O Mundo é governado por dinastias. Um em cada dez líderes mundais tem pedigree

George W. Bush Administration / Wikimedia

Primeira fila: George W. Bush, George H.W. Bush, Barbara Bush, Bill Clinton, Hillary Clinton, Chelsea Clinton

Se pensa entrar no mundo da política, ser da família acerta ajuda. Um em cada dez líderes mundiais vem de famílias com um historial político. Excluindo a América do Norte, a Europa é o continente onde casos destes são mais comuns.

Um estudo, publicado em dezembro do ano passado na revista Historical Social Research, sustenta que um em cada dez líderes mundiais tem um ou mais familiares que foram eles próprios líderes ou estiveram diretamente envolvidos na cena política dos seus países.

Para o efeito, foram analisados 1029 executivos políticos — presidentes e primeiros-ministros — na Europa, África Subsariana, Ásia, América do Norte e América Latina, entre 2000 e 2017. Chegou-se à conclusão que 119, ou 12%, dos líderes mundiais pertenciam a uma família com laços políticos.

Entende-se laços políticos como de sangue ou casamento com alguém que já esteve envolvido na política, seja como juiz, membro de uma partido, burocrata, legislador, presidente ou ativista.

Os exemplos mais notáveis deste padrão são o ex-presidente americano George W. Bush, o atual primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau e a anterior presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner.

O caso dos Estados Unidos, aliás, é paradigmático da predominância das dinastias de líderes nas grandes nações do Mundo, bastando para tal constatar que, durante 32 anos, entre 1981 e 2013, houve sempre um Bush ou um Clinton nos três mais altos cargos executivos do país — Presidente, vice-Presidente e Secretário de Estado.

Ligações familiares por todo o mundo

As ligações políticas de família revelaram-se importantes em todas as regiões alvo de um estudo, publicado no The Conversation, nas monarquias e democracias e nos países ricos e pobres. Nas monarquias, o poder é herdado por natureza, mas mesmo nas democracias, pertencer a uma família política é uma vantagem significativa.

Esta dá aos candidatos o reconhecimento do nome, alguma experiência política e melhor acesso a aliados e recursos ao concorrer para o cargo. No caso de Bush e Trudeau, os seus pais já tinham estado no cargo que viriam a desempenhar.

Tecnicamente, a América do Norte registou a maior taxa de líderes com laços familiares. Dois dos oito presidentes e primeiros-ministros que serviram durante o período compreendido pelo estudo estavam relacionados a ex-chefes de estado.

No entanto, como na ótica dos autores do estudo o continente consiste em apenas dois países — os Estados Unidos e o Canadá —, a região foi posta de lado na análise, uma vez que distorcia os resultados finais.

CC-BY-ND The Conversation

Dinastias políticas pelo mundo.

Com a América do Norte fora das contas, a Europa lidera a lista de líderes de famílias com laços políticos. No Velho Continente, 13% dos presidentes e primeiros-ministros, entre 2000 e 2017, vieram de famílias com um historial na política. A América Latina apresenta também a mesma proporção.

Ao todo, 11 dos 88 líderes latino-americanos que ocuparam cargos entre 2000 a 2017 estavam relacionados a outros presidentes. Jorge Luís Batlle, do Uruguai, teve três parentes diferentes que ocupavam a presidência antes dele.

A África Subsariana registou o menor valor percentual de executivos com laços familiares, das regiões estudadas, com apenas 9%.

No entanto, quando um presidente ou primeiro-ministro da África Subsariana tem laços familiares com a política, estes tendem a ser fortes. Dos 29 executivos africanos nesta condição, 18 estavam relacionados a ex-presidentes ou primeiros-ministros.

Dos 204 líderes asiáticos, 23 deles tinham conexões familiares com a política. Mais de 75 por cento estavam em países não-democráticos como o Butão, o Cazaquistão e o Sri Lanka.

Mulheres nas dinastias políticas

O estudo também revela algumas curiosidades interessantes sobre como as mulheres, no mundo inteiro, integram o mundo da política, dominado maioritariamente pelos homens. São poucas as que conseguem, de acordo com o estudo.

Dos 1029 executivos políticos incluídos neste estudo, apenas 66 eram mulheres. Entre eles a chanceler alemã Angela Merkel, a ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto, a vencedora do Prémio Nobel da Paz, Ellen Johnson Sirleaf, e a presidente Dilma Rousseff, do Brasil.

As mulheres que atingem os cargos mais altos são muito mais propensas a pertencer a famílias com historial político do que seus colegas do sexo masculino. Dezanove das 66 mulheres da amostra do estudo tinham conexões familiares com a política, cerca de 29%. No caso dos homens, apenas 100 dos 963 estudados, pouco mais de 10%.

Na análise feita, o apoio de um poderoso parente do sexo masculino ajuda significativamente as mulheres a ganharem credibilidade junto dos eleitores e membros de política interna. Isto sugere que os laços familiares são particularmente importantes para as mulheres entrarem na política.

Laços familiares começam nos homens

As mulheres presidentes e primeiras-ministras que vieram de famílias políticas eram, sem exceção, a primeira mulher da família a ocupar o cargo. A sua ligação com o poder era invariavelmente um parente do sexo masculino, geralmente pai ou marido.

Bhutto, que foi assassinada em 2007, chegou ao poder 14 anos depois do seu pai, o ex-presidente Zulfikar Ali Bhutto, igualmente assassinado. A argentina Cristina Fernández sucedeu ao marido, Nestor Kirchner, como presidente da Argentina em 2007.

É de realçar que 71% de todas as líderes mundiais abordadas no estudo alcançaram o cargo sem nenhuma ligação familiar com a política. Isso inclui a atual presidente croata, Kolinda Grabar-Kitarovic, filha de talhantes.

E na história dos mais famosos líderes do planeta, um dos casos mais peculiares de sucessão dinástica ocorreu na Índia, país que foi governado durante 44 anos por um primeiro-ministro, pela sua filha e pelo seu neto: o primeiro primeiro-ministro do país, Jawaharial Nehru (1947-64), a mítica Indira Ghandi (1966-77 e 1974-84), e o último na “linha de sucessão”, Rajiv Ghandi (1984-89).

DC, ZAP // The Conversation

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Caro leitor,
      O ZAP não dá notícias a pedido nem para justificar o que quer que seja, e não embarca em whataboutismos. Dá as notícias que tem que dar, se e quando entende que deve fazê-lo.
      E depois de termos dado nas últimas semanas 11 notícias sobre as relações familiares no governo, a começar por um “Especial ZAP” sobre o assunto a 26 de fevereiro, parece no mínimo peculiar que venha agora um leitor questionar se estamos a fazer uma notícia para “justificar” o que quer que seja.
      Portanto, devolvemos-lhe a questão. Qual é exactamente a intenção do seu comentário?

  1. só quem não se interessa por estes temas da “nova ordem mundial”, alias beast system, é que acha isto é novidade.

    infelizmente as pessoas são desde a infância doutrinadas para serem escravas que nem sequer param para pensar em quem manda nelas.

    • Ogivia,
      Não vale a pena ir por aí.
      As pessoas não têm interesse nisso. Acham até que nem devem questionar essas coisas, pela razão que menciona.
      Esta notícia peca pela falta de abrangência, que nos daria uma visão ainda mais reveladora.
      Não vou alargar-me, mas se quiserem fazer um estudo sério sobre estas coisas terão que ir mais longe no tempo e encontrar graus de parentesco, tanto da família Bush como Clinton que estão ligados aos mesmos dos Windsor. e se recuarmos mais ainda vamos encontrar ligações que remontam aos tempos das cruzadas e ao poderio normando da Europa e médio oriente medieval.

"Parasitas" vai ter uma série na HBO. E já são conhecidos dois nomes do elenco

A produção sul-coreana de Bong Joon Ho, especialmente condecorada pela Academia, merece agora uma adaptação para a televisão pelas mãos da HBO. A série televisiva de "Parasitas" foi anunciada em janeiro e a produção está encarregue …

O carregador do seu smartphone é mais potente do que o computador da Apollo 11

Não restam dúvidas de que a informática deu um passo gigante em termos de evolução nos últimos 50 anos. Agora, um engenheiro de software descobriu que até mesmo o carregador do seu smartphone é mais …

Tribunal suspende construção da Gigafactory na Alemanha

Um tribunal alemão ordenou à Tesla, este domingo, a suspensão das obras da sua fábrica "Gigafactory" por questões ambientais. Em novembro do ano passado, Elon Musk, presidente executivo da Tesla, anunciou que a Alemanha tinha sido …

Novos semáforos da Índia ficam vermelhos quando os condutores buzinam

A Polícia de Mumbai, na Índia, instalou detetores de ruído em vários semáforos de cruzamentos importantes da cidade, visando reduzir a poluição sonora. Agora, quanto mais os condutores buzinam, mais tempo a luz se mantém …

Polícia de Hong Kong procura autores de roubo de papel higiénico

Um camião que transportava papel higiénico foi, esta segunda-feira, alvo de um assalto à mão armada em Hong Kong, onde a escassez do produto motivou uma corrida ao comércio local. As autoridades informaram que um motorista …

Centeno considera gravações de Varoufakis "politicamente lamentáveis"

O presidente do Eurogrupo considerou, esta segunda-feira, a atitude do antigo ministro das Finanças grego, que gravou reuniões do fórum de ministros das Finanças da zona euro, "politicamente lamentável". "Honestamente, não tenho comentários a fazer sobre …

Elton John obrigado a interromper concerto devido a crise de pneumonia

O cantor britânico foi obrigado a interromper um concerto, na Nova Zelândia, devido a um diagnóstico de pneumonia atípica. No último domingo, o cantor britânico Elton John interrompeu um concerto no Auckland’s Mount Stadium, na Nova …

Tancos. Coronel da GNR nega pacto de silêncio

O ex-diretor de investigação criminal da GNR disse, esta segunda-feira, desconhecer qualquer pacto de silêncio com a Polícia Judiciária Militar que envolvesse a colaboração na investigação do furto das armas de Tancos. Na sessão desta segunda-feira …

Anel de curso perdido nos EUA encontrado 47 anos depois na Finlândia

Um anel de curso de um liceu nos Estados Unidos, perdido em 1973, foi agora descoberto numa floresta da Finlândia. De acordo com o The Guardian, Debra McKenna perdeu o anel de curso do marido em …

Apresentadas mais de 50 queixas contra post de André Ventura sobre Joacine Katar Moreira

A Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) já recebeu mais de 50 queixas devido à publicação na qual o deputado do Chega sugeria devolver Joacine Katar Moreira ao seu país de origem. Em …