Líderes políticos e especialistas voltam a reunir para avaliar situação epidemiológica em Portugal

António Cotrim / Lusa

O chefe de Estado, o primeiro-ministro, o presidente da Assembleia da República e líderes partidários reúnem-se na segunda-feira com especialistas para avaliar a situação da covid-19 em Portugal, antes de nova renovação do estado de emergência.

Segundo as agendas do primeiro-ministro, António Costa, e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, este domingo divulgadas, esta 16.ª reunião sobre a “situação epidemiológica da covid-19 em Portugal” decorrerá a partir das 14h30, por videoconferência.

Parte dos participantes, na sua maioria especialistas, deverão fazer as suas intervenções a partir das instalações do Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, em Lisboa.

O debate e votação da renovação do estado de emergência na Assembleia da República está marcado para quinta-feira à tarde e antes do envio do diploma o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, irá ouvir uma vez mais os nove partidos políticos com assento parlamentar, o que deverá acontecer entre terça e quarta-feira.

Nas reuniões do Infarmed participam também dirigentes das centrais sindicais e confederações patronais e os membros do Conselho de Estado.

Nas últimas sessões, as intervenções iniciais dos especialistas têm sido transmitidas na Internet através das redes sociais do Governo, o que está previsto que aconteça novamente na segunda-feira.

O atual período de estado de emergência termina às 23h59 de 1 de março. A próxima renovação terá efeitos entre 2 e 16 de março.

De acordo com a Constituição, este quadro legal que permite a suspensão do exercício de alguns direitos, liberdades e garantias não pode durar mais de quinze dias, sem prejuízo de eventuais renovações com o mesmo limite temporal.

Para o decretar, o Presidente da República tem de ouvir o Governo e de ter autorização da Assembleia da República, que nas últimas três renovações foi dada com votos a favor de PS, PSD, CDS-PP e PAN, abstenção do BE e votos contra de PCP, PEV, Chega e Iniciativa Liberal.

Ao abrigo do estado de emergência, o Governo impôs um dever geral de recolhimento domiciliário e a suspensão de um conjunto de atividades, desde 15 de janeiro.

Os estabelecimentos de ensino foram entretanto encerrados, a partir de 22 de janeiro, primeiro com uma interrupção letiva por duas semanas, e depois com aulas em regime à distância.

O decreto do estado de emergência em vigor prevê que seja definido um plano faseado de reabertura das aulas presenciais, inclui uma ressalva a permitir a venda de livros e materiais escolares e admite limites ao ruído em certos horários nos edifícios habitacionais para não perturbar quem está em teletrabalho.

No dia em que decretado, 11 de fevereiro, o primeiro-ministro, António Costa, defendeu que será preciso manter o atual confinamento geral “ainda durante o mês de março” e que não era o momento “para começar a discutir desconfinamentos totais ou parciais”.

No final da reunião do Conselho de Ministros, António Costa pediu aos cientistas “um esforço de consensualização científica sobre aquilo que devem ser os níveis relativamente aos quais as medidas devem ser adotadas”, considerando que a existência de “opiniões diversas” tem gerado confusão na opinião pública.

Quando falou ao país, nessa noite, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou a que o estado de emergência e o confinamento geral se mantenham “março fora”, sem “sinais errados para a Páscoa”, para evitar um retrocesso na contenção da covid-19 em Portugal.

O chefe de Estado apontou como metas até à Páscoa, no início de abril, reduzir o número de novos casos diários de infeção “para menos de dois mil”, de modo a que “os internamentos e os cuidados intensivos desçam dos mais de cinco mil e mais de oitocentos agora para perto de um quarto desses valores”.

Sobre o futuro desconfinamento, advertiu: “Temos de, durante essas semanas, ir estudando como, depois da Páscoa, evitar que qualquer abertura seja um novo intervalo entre duas vagas”.

Em Portugal, já morreram mais de 15 mil doentes com covid-19 e foram contabilizados até agora mais de 797 mil casos de infeção com o novo coronavírus que provoca esta doença, de acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS).

// Lisa

PARTILHAR

RESPONDER

Carla Tavares reeleita na Amadora. Suzana Garcia assume responsabilidade da derrota

 A socialista Carla Tavares foi reeleita, este domingo, com maioria absoluta, como presidente da Câmara Municipal da Amadora, no distrito de Lisboa. Os resultados da noite eleitoral deram o triunfo à candidatura liderada pela socialista Carla …

Corrida aos combustíveis. A antecipar um "inverno difícil", Reino Unido vai dar vistos temporários a camionistas

A falta de camionistas tem levado a filas nas bombas de combustíveis e entre 50% e 90% já estão vazias em algumas zonas do país. O governo vai dar vistos temporários a camionistas e está …

Vencedores e vencidos, numa noite eleitoral de perder o fôlego

A noite eleitoral foi longa e de perder o fôlego até ao último minuto. Entre alguns imprevistos, surpresas e validações, Lisboa foi o palco dos maiores holofotes: Carlos Moedas foi o grande e surpreendente vencedor …

Isaltino Morais reeleito em Oeiras. CDU perdeu vereador

O candidato independente Isaltino Morais foi reeleito presidente da Câmara de Oeiras nas eleições autárquicas deste domingo, tendo dedicado a vitória à juventude. “Não importa a percentagem. O que importa é que crescemos muito, aumentámos a …

Ganhar os jogos todos: quem consegue fazer o que o Benfica faz?

Ainda ninguém conseguiu travar o líder do campeonato português. Mas há outras equipas europeias a conseguir o mesmo. O Benfica está a construir um percurso inicial no campeonato português que não se via há quase 40 …

Tribunal admite que testemunha de Jeová menor recuse transfusão que lhe pode salvar a vida

Jovem de 16 anos que tem leucemia aguda recusou transfusões de sangue durante internamento no IPO. Caso consiga provar em tribunal capacidade de discernimento e maturidade justiça terá de desistir de lhe impor tratamento. O Instituto …

Koeman não teve dinheiro para reforços, mas Barcelona investiu milhões na equipa B

Embora Ronald Koeman não tenha recebido dinheiro para gastar em transferências, o Barcelona investiu 4 milhões de euros na equipa B. O Barcelona teve de apertar o cinto durante o mercado de transferências de verão. Os …

"O futuro é liberal", mas o presente nem tanto. O balanço da estreia da IL nas autárquicas

A Iniciativa Liberal conseguiu apenas um vereador no Porto. Apesar da presença entre assembleias municipais e juntas de freguesia, falhou a conquista de autarquias. Numa estreia absoluta em eleições autárquicas, a Iniciativa Liberal ficou aquém das …

"De janelas abertas" e "de forma transparente". É assim que José Manuel Silva promete governar Coimbra

José Manuel Silva, da coligação "Juntos Somos Coimbra", venceu as eleições, destronando o atual presidente da câmara, o socialista Manuel Machado. O antigo bastonário da Ordem dos Médicos foi apoiado por várias forças partidárias: PSD, CDS, …

"Assim não ganham o campeonato". Gary Neville identifica problema no United

O antigo internacional inglês e agora comentador desportivo, Gary Neville, identificou um problema no Manchester United que, a continuar, vai fazer com que o clube não consiga ganhar o campeonato. Os red devils perderam o seu …