A luta continua. Dezenas de milhares de manifestantes nas ruas de Hong Kong

Roman Pilipey / EPA

Dezenas de milhares de manifestantes saíram este domingo à rua em Hong Kong, para mais um protesto contra as emendas à lei da extradição, já suspensas, e o Governo da cidade.

A marcha arrancou pelas 15h30 (08h30 em Lisboa), no parque Vitória, e vai terminar no parque infantil de Southorn, em Wan Chai, em vez do local inicialmente previsto junto ao Tribunal de última instância, em Central.

O percurso da marcha foi reduzido por questões de segurança, tal como exigiu a polícia, e depois de a organização do protesto, a Frente Cívica de Direitos Humanos, ter perdido na véspera um recurso.

A Frente, que integra 15 organizações não-governamentais e movimentos políticos, organizou duas marchas pacíficas maciças, a 9 e a 16 de junho, que juntaram cerca de um milhão e de dois milhões de pessoas, respetivamente, de acordo com os organizadores. Apesar das manifestações serem maioritariamente pacíficas, manifestantes e polícia confrontaram-se já nas ruas da antiga colónia britânica.

Dois dos protestos, a 12 de junho e a 1 de julho, foram marcados por violentos confrontos entre manifestantes e a polícia, que chegou a usar balas de borracha, gás pimenta e gás lacrimogéneo. A 1 de julho, os manifestantes invadiram mesmo o Conselho Legislativo (LegCo, parlamento local) de Hong Kong.

A contestação nas ruas, iniciada contra um projeto de alteração, entretanto suspenso, à lei da extradição, generalizou-se e denuncia agora o que os manifestantes afirmam ser uma “erosão das liberdades” no território.

A chefe do Governo de Hong Kong, Carrie Lam, admitiu que a lei estava “morta”, sem conseguir convencer os líderes dos protestos.

Pequenas ações e manifestações continuam a ser organizadas na cidade para exigir que o Governo responda a cinco reivindicações: retirada definitiva da lei da extradição, a libertação dos manifestantes detidos, que os protestos de 12 de junho e 1 de julho não sejam identificados como motins, um inquérito independente à violência policial e a demissão de Carrie Lam.

Apresentadas em fevereiro, as alterações permitiriam ao Governo e aos tribunais da região administrativa especial chinesa a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

Os defensores da lei argumentam que, caso se mantenha a impossibilidade de extraditar suspeitos de crimes para países como a China, tal poderá transformar Hong Kong num “refúgio para criminosos internacionais”.

Já os manifestantes dizem temer que Hong Kong fique à mercê do sistema judicial chinês como qualquer outra cidade da China continental e de uma justiça politizada que não garanta a salvaguarda dos direitos humanos.

A transferência de Hong Kong e Macau para a República Popular da China, em 1997 e 1999, respetivamente, decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”, precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.

Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Minas americanas continuam inseguras apesar de multas de mil milhões de dólares

O veredito é dado pela sistema federal que multa as empresas mineiras: nem os mais de mil milhões de dólares em multas se revelaram suficientes para desencorajar as práticas inseguras do setor. Esta foi a conclusão …

Ainda há esperança. Corais do Atlântico reproduziram-se pela primeira vez em laboratório

Este é um avanço histórico que poderia ajudar a salvar corais em todo o mundo, incluindo o ameaçado recife da Flórida, nos Estados Unidos. O Aquário da Flórida, nos Estados Unidos, conseguiu que o coral Dendrogyra …

Cientistas descobrem a melhor maneira de ensinar uma nova língua a crianças

As pessoas muitas vezes assumem que as crianças aprendem novas línguas facilmente e sem esforço, independentemente da situação em que se encontram. Mas será verdade que as crianças absorvem linguagem como esponjas? Estudos mostraram que as …

Cientistas descobrem que as mantas gostam de socializar e de fazer amigos

Embora já tenham sido consideradas criaturas solitárias, um novo estudo descobriu que as mantas formam relações sociais e escolhem parceiros sociais. De acordo com o IFLScience, uma equipa de cientistas estudou mais de 500 grupos sociais …

Planta que não se reproduzia há 60 milhões de anos no Reino Unido revivida pelas alterações climáticas

Há 60 milhões de anos que as cicas não se reproduziam no Reino Unido. Agora, com a subida das temperaturas devido às alterações climáticas, fizeram-no pela primeira vez. As cicas são plantas lenhosas muito parecidas com …

Líderes políticos e religiosos ultraconservadores reunidos secretamente em Fátima

A reunião foi promovida pela International Catholic Legislators Network (ICLN). O encontro começou na quinta e termina este domingo. Entre muitos, conta com a participação do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán. Vários líderes políticos e religiosos ultraconservadores …

Rio alerta para "divórcio violento" e medo de Costa em perder votos para o BE

O líder do PSD, Rui Rio, disse este sábado que as críticas de António Costa ao Bloco de Esquerda refletem "ingratidão" e o "medo" que o Partido Socialista tem em "perder" votos para os bloquistas …

Trump diz que Boris é "o homem certo" e promete "grande acordo comercial"

Os dois líderes estiveram reunidos à margem da cimeira do G7. Trump elogiou Boris e garantiu que o acordo comercial com o Reino Unido será rápido depois do Brexit. Johnson diz que será "fantástico". O Presidente …

Uma impressora 3D construiu uma casa em apenas 12 horas

A impressora 3D S-Squared (SQ3D) construiu um protótipo básico de uma casa em cerca de 12 horas. A estrutura tem 46 metros quadrados e foi construída através de uma mistura de cimento em camadas. O trabalho …

Uma estrela supermassiva explodiu e aniquilou tudo à sua volta

Uma estrela renegada, que explodiu numa galáxia distante, forçou os astrónomos a colocar de lado décadas de investigação e a concentraram-se num novo tipo de supernova que pode aniquilar completamente a sua estrela-mãe - não …