso para dezenas de milhares de pessoas.

O jovem político, de 39 anos, reiterou que a tarefa que tem pela frente é imensa e pediu votos nas eleições legislativas, que se realizam em junho, para construir uma maioria verdadeira e forte, a maioria da mudança que o país aspira.

Macron alertou que o que virá pela frente não será fácil, mas prometeu aos franceses que sempre dirá a verdade, que protegerá a França e que tem como objetivo unir e reconciliar o país.

O candidato que derrotou a extrema-direita

Emmanuel Macron lançou-se na corrida presidencial francesa projetando a imagem de um político novo e descomprometido, “nem de direita nem de esquerda”, e fica na história por ter derrotado a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen.

Aos 39 anos, tornou-se o presidente mais jovem da história de França desde Luis Napoleão Bonaparte (1848-1852), sobrinho de Napoleão Bonaparte, presidente aos 40.

Emmanuel Macron nunca tinha sido eleito e demitiu-se do cargo de ministro da Economia (2014-2016) do governo do presidente François Hollande para apresentar a candidatura.

Com a passagem à 2ª volta da líder da extrema-direita, Marine Le Pen, Macron teve apoio de dezenas de políticos, empresários, intelectuais, artistas e cientistas, incluindo o republicano François Fillon e o socialista Benoît Hamon, derrotados na primeira volta e representantes dos dois partidos que partilharam o poder nas últimas cinco décadas.

Yoan Valat / EPA

Emmanuel Macron, novo presidente da França

A imprensa francesa qualifica-o de “puro produto da intelectualidade”: filho de um casal de médicos, saído das escolas de elite, banqueiro de investimentos até entrar na política em 2012 como conselheiro de Hollande. Dessa experiência, e da de ministro, Macron diz ter retirado um ensinamento central: o da disfunção do sistema político.

Disse-se candidato da “verdadeira indignação” e da renovação, face “às mesmas caras” da classe política “há 30 anos”: “Isto não pode continuar assim!”.

Nas palavras de Hollande, numa reunião recente, “Macron teve a intuição, precisamente porque estava fora da vida política tradicional, de que os partidos de governo criaram as suas próprias fraquezas, perderam atratividade e estavam desgastados, cansados e envelhecidos”.

Essa intuição levou o jovem ministro a fundar, em abril de 2016, o seu próprio movimento, “Em Marche!”, com as suas iniciais – EM – que reivindica ter 200 mil militantes.

O seu programa é de inspiração social-liberal, prometendo reconciliar “liberdade e proteção”, reformar o subsídio de desemprego, criar apoios para os jovens de bairros desfavorecidos e “olhar para a classe média”, “esquecida pela direita e pela esquerda”.

Europeísta “assumido” mas com pouca experiência internacional, tentou reforçar esta vertente com uma visita ao Líbano e outra a Berlim, onde se reuniu com a chanceler alemã, Angela Merkel, junto de quem suscita, segundo a imprensa, “interesse e simpatia”.

O seu discurso, politicamente transversal, agrada sobretudo aos jovens urbanos e aos empresários, mas não é popular junto das classes populares, sobretudo rurais, pela globalização que defende.

Martial Trezzini / EPA

O movimento “Em Marche!” de Macron reivindica ter 200.000 militantes

O movimento “Em Marche!” de Macron reivindica ter 200.000 militantes

Contrariamente aos outros candidatos, Macron expôs na campanha a vida privada, aparecendo frequentemente com a mulher, Brigitte, 24 anos mais velha e sua antiga professora. A opção por essa exposição pode ter decorrido do desmentido que fez de rumores lançados nas redes sociais de que seria homossexual.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Quem venceu a extrema-direita chama-se MEDO, só nos falta saber se arealidade não será bem mais medonha. Aguardemos serenamente.

  2. Depois da campanha do medo e da festa vamos ver se o senhor Macron será homem de palavra e de pulso para enfrentar os verdadeiros problemas franceses entre eles talvez o mais grave e polémico a invasão islâmica que aos poucos vai asfixiando os franceses e a própria Europa, é um homem do sistema e nele quanto a mim se deixará enredar.

Responder a Vasco Cancelar resposta

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …

A maior entrada de sempre em bolsa. Saudi Aramco garante 25,6 mil milhões de dólares

Para além de fazer uma entrada em estilo na bolsa de Riade na próxima semana, com a maior IPO de sempre, a Saudi Aramco torna-se na empresa mais bem avaliada do mundo. A Saudi Aramco, petrolífera …

Novo livro revela provas de que Albert Camus foi assassinado pelo KGB

Giovanni Catelli é autor da teoria que o prémio Nobel da literatura Albert Camus foi assassinado pelo KGB. No seu novo livro, reitera essa ideia e revela algumas provas. O romancista Albert Camus foi vencedor do …

Embaixada da China reage com "forte indignação” às declarações de Pompeo em Lisboa

A embaixada da China em Portugal reagiu esta sexta-feira com “forte indignação e firme oposição” às declarações do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, sobre o governo e empresas chineses, durante a visita que fez …

Ministério Público quer anular libertação do amante de Rosa Grilo

O Ministério Público (MP) pediu a nulidade do despacho judicial que ordenou esta sexta-feira a libertação de António Joaquim, acusado de matar o triatleta Luís Grilo, em coautoria com a mulher da vítima, Rosa Grilo. “O …

Cofina condenada a pagar 55 mil euros ao ex-ministro Miguel Macedo

O grupo Cofina Media foi condenado a pagar 55 mil euros ao antigo ministro da Administração Interna Miguel Macedo por ter exibido ilegalmente imagens e áudio de interrogatórios no âmbito do processo dos Vistos Gold, …