Lhuzie é a primeira bebé com nome próprio mirandês

Paul Goyette / Wikimedia

-

Nasceu em Lisboa há um mês e promete fazer história ao tornar-se na primeira criança com nome próprio mirandês, pelo menos desde o reconhecimento como segunda língua oficial de Portugal, há 15 anos.

Chama-se Lhuzie (pronuncia-se como se se escreve com acento na última sílaba) e a atribuição do nome, disse fonte da família, teve de passar por um pedido especial que foi aceite há dias e que abre as portas a quem quiser dar nomes em mirandês aos filhos.

Lhuzie, equivalente a Luzia em português, é neta do principal estudioso da atualidade da língua mirandesa, Amadeu Ferreira, um mirandês levado para Lisboa pelo êxodo transmontano, que empurrou também o filho e a nora, pais da bebé.

“É um orgulho o primeiro registo em mirandês ser da minha neta”, afirmou à Lusa, embora a ideia nem tenha sido dele. Foi da mãe de Lhuzie.

O mirandês, falado junto à fronteira num recanto de Trás-os-Montes, é desde 1999, a segunda língua oficial de Portugal, mas até aqui apenas há registos de nomes de pessoas coletivas, nomeadamente associações.

braganca.pt

Amadeu Ferreira, o principal estudioso da língua mirandesa, é o avô de Lhuzie

Amadeu Ferreira, o principal estudioso da língua mirandesa, é o avô de Lhuzie

Relativamente a pessoas individuais, Amadeu Ferreira garante que “é a primeira vez, é um feito histórico”.

A atribuição de nome em Portugal obedece a regras muito estritas e só podem ser atribuídos a cidadãos portugueses os nomes próprios constantes de uma lista onomástica.

O de Lhuzie foi agora acrescentado a esta lista, mas foi necessário um pedido especial e uma sustentação jurídica para convencer os serviços dos Registos e Notariado de que ele existe e não traz qualquer prejuízo ao portador por poder ter conotações negativas.

O pedido foi fundamentado com o direito ao nome reconhecido na Constituição, a lei que reconhece os direitos linguísticos dos mirandeses e outros documentos históricos como uma publicação de vocabulário mirandês do padre Moisés, onde consta o nome, como explicou à Lusa o pai de Lhuzie, José Pedro Ferreira.

Os pais entenderam que “era muito importante passar a língua para a próxima geração e o que melhor senão o próprio nome”.

José Pedro acha que a filha não vai estranhar o nome e se for falante do mirandês e de outras línguas, como os pais esperam que seja, não estranhará.

Uma feliz coincidência é Lhuzie ter nascido próximo do Dia Europeu das Línguas, que se assinala a 26 de setembro, e que para os pais tem “um sentido especial” por serem bilingues.

O registo do nome acaba por ser para este pai “mais um passo em direcção ao uso natural do mirandês em todos os contextos do quotidiano”.

Para José Pedro, que é investigador no Instituto de Linguística Teórica e Computacional – ILTEC,” a aceitação do registo pode ser um feito muito importante para o mirandês”, uma língua “ameaçada, minoritária, mais usada em casa, no âmbito familiar e de trabalho, sobretudo no campo e na pastorícia”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Quem dera essa lei que só permite colocar “nomes próprios constantes de uma lista onomástica” aos filhos existisse no Brasil, assim evitaríamos verdadeiros “crimes” contra a língua Portuguesa. Varsomar, Luziclei e outros estariam salvos…

RESPONDER

Cartel de Sinaloa abre fogo e obriga polícia a libertar filho de “El Chapo”

O filho de El Chapo, Ovidio Guzmán López, foi libertado depois de várias horas de violência que se seguiram à sua detenção e o ministro da Defesa argumentou com medidas de segurança para o fazer. O …

Portugal tem 796 mil “eleitores-fantasma”

Portugal tem mais 796 mil eleitores do que população residente com 18 e mais anos. O número de inscritos nos cadernos eleitorais, em território nacional, apresenta uma diferença de 9,3% face ao número de residentes …

Lenine Cunha e Ana Filipe conquistam mais duas medalhas nos INAS Global Games

Os portugueses Lenine Cunha e Ana Filipe conquistaram esta quinta-feira medalhas de prata e bronze, respetivamente, nos INAS Global Games, competição mundial para atletas com deficiência intelectual, que decorre em Brisbane, na Austrália. Os dois pódios …

Homem detido em França por ameaça de ataque inspirado no 11 de setembro

Um indivíduo identificado como sendo um radical islâmico foi detido em França acusado de terrorismo devido a uma ameaça de sequestro e ataque inspirado no atentado às Torres Gémeas, nos Estados Unidos, em 2001, anunciaram …

Nick Cave and The Bad Seeds regressam a Portugal em 2020

Dois anos depois do concerto no NOS Primavera Sound, no Porto, Nick Cave and The Bad Seeds vão regressar a Portugal no Campo Pequeno, em Lisboa. Os dois concertos, marcados para 22 e 23 de abril, …

Retirar amianto é 50 vezes mais barato do que tratar doente de cancro

A Quercus alertou esta sexta-feira que retirar uma cobertura de amianto de uma escola fica 50 vezes mais barato do que tratar um doente com mesotelioma, o cancro da pleura do pulmão provocado pela exposição …

Sócrates critica recusa do PS em fazer acordo escrito com o Bloco de Esquerda

O antigo primeiro-ministro José Sócrates critica a recusa do PS em fazer um acordo escrito de legislatura com o Bloco de Esquerda, considerando que revela "uma visão meramente utilitária" e que pode gerar "ressentimento" à …

Pelo menos 28 mortos e 55 feridos em explosão de uma mesquita no Afeganistão

Pelo menos 28 pessoas morreram e 55 ficaram feridas devido a uma explosão numa mesquita na província de Nangarhar, no leste do Afeganistão, durante o período de oração desta sexta-feira, anunciaram as autoridades locais. "Os números …

Pedro Alves escolhido para a presidência executiva do Banco Montepio

Pedro Gouveia Alves, atual presidente do Montepio Crédito, foi escolhido para novo CEO do Banco Montepio. O nome reuniu o consenso de Carlos Tavares e de Tomás Correia. O Banco Montepio escolheu Pedro Alves como novo …

Tancos. Sindicato dos procuradores sugere que ordem para não inquirir Costa e Marcelo é ilegal

O Sindicato dos procuradores sugere que a ordem do diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) que travou a inquirição de António Costa e de Marcelo Rebelo de Sousa, como testemunhas no …