Câmara de Lisboa quer alugar casas a privados entre 450 e 1.000 euros e depois subarrendar

Simon Collison / Flickr

A Câmara de Lisboa discute, esta quinta-feira, em reunião privada do executivo, o lançamento do Programa Renda Segura (PRS), com uma despesa inicial de cinco milhões de euros e um custo anual para o município de quatro milhões.

A Câmara de Lisboa propõe alugar a privados casas para o Programa Renda Segura por valores entre 450 e 1.000 euros, consoante a tipologia, para depois subarrendar os imóveis aplicando os critérios do Programa de Renda Acessível.

Segundo os “valores de referência de renda” que constam da proposta sobre o Programa Renda Segura (PRS), que será debatida na reunião privada do executivo autárquico marcada para quinta-feira, os limites máximos de renda a pagar pelo município serão de 450 euros para um T0, 600 euros para um T1, 800 euros para um T2, 900 euros para um T3 e 1.000 euros para casas de tipologia T4 ou superior.

Contudo, é referido na proposta, a que a Lusa teve acesso, os candidatos ao PRS poderão apresentar proposta de valor mensal de renda inferior a estes limites máximos, “sendo o valor mensal de renda proposto um dos critérios de seleção e hierarquização das candidaturas para efeitos de contratualização de arrendamentos”.

Os imóveis serão posteriormente subarrendados pelo município às famílias “aplicando-se renda acessível”, programa criado no final do ano passado pela autarquia dirigido aos jovens e à classe média.

O regulamento da Renda Acessível estabelece que cada pessoa ou família deverá gastar no máximo 30% do seu salário líquido na renda. De acordo com a câmara, o valor de um T0 varia entre 150 e 400 euros, o preço de um T1 situa-se entre 150 e 500 euros e um T2 terá um preço que pode ir dos 150 aos 600 euros, enquanto as tipologias superiores contarão com uma renda mínima de 200 euros e máxima de 800.

De acordo com a proposta do Programa Renda Segura que será agora discutida, e que é subscrita pelo presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, o objetivo é contratar um conjunto de imóveis “de diferentes tipologias, para a totalidade das freguesias de concelho”.

Existindo “a garantia do escrupuloso e atempado cumprimento da obrigação de pagamento das rendas, dado que o município, pela via contratual, assegura que todos os riscos e custos decorrentes de um eventual incumprimento do subarrendatário são eliminados”, lê-se no documento.

“O preço base fixado nas condições do programa corresponde a um preço de renda ‘travão’, o que significa que os mecanismos da oferta e da procura funcionarão sempre abaixo desse valor, não podendo os contratos de arrendamento por tipologia, a celebrar com o município, estabelecer valores de renda superiores às apresentadas”, é ainda referido. O valor “travão” fica, segundo a autarquia, “significativamente abaixo dos valores conhecidos de oferta no mercado”.

Por outro lado, “as condições de preço em que o município se predispõe a contratar já refletem os benefícios fiscais de que os fogos mobilizados para o Programa beneficiarão” durante o período de duração do contrato, “quer seja por aplicação das regras constantes da lei do Orçamento do Estado para 2020, quer seja no que à isenção de IMI diz respeito”, segundo a proposta.

No caso de arrendamento de imóveis que necessitem de “pequenas obras”, a autarquia adianta as rendas para que os seus senhorios tenham condições para as executar. Se os imóveis a arrendar estiverem mobilados, prevê-se a majoração do valor da renda até 10%, conforme valorização do mobiliário existente.

O contratos de arrendamento a celebrar entre o município terão um prazo “não inferior a cinco anos”, prorrogáveis, uma única vez, por igual prazo.

A proposta prevê ainda a criação de um regime especial de contratação de arrendamento com instituições particulares de solidariedade social e entidades particulares de interesse público. Estas entidades têm, contudo, de colocar no Programa Renda Segura “uma pluralidade de imóveis, com flexibilidade de prazo e de regras de realização de obras, mas sempre com respeito pelo valor ‘travão’”, lê-se no documento.

Ainda segundo a proposta, será realizada uma vistoria aos imóveis a arrendar pela Câmara “de modo a assegurar que se encontram em adequadas condições de segurança, salubridade e conforto”.

Para os casos que impliquem recuperação de imóveis devolutos, a necessitar de obras, ou a conversão de alojamentos locais em arrendamentos habitacionais, existirá a possibilidade de a renda ter “uma periodicidade diferente da mensal” ou de o seu pagamento ser feito antecipadamente “para que os proprietários possam fazer face aos encargos em que tenham de incorrer”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Risco de readmissão é grande". Quase um terço dos infetados voltou ao hospital (e um em cada oito morreu)

De acordo com um estudo recente realizado no Reino Unido, quase um terço das pessoas que tiveram alta de um internamento por problemas de saúde relacionados com a covid-19, em Inglaterra, regressaram ao hospital pela …

Fecho das escolas "seria a medida mais forte de saúde pública"

O encerramento das escolas "seria a medida mais forte de saúde pública a ser tomada" perante a existência de um "teto falso" na deteção de novos casos e o aparecimento da variante inglesa, defendeu hoje …

"Ato ditatorial" e "humilhação cruel". Mourinho criticado por optar por Gedson em vez de Dele Alli

O ex-futebolista Stan Collymore chamou Mourinho de ditador e criticou o facto de ter deixado Dele Alli de fora dos convocados em detrimento de Gedson Fernandes. Stan Collymore, antigo jogador do Liverpool, criticou José Mourinho pela …

Preços das casas devem descer neste ano (e deixam a banca em risco)

Após se terem aguentado mais ou menos estáveis em 2020, apesar da pandemia de covid-19, os preços das casas devem começar a descer neste ano com o prolongar da crise sanitária. Uma situação que preocupa …

Sem promessas para 2022, Governo admite criar “escalões intermédios” na Função Pública

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, admitiu, em entrevista ao ECO, rever a tabela salarial da Função Pública e criar “escalões intermédios para as progressões intermédias”. Em entrevista ao jornal …

@AnaMartinsGomes. A gladiadora do Twitter é candidata a Belém

Se há arena onde a candidata socialista a Belém se sente confortável, é o Twitter. Palco de grandes partilhas e encruzilhadas, é inegável que essa rede social marca o caminho da diplomata. Ana Gomes é conhecida …

Rui Rio apela ao Governo por "confinamento a sério" e lembra que este "não existe para ser popular"

Rui Rio desafia o Governo a "impor um confinamento a sério em nome do interesse nacional". Na sua conta no Twitter, o líder do PSD escreve que "um Governo não existe para ser popular mas …

FC Porto ameaça não ir a jogo. Sporting acusa "dragões" de "pressão inaceitável"

O Sporting acusou segunda-feira o FC Porto de estar a "pressionar, de forma absolutamente inaceitável, as autoridades da Saúde e a Liga" para que Nuno Mendes e Sporar falhem hoje as meias-finais da Taça da …

Empresas de comércio e serviços propõem suspensão de alguns impostos

Com o novo confinamento geral, a maioria das empresas de comércio e serviços volta a fechar portas. Por isso, pedem-se mais apoios ao Governo, considerando que os já anunciados são insuficientes. Em declarações à rádio Renascença, …

Benfica anuncia surto e pode parar duas semanas. Vieira é um dos infetados

Foram identificados 17 novos casos de covid-19 no SL Benfica. Em comunicado, o clube remete à DGS a decisão de parar durante duas semanas. O Benfica detetou 17 novos casos de covid-19 entre jogadores, equipa técnica …