O Mundo é governado por dinastias. Um em cada dez líderes mundais tem pedigree

George W. Bush Administration / Wikimedia

Primeira fila: George W. Bush, George H.W. Bush, Barbara Bush, Bill Clinton, Hillary Clinton, Chelsea Clinton

Se pensa entrar no mundo da política, ser da família acerta ajuda. Um em cada dez líderes mundiais vem de famílias com um historial político. Excluindo a América do Norte, a Europa é o continente onde casos destes são mais comuns.

Um estudo, publicado em dezembro do ano passado na revista Historical Social Research, sustenta que um em cada dez líderes mundiais tem um ou mais familiares que foram eles próprios líderes ou estiveram diretamente envolvidos na cena política dos seus países.

Para o efeito, foram analisados 1029 executivos políticos — presidentes e primeiros-ministros — na Europa, África Subsariana, Ásia, América do Norte e América Latina, entre 2000 e 2017. Chegou-se à conclusão que 119, ou 12%, dos líderes mundiais pertenciam a uma família com laços políticos.

Entende-se laços políticos como de sangue ou casamento com alguém que já esteve envolvido na política, seja como juiz, membro de uma partido, burocrata, legislador, presidente ou ativista.

Os exemplos mais notáveis deste padrão são o ex-presidente americano George W. Bush, o atual primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau e a anterior presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner.

O caso dos Estados Unidos, aliás, é paradigmático da predominância das dinastias de líderes nas grandes nações do Mundo, bastando para tal constatar que, durante 32 anos, entre 1981 e 2013, houve sempre um Bush ou um Clinton nos três mais altos cargos executivos do país — Presidente, vice-Presidente e Secretário de Estado.

Ligações familiares por todo o mundo

As ligações políticas de família revelaram-se importantes em todas as regiões alvo de um estudo, publicado no The Conversation, nas monarquias e democracias e nos países ricos e pobres. Nas monarquias, o poder é herdado por natureza, mas mesmo nas democracias, pertencer a uma família política é uma vantagem significativa.

Esta dá aos candidatos o reconhecimento do nome, alguma experiência política e melhor acesso a aliados e recursos ao concorrer para o cargo. No caso de Bush e Trudeau, os seus pais já tinham estado no cargo que viriam a desempenhar.

Tecnicamente, a América do Norte registou a maior taxa de líderes com laços familiares. Dois dos oito presidentes e primeiros-ministros que serviram durante o período compreendido pelo estudo estavam relacionados a ex-chefes de estado.

No entanto, como na ótica dos autores do estudo o continente consiste em apenas dois países — os Estados Unidos e o Canadá —, a região foi posta de lado na análise, uma vez que distorcia os resultados finais.

CC-BY-ND The Conversation

Dinastias políticas pelo mundo.

Com a América do Norte fora das contas, a Europa lidera a lista de líderes de famílias com laços políticos. No Velho Continente, 13% dos presidentes e primeiros-ministros, entre 2000 e 2017, vieram de famílias com um historial na política. A América Latina apresenta também a mesma proporção.

Ao todo, 11 dos 88 líderes latino-americanos que ocuparam cargos entre 2000 a 2017 estavam relacionados a outros presidentes. Jorge Luís Batlle, do Uruguai, teve três parentes diferentes que ocupavam a presidência antes dele.

A África Subsariana registou o menor valor percentual de executivos com laços familiares, das regiões estudadas, com apenas 9%.

No entanto, quando um presidente ou primeiro-ministro da África Subsariana tem laços familiares com a política, estes tendem a ser fortes. Dos 29 executivos africanos nesta condição, 18 estavam relacionados a ex-presidentes ou primeiros-ministros.

Dos 204 líderes asiáticos, 23 deles tinham conexões familiares com a política. Mais de 75 por cento estavam em países não-democráticos como o Butão, o Cazaquistão e o Sri Lanka.

Mulheres nas dinastias políticas

O estudo também revela algumas curiosidades interessantes sobre como as mulheres, no mundo inteiro, integram o mundo da política, dominado maioritariamente pelos homens. São poucas as que conseguem, de acordo com o estudo.

Dos 1029 executivos políticos incluídos neste estudo, apenas 66 eram mulheres. Entre eles a chanceler alemã Angela Merkel, a ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto, a vencedora do Prémio Nobel da Paz, Ellen Johnson Sirleaf, e a presidente Dilma Rousseff, do Brasil.

As mulheres que atingem os cargos mais altos são muito mais propensas a pertencer a famílias com historial político do que seus colegas do sexo masculino. Dezanove das 66 mulheres da amostra do estudo tinham conexões familiares com a política, cerca de 29%. No caso dos homens, apenas 100 dos 963 estudados, pouco mais de 10%.

Na análise feita, o apoio de um poderoso parente do sexo masculino ajuda significativamente as mulheres a ganharem credibilidade junto dos eleitores e membros de política interna. Isto sugere que os laços familiares são particularmente importantes para as mulheres entrarem na política.

Laços familiares começam nos homens

As mulheres presidentes e primeiras-ministras que vieram de famílias políticas eram, sem exceção, a primeira mulher da família a ocupar o cargo. A sua ligação com o poder era invariavelmente um parente do sexo masculino, geralmente pai ou marido.

Bhutto, que foi assassinada em 2007, chegou ao poder 14 anos depois do seu pai, o ex-presidente Zulfikar Ali Bhutto, igualmente assassinado. A argentina Cristina Fernández sucedeu ao marido, Nestor Kirchner, como presidente da Argentina em 2007.

É de realçar que 71% de todas as líderes mundiais abordadas no estudo alcançaram o cargo sem nenhuma ligação familiar com a política. Isso inclui a atual presidente croata, Kolinda Grabar-Kitarovic, filha de talhantes.

E na história dos mais famosos líderes do planeta, um dos casos mais peculiares de sucessão dinástica ocorreu na Índia, país que foi governado durante 44 anos por um primeiro-ministro, pela sua filha e pelo seu neto: o primeiro primeiro-ministro do país, Jawaharial Nehru (1947-64), a mítica Indira Ghandi (1966-77 e 1974-84), e o último na “linha de sucessão”, Rajiv Ghandi (1984-89).

DC, ZAP // The Conversation

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Caro leitor,
      O ZAP não dá notícias a pedido nem para justificar o que quer que seja, e não embarca em whataboutismos. Dá as notícias que tem que dar, se e quando entende que deve fazê-lo.
      E depois de termos dado nas últimas semanas 11 notícias sobre as relações familiares no governo, a começar por um “Especial ZAP” sobre o assunto a 26 de fevereiro, parece no mínimo peculiar que venha agora um leitor questionar se estamos a fazer uma notícia para “justificar” o que quer que seja.
      Portanto, devolvemos-lhe a questão. Qual é exactamente a intenção do seu comentário?

  1. só quem não se interessa por estes temas da “nova ordem mundial”, alias beast system, é que acha isto é novidade.

    infelizmente as pessoas são desde a infância doutrinadas para serem escravas que nem sequer param para pensar em quem manda nelas.

    • Ogivia,
      Não vale a pena ir por aí.
      As pessoas não têm interesse nisso. Acham até que nem devem questionar essas coisas, pela razão que menciona.
      Esta notícia peca pela falta de abrangência, que nos daria uma visão ainda mais reveladora.
      Não vou alargar-me, mas se quiserem fazer um estudo sério sobre estas coisas terão que ir mais longe no tempo e encontrar graus de parentesco, tanto da família Bush como Clinton que estão ligados aos mesmos dos Windsor. e se recuarmos mais ainda vamos encontrar ligações que remontam aos tempos das cruzadas e ao poderio normando da Europa e médio oriente medieval.

Greve dos anestesistas no Amadora-Sintra adia 300 cirurgias

Os médicos anestesistas do Hospital Amadora-Sintra terminam esta sexta-feira às 20h00 uma greve de cinco dias para exigir a contratação de mais especialistas e reclamar condições de segurança clínica. A paralisação no Hospital Fernando Fonseca, que …

“No que depender do Governo”, a rede Multibanco vai continuar gratuita, garante Centeno

"No que depender do Governo, vai continuar gratuita para os portugueses" a utilização das caixas multibanco, cuja gratuitidade foi questionada recentemente por alguns líderes dos bancos. O ministro das Finanças, Mário Centeno, garantiu esta sexta-feira que …

Protecção Civil pagou combustível para participar em novela da SIC

A SIC não pagou qualquer valor pelo empréstimo de meios da Protecção Civil para as filmagens de uma novela que está a ser produzida pelo canal. A Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) …

Liderança do Montepio pode voltar a mudar

Uma nova reviravolta na administração do Banco Montepio pode estar prestes a acontecer. Carlos Tavares, atual presidente da administração com poderes não executivos, pode voltar a ser presidente executivo deste banco. Se isso acontecer, Dulce Mota …

Berardo era peça na "estratégia" de Sócrates para dominar a banca

Em entrevista ao Jornal Económico, o empresário Patrick Monteiro de Barros defende que Joe Berardo foi uma das pessoas de quem José Sócrates se serviu para dominar a banca. Patrick Monteiro de Barros disse, em entrevista …

BCE arrasa propostas de Centeno. Reforma coloca em risco independência do BdP

O Banco Central Europeu teceu duras criticas às propostas de Centeno para a reforma da supervisão financeira em Portugal. O BCE admite que a independência do Banco de Portugal poderia ficar em risco. Depois da Comissão …

#MeToo. Acordo de 40 milhões para evitar processo contra Harvey Weinstein

O antigo produtor de Hollywood Harvey Weinstein terá chegado a um acordo no valor de 44 milhões de dólares (cerca de 40 millhões de euros) em indemnização com dezenas das suas vítimas, de forma a …

Paulo Sande, cabeça de lista do Aliança, recebeu salário de Belém. Mas vai devolver

O cabeça de lista do Aliança decidiu devolver o vencimento que lhe foi pago este mês pela Presidência da República enquanto assessor político de Marcelo Rebelo de Sousa. Paulo Sande começou por gozar uma licença sem …

Trump quer vender armas à Arábia Saudita sem aprovação do Congresso

Uma grande venda de bombas à Arábia Saudita pode estar na mira da Administração Trump. O Presidente dos Estados Unidos quer fintar o Congresso norte-americano e desbloquear 6,3 mil milhões de euros em vendas.  O jornal …

Europeias: Com o PS a "malhar" no Bloco, Rangel fala em encenação eleitoral

Na véspera do último dia de campanha para as eleições europeias, António Costa e Augusto Santos Silva deram um empurrão ao candidato do PS com discursos apontados aos parceiros de esquerda. Enquanto isso Paulo Rangel …