“Há urgência em agir”. Após manifestação violenta, Macron acelera reforma da polícia em França

Stephane Mahe / EPA

O presidente francês, Emmanuel Macron

A nova lei de “segurança global”, que o Governo francês introduziu, está a causar grande discórdia em França. Ainda assim, o Executivo francês quer perpetuar mudanças o mais rápido possível. Ministro do Interior vai receber representantes da polícia no dia 18.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, garantiu que vai estar “pessoalmente” envolvido no processo de reforma da polícia, que terá início em Janeiro.

Em resposta ao sindicato da polícia Unité-SGP-FO, Macron afirmou, citado pela AFP, que vai participar no processo de discussão pública sobre a reforma, que também vai incluir temas como os recursos e a formação dos policias.

Numa carta enviada a Yves Lefebvre, antigo dirigente máximo do sindicato, principal organização socioprofissional do Ministério do Interior, o Presidente francês refere que “os acontecimentos recentes, a emoção que partilhou com os franceses, os alertas de diferentes organizações defensoras de direitos, tornaram essa mudança ainda mais necessária”, escreveu Macron.

“Há uma urgência de agir. Por um lado, para consolidar o vínculo de confiança entre os franceses e as forças da ordem”, acrescentou.

Daí que o Presidente da França tenha solicitado ao ministro do Interior, Gerald Darmanin, que receba os representantes da polícia e dos guardas, num encontro onde deverão ser apresentadas algumas propostas. Numa publicação no Twitter, Darmanin indicou que as reuniões bilaterais vão decorrer a 18 de Dezembro.

Em cima da mesa estarão temas como a formação profissional dos polícias, intervenções, controlo disciplinar, condições materiais, relação entre a polícia e os civis e número de efetivos.

Na sexta-feira, Macron já tinha prometido lutar contra a violência da polícia, um fenómeno que, no entanto, salientou tratar-se de casos isolados e não de um problema generalizado às forças policiais.

O Governo também vai abrir uma discussão pública sobre a reforma das forças de segurança em Janeiro, diz o Le Monde, um pouco à imagem da consulta de 2018 que permitiu chegar aos acordos de Grenelle entre o Governo e os sindicatos que permitiu pôr fim aos protestos dos coletes amarelos.

A manifestação realizada no sábado, em Paris, para protestar contra um projeto lei sobre “segurança global” avançado pelo Governo degenerou em vários incidentes violentos, existindo relatos de veículos incendiados, segundo avançou, na altura, a agência AFP.

Aprovado no passado dia 24 de Novembro pelos deputados da Assembleia Nacional, o projeto lei sobre “segurança global” visa expandir alguns poderes e fornecer uma maior proteção às forças de ordem pública, de acordo com o próprio texto.

No entanto, a parte da lei que prevê o controlo da gravação e da divulgação indevida (com possível punição) de imagens relacionadas com as forças de ordem pública, foi classificada como um ataque à liberdade de imprensa e de expressão.

A polémica em redor deste diploma surge num momento em que o país tem sido abalado por alguns casos de violência policial, como foi o caso da recente situação que envolveu um produtor de música negro espancado por polícias à entrada de um estúdio de música em Paris.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Anúncios de TV promovem mais os brindes do que o próprio fast food (e violam diretrizes do setor)

Para uma criança, a melhor parte de uma refeição de fast food não é a comida, mas o brinde que vem juntamente com a refeição. Os anúncios televisivos de fast food são regidos por diretrizes que …

“Se querem sucesso, têm de depender do sistema“. Empresário chinês é preso após disputa com o Estado

Sun Dawu, um dos empresários mais bem sucedidos da China, corre o risco de ser condenado a 25 anos de prisão, caso seja provado que cometeu os crimes dos quais está a ser acusado. O empresário …

Cientistas criam verniz para superfícies que mata bactérias em poucos minutos

Uma equipa multidisciplinar de cientistas desenvolveu um verniz para superfícies que mata bactérias, mesmo as mais resistentes, em apenas 15 minutos, anunciou a Universidade de Coimbra (UC). Trata-se de “uma solução segura e eficaz para prevenir …

Num país marcado pelo racismo, Jane Bolin fez história tornando-se a primeira juíza negra dos EUA

A 22 de julho de 1939, Jane Bolin fez história ao prestar juramento como juíza na cidade de Nova Iorque. A jovem ocupou o cargo durante 40 anos e só saiu de cena quando atingiu …

A petrolífera Exxon está a culpá-lo pelas alterações climáticas

Nos últimos anos, as empresas petrolíferas têm-se afastado do discurso de negação das alterações climáticas. Gigantes globais de energia como a Total, a Exxon, a Shell e a BP reconhecem abertamente que a mudança climática …

"Muita fraternidade”. Portugal enviou vacinas para Cabo Verde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que os indicadores da pandemia de covid-19 em Portugal permanecem "muito estáveis" e que a última grande abertura no plano de desconfinamento não teve …

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre bullying na escola, diz relatório

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre 'bullying' na escola, alertou esta segunda-feira a UNESCO, por ocasião do Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. A Organização Internacional de Jovens e Estudantes LGBTQI (IGLYO) e …

Telescópio vai "caçar" a luz de 30 milhões de galáxias para mapear Universo e "revelar" energia escura

Um instrumento de um telescópio nos Estados Unidos vai capturar nos próximos cinco anos a luz de quase 30 milhões de galáxias e outros objetos cósmicos, permitindo aos cientistas mapearem o Universo e desvendarem os …

Portugal ficou acima da média europeia quanto ao teletrabalho

Dados do Eurostat sobre o teletrabalho durante a pandemia revelaram que Portugal registou uma média ligeiramente superior (13,9%) à da União Europeia (12,3%) entre as pessoas com idade dos 15 e os 64 anos. Em anos …

"Idiotas". Bolsonaro critica pessoas que mantêm isolamento social na pandemia

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou os brasileiros que seguem as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e mantêm isolamento social na pandemia, a quem chamou de 'idiotas', em conversa com os seus …