Lusa afasta diretor de informação e adjuntos demitem-se

Carlos Narciso / YouTube

Fernando Paula Brito, ex-diretor de informação da agência Lusa

A direção de informação da Lusa demitiu-se, depois de o Conselho de Administração da agência ter decidido afastar o diretor de informação, Fernando Paula Brito, em funções desde 2011.

De acordo com o Expresso, a administração da agência noticiosa escolheu o jornalista Pedro Camacho, ex-diretor da Visão como substituto.

Numa nota à redação da agência de notícias, Fernando Paula Brito explica que o Conselho de Administração da Lusa, através da sua presidente, Teresa Marques, o informou da sua “decisão de realizar uma alteração na estrutura da Lusa que inclui a mudança do diretor de informação”.

Na sequência desta decisão, os diretores adjuntos – Nuno Simas e Ricardo Jorge Pinto, também em funções desde 2011 – apresentaram também a sua demissão “solidariamente”, o que representa a saída de funções de toda a direção de informação.

Na mesma nota, Fernando Paula Brito adianta que se manterá em funções até 04 de outubro.

Também os diretores adjuntos se manterão em funções até 4 de outubro.

“Orgulho-me de ter coordenado o trabalho de uma direção e de uma equipa de jornalistas, e de, juntos, termos feito um trabalho seguindo critérios de isenção, rigor, independência e respeito pelo pluralismo”, refere.

A presidente do Conselho de Administração da Lusa explicou que o afastamento do diretor de informação surge no âmbito da reorganização da agência, que pretende alguém com mais experiência de gestão no cargo, rejeitando qualquer intervenção da tutela.

A presidente do Conselho de Administração da Lusa, Teresa Marques, explicou que o diretor de informação tem hoje que “ter outros requisitos em termos de experiência de gestão e controlo orçamental que antes não eram tão vistos na função de diretor de informação, porque era uma função mais editorial”.

“Procuramos um perfil diferente: obviamente um jornalista, porque a parte editorial continua a ser o core business, um jornalista que seja reconhecido. Como marca que a Lusa é, tem que ser alguém reconhecido no mercado como um grande jornalista e independente”, adiantou Teresa Marques, sobre o nome que será ainda hoje proposto ao conselho de redação da agência e, após parecer deste órgão, à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC).

Em declarações à Lusa, Teresa Marques explicou que esta mudança na direção de informação se insere numa reorganização que está a ser levada a cabo na agência, que implica alterações em várias áreas, com o objetivo de “gerir a empresa de uma forma diferente que tem a ver com o momento”.

Questionada sobre a altura para a mudança, dada a proximidade das eleições legislativas a 04 de outubro, a responsável considerou que este é o melhor momento, uma vez que em outubro tem que começar a ser preparado o orçamento para o próximo ano.

“Esta direção de informação continua em funções até 5 de outubro, porque queremos que toda a gente perceba que não é um movimento político, mas de reorganização interna e de gestão”, declarou, acrescentando que se a mudança fosse em outubro “iam dizer que, mais uma vez, na Lusa se mudam os diretores de informação quando muda o Governo”.

Teresa Marques adiantou ainda que, sendo o nome proposto para a direção de informação exterior à agência, “há recursos dentro da Lusa para fazer parte da equipa do diretor de informação”.

A presidente do Conselho de Administração considerou que o atual diretor de informação “fez um bom trabalho”, sublinhando que se cumpriu a missão com o cliente, o acionista e os trabalhadores.

A nova organização da estrutura da agência entra em vigor hoje, com a autonomização dos serviços comerciais através da criação da Direção Comercial e de Marketing.

Assim, no topo da estrutura da Lusa está o Conselho de Administração, apoiado pelo Gabinete de Planeamento e Controlo de Gestão e o Apoio ao Conselho de Administração, e tem depois quatro direções distintas: Direção de Informação, Direção Comercial e Marketing, Direção Administrativa e Financeira e Direção de Operações e Sistemas.

O organigrama de cada direção será conhecido ainda durante este mês.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. …Também os médicos são administrativos, informáticos e gestores! Um director de informação de uma agência já não é só exclusivamente responsável editorial!

  2. É o lápis azul a a cumprir a sua missão aos mais altos níveis. Por isso se vê que a qualidade da informação é cada vez “melhor”.

    • Em fim de mandato? Lápis azul? Com a Lusa? Só um certo revolucionarismo de “esqª” radical de aviário à antiga ‘novosti’ é que pode estabelecer este tipo de ligações de objectivos inconfessáveis e ao mesmo tempo claros quanto aos propósitos… Usar qualquer “vírgula” para os vermos de dedo em riste “só porque”.
      A informação não tem de soar bem ou mal. Não deve basear-se na treta da separação entre realidade e opinião em que o jornalista é mero mediador, nem estar sujeita a ‘filtros’ (gatekeeper), do mesmo modo que as notícias não devem ser produto calendarizado de um mercado (jornalístico) específico, tal como o jornalismo de instrumentalização, Panfletário, ou jornalismo interpretador de correntes ou jornalismo construtor de “realidades”.
      Os critérios são muitos e o crivo das massas está demasiado exposto às várias linhas editoriais! Ainda que muitos creiam na selectividade porém não as distingem apesar de ser uma realidade que não foi nem é virtual. É o 5º poder nos estados democráticos – Presidente da República, Assembleia, Governo, Tribunais e PRESS. Enquanto os outros se cruzam verticalmente a imprensa além de os cruzar a todos, o seu ‘mercado’ é a generalidade dos leitores afinal Eleitores… Lugar à opinião livre o que é diferente da livre opinião – Ser, pensar, procurar e não apenas estar, obter ou ter

RESPONDER

Afinal, a economia portuguesa cresceu 2,2% em 2019 (mas está em desaceleração)

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu em alta, de 0,2 pontos percentuais, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português em 2019, situando-o em 2,2%, três décimas acima das previsões do Governo. Ainda assim, …

Deputado do PSD propõe referendo. "Concorda com a despenalização da prática da eutanásia?"

O deputado do PSD Pedro Rodrigues enviou na quarta-feira aos companheiros de bancada um projeto de resolução que propõe ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a convocação de um referendo sobre a eutanásia. De …

Alguém apostou no Placard num café fechado. Santa Casa perdeu dois milhões de euros

Durante quatro dias, a Santa Casa da Misericórdia registou o valor de dois milhões de euros em apostas, a partir de um café encerrado em Odivelas. Entre 9 e 12 de fevereiro, alguém apostou dois milhões …

Bairro da Jamaica. Novas suspeitas reabrem queixa contra agentes

Os moradores envolvidos nos confrontos de janeiro de 2019, no Bairro da Jamaica, pedem a reabertura do processo contra os agente da PSP. A defesa quer ver anulada a decisão do Ministério Público que acusou …

"Cuidados de morte." Governo acusado de cortar em cuidados paliativos para poupar dinheiro

A Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC) acusa o Governo de estar a cortar nos cuidados paliativos para poupar dinheiro. A TSF avança esta sexta-feira que a Associação Nacional dos Cuidados Continuados (ANCC) não tem dúvidas …

Novo Banco contrata detetives para seguir ex-líder da Ongoing

O Novo Banco contratou equipas especializadas compostas por investigadores privados para fazer o levantamento de todos os bens que possam ser associados a Nuno Vasconcellos, ex-líder da Ongoing. Segundo avança o Correio da Manhã esta sexta-feira, …

Eurobic nega que Teixeira dos Santos esteja a ser investigado pelo Banco de Portugal

Na quinta-feira, o jornal Público deu conta de uma investigação do Banco de Portugal (BdP) ao papel de Teixeira dos Santos no Eurobic no âmbito do caso Luanda Leaks. Agora, o banco vem a público …

Com Ferro Rodrigues "não acontecerá." Castração química não será debatida no Parlamento

Admitindo que as responsabilidades pela decisão de não admissibilidade do projeto de lei do Chega eram suas, Ferro Rodrigues deixou claro que, consigo na presidência da Assembleia da República, projetos de lei (provavelmente) inconstitucionais como …

Eleições para o Tribunal Constitucional suspensas. Boletins de voto estavam ilegais

A votação dos nomes para ocuparem as duas vagas no Tribunal Constitucional foi suspensa porque os boletins de votos que foram entregues aos deputados não estavam conforme manda a lei. De acordo com o jornal ECO, …

Chega já é a 5.ª força política em Portugal. CDS ultrapassado pelo PAN e Iniciativa Liberal

O PS mantém a distância para o PSD em fevereiro, segundo o Barómetro Político da Aximage para o Jornal Económico, que dá ainda conta que o CDS está em queda, posicionando-se apenas à frente do …