À segunda foi de vez: Macron aceitou demissão do ministro do Interior

Yoan Valat / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron, aceitou a demissão do ministro do Interior, Gérard Collomb, e pediu ao primeiro-ministro, Edouard Philippe, para assumir interinamente a pasta até à nomeação de novo membro do Governo.

O Conselho de Ministros desta quarta-feira, programado para as 10:00 (menos uma hora em Lisboa), realiza-se “com o Governo assim constituído”, refere uma nota da Presidência.

Número dois do Governo, Gérard Collomb renunciou pela segunda vez em 24 horas para “retornar a Lyon” e assumir a câmara. Collomb tinha pedido a demissão na segunda-feira, mas Emmanuel Macron recusou, segundo a Presidência, confirmando assim uma notícia avançada pelo diário Le Figaro.

“Perante os ataques de que o ministro tem sido alvo desde que confirmou que vai ser candidato à Câmara de Lyon, o Presidente da República renovou-lhe a confiança e pediu-lhe para continuar totalmente mobilizado na sua missão para a segurança dos franceses”, indicou a Presidência francesa à agência France-Press.

Gérard Collomb tinha anunciado a 18 de setembro a sua saída do Governo no próximo ano, para se apresentar às eleições municipais em Lyon, no centro-leste do país, em 2020. Desde então, várias vozes exprimiram-se para reclamar a demissão imediata do ministro.

Ainda na segunda-feira, o ex-deputado ecologista Daniel Cohn-Bendit, apoiante de Emmanuel Macron, considerou que Collomb “tinha o direito à reforma”.

Esta personalidade do espetro político europeu, uma das ‘almas’ do maio de 68, desejou mesmo, em jeito de provocação, que Collomb “saia do ministério, vá cuidar dos netos, vá tratar das flores”, denunciando também a “condescendência” do ministro do Interior face ao Presidente da República.

Segundo o Figaro, Gérard Collomb, que tinha criticado a falta de humildade e de capacidade de escuta do Governo, entregou a sua demissão ao chefe do executivo na segunda-feira, ao fim do dia.

Segundo um conhecedor dos meandros do topo do Estado, o cenário de uma saída rápida de Gérard Collomb não foi levado a sério por Emmanuel Macron e Edouard Philippe, menos de um mês depois da demissão de Nicolas Hulot, do Ministério da Ecologia, e a remodelação que se lhe seguiu.

Tal como nota o semanário Expresso, esta é a terceira demissão em pouco mais de um mês. Depois de Hulot, seguiu-se a demissão de Laura Flessel, que desempenhava funções como ministra do Desporto. Na época, Flessel invocou “motivos pessoais”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …

Belenenses e Belenenses SAD chegam a acordo para suspender ações judiciais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta sexta-feira, que foi alcançada uma suspensão das ações judiciais entre o Belenenses e a Belenenses SAD. Em comunicado publicado na sua página oficial, a FPF informou que o …

Amazon quer que os clientes paguem com as mãos

A gigante tecnológica Amazon quer que os  clientes comprem e efetuem o pagamento com um aceno da mão em vez de passar um cartão numa máquina. De acordo com o Wall Street Journal, que cita fontes …

59 autarcas constituídos arguidos na Operação Éter

O Ministério Público constituiu 74 arguidos, 59 dos quais autarcas e ex-autarcas de 47 câmaras do Norte e Centro, no processo da investigação às Lojas Interativas da Turismo do Porto e Norte, realizada no âmbito …