“Há urgência em agir”. Após manifestação violenta, Macron acelera reforma da polícia em França

Stephane Mahe / EPA

O presidente francês, Emmanuel Macron

A nova lei de “segurança global”, que o Governo francês introduziu, está a causar grande discórdia em França. Ainda assim, o Executivo francês quer perpetuar mudanças o mais rápido possível. Ministro do Interior vai receber representantes da polícia no dia 18.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, garantiu que vai estar “pessoalmente” envolvido no processo de reforma da polícia, que terá início em Janeiro.

Em resposta ao sindicato da polícia Unité-SGP-FO, Macron afirmou, citado pela AFP, que vai participar no processo de discussão pública sobre a reforma, que também vai incluir temas como os recursos e a formação dos policias.

Numa carta enviada a Yves Lefebvre, antigo dirigente máximo do sindicato, principal organização socioprofissional do Ministério do Interior, o Presidente francês refere que “os acontecimentos recentes, a emoção que partilhou com os franceses, os alertas de diferentes organizações defensoras de direitos, tornaram essa mudança ainda mais necessária”, escreveu Macron.

“Há uma urgência de agir. Por um lado, para consolidar o vínculo de confiança entre os franceses e as forças da ordem”, acrescentou.

Daí que o Presidente da França tenha solicitado ao ministro do Interior, Gerald Darmanin, que receba os representantes da polícia e dos guardas, num encontro onde deverão ser apresentadas algumas propostas. Numa publicação no Twitter, Darmanin indicou que as reuniões bilaterais vão decorrer a 18 de Dezembro.

Em cima da mesa estarão temas como a formação profissional dos polícias, intervenções, controlo disciplinar, condições materiais, relação entre a polícia e os civis e número de efetivos.

Na sexta-feira, Macron já tinha prometido lutar contra a violência da polícia, um fenómeno que, no entanto, salientou tratar-se de casos isolados e não de um problema generalizado às forças policiais.

O Governo também vai abrir uma discussão pública sobre a reforma das forças de segurança em Janeiro, diz o Le Monde, um pouco à imagem da consulta de 2018 que permitiu chegar aos acordos de Grenelle entre o Governo e os sindicatos que permitiu pôr fim aos protestos dos coletes amarelos.

A manifestação realizada no sábado, em Paris, para protestar contra um projeto lei sobre “segurança global” avançado pelo Governo degenerou em vários incidentes violentos, existindo relatos de veículos incendiados, segundo avançou, na altura, a agência AFP.

Aprovado no passado dia 24 de Novembro pelos deputados da Assembleia Nacional, o projeto lei sobre “segurança global” visa expandir alguns poderes e fornecer uma maior proteção às forças de ordem pública, de acordo com o próprio texto.

No entanto, a parte da lei que prevê o controlo da gravação e da divulgação indevida (com possível punição) de imagens relacionadas com as forças de ordem pública, foi classificada como um ataque à liberdade de imprensa e de expressão.

A polémica em redor deste diploma surge num momento em que o país tem sido abalado por alguns casos de violência policial, como foi o caso da recente situação que envolveu um produtor de música negro espancado por polícias à entrada de um estúdio de música em Paris.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vírus com 15 mil anos descobertos no gelo do Planalto do Tibete

Cientistas que estudam glaciares encontraram vírus com quase 15 mil anos em duas amostras de gelo retiradas do Planalto do Tibete, na China. Muitos deles, que sobreviveram porque se mantiveram congelados, são diferentes de todos …

Leite sem lactose em laboratório (e com a ajuda de membranas de óxido de grafeno)

As membranas de óxido de grafeno (uma forma oxidada do material) têm sido muito estudadas para a dessalinização da água e separação de corantes, mas as suas propriedades podem não ficar por aqui. Uma equipa de …

Cientistas criam material de "auto-reparação" mais resistente do mundo (e é perfeito para ecrãs de telemóveis)

Investigadores do Instituto Indiano de Educação e Investigação Científica (IISER, na sigla em inglês) podem ter encontrado o material perfeito para fazer os ecrãs de smartphones: transparente, resistente e que a capacidade de se "auto-curar" …

"A bitcoin vai criar a paz mundial"

A rainha das moedas digitais, se não construir a paz no planeta, vai ajudar na pacificação entre os seres humanos. É a opinião de Jack Dorsey. É o centro de atenções de muitos investidores, é o …

"Burrolandia". Parque temático de burros no México está a tentar salvar estes animais

Um parque temático de burros no México serve de santuário a estes animais que estão aos poucos a desaparecer no país. "O burro ajudou o homem por muito tempo. É hora de retribuirmos o favor", …

Uma mão robótica que joga Super Mario Bros na Nintendo? Sim, existe

Uma equipa de investigadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, imprimiu em 3D peças para criar uma mão robótica capaz de jogar Super Mario Bros na Nintendo.  A mão robótica é totalmente montada com circuitos …

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência. O vulcão Etna – um dos mais …

Argentina cria documento de identidade para pessoas não binárias

O Presidente da Argentina anunciou, esta semana, que o país tem um novo documento de identidade para incluir pessoas não binárias. É o primeiro país da América Latina a fazê-lo. De acordo com o chefe de …

Costa diz que Portugal vai ter "o dobro" de fundos comunitários para investir

O primeiro-ministro afirmou, este sábado, que Portugal vai contar, nos próximos sete anos, com "o dobro" de fundos comunitários para investimento, considerando que esta "é uma oportunidade única" que não pode ser desperdiçada. "Vamos ter a …