Lei da segurança nacional que Pequim quer impor em Hong Kong é “atestado de óbito”

Kim Hee-Chul / EPA

O movimento que liderou os maiores protestos pró-democracia em Hong Kong em 2019 afirmou esta sexta-feira à agência Lusa que a lei da segurança nacional que Pequim decidiu impor é um “atestado de óbito” para o território.

“É um atestado de óbito à autonomia de Hong Kong, garantida pelo princípio Um país, dois sistemas”, defendeu o vice-coordenador da Frente Cívica de Direitos Humanos (FCDH), que representa mais de uma dezena de partidos e organizações não-governamentais.

“A comunidade internacional reconhece as experiências das pessoas em Hong Kong de que não se pode confiar mais no Estado de Direito e na independência judicial na cidade”, acrescentou Eric Lai, do movimento que, segundo estimativas próprias, foi responsável por manifestações que, em 2019, juntaram um milhão de pessoas a 09 de junho, dois milhões a 16 de junho e 1,7 milhões a 18 de agosto. Esta última tinha sido proibida pela polícia.

Os protestos em 2019 surgiram por causa da proposta de emendas à lei da extradição, que permitiria o envio de suspeitos de crimes para a China, mas que acabou por ser abandonada após meses de confrontos nas ruas.

As reivindicações dos manifestantes acabaram por evoluir para a exigência de reformas democráticas que garantissem eleições livres e o sufrágio universal no território.

Pequim chegou mesmo a posicionar tropas em Shenzhen, cidade vizinha de Hong Kong, com a China a ser alvo de críticas da comunidade internacional.

Agora, com esta decisão, “é previsível que o Governo chinês arque com consequências substanciais por manchar a reputação de Hong Kong como um centro financeiro global e uma janela liberal tanto para o Ocidente, como para a China”, argumentou o vice-coordenador da FCDH.

De resto, Reino Unido, Estados Unidos (EUA), Canadá e Austrália já acusaram a China de violar as obrigações internacionais, enquanto a diplomacia chinesa já considerou “bárbara” a decisão de Washington de revogar o estatuto especial de Hong Kong.

O tratamento de exceção permite a Hong Kong manter-se como centro financeiro internacional, tal como Londres ou Nova Iorque.

Quarta praça financeira a nível global, o território tem beneficiado de liberdades que não existem na China continental: uma economia de mercado livre, sistema judicial independente, liberdade de expressão e um parlamento local eleito parcialmente por sufrágio universal.

Tal como o Governo chinês, a chefe do Executivo do território, Carrie Lam, garantiu que a lei apenas “visa impedir, coibir e sancionar uma minoria extremamente pequena de criminosos que ameaçam a segurança nacional, salvaguardando a prosperidade e a estabilidade de Hong Kong e mantendo [o princípio de] um país, dois sistemas (…) e que não vai afetar os direitos e liberdades legítimos usufruídos pelos residentes”.

A Assembleia Popular Nacional (APN), que é o órgão máximo legislativo da China, aprovou na quinta-feira a controversa proposta de lei de segurança nacional para Hong Kong.

A lei em causa proíbe “qualquer ato de traição, separação, rebelião, subversão contra o Governo Popular Central, roubo de segredos de estado, a organização de atividades em Hong Kong por parte de organizações políticas estrangeiras e o estabelecimento de laços com organizações políticas estrangeiras por parte de organizações políticas de Hong Kong”.

A ação de Pequim parece reacender a ‘chama’ dos protestos pró-democracia em Hong Kong, numa altura em que estão agendadas eleições para o parlamento de Hong Kong em setembro, após a ala pró-Pequim ter perdido as eleições locais em 17 dos 18 distritos.

Hong Kong regressou à China em 1997 sob um acordo que garantia ao território 50 anos de autonomia e liberdades desconhecidas no resto do país, ao abrigo do princípio “um país, dois sistemas”.

Tal como acontece desde 1999 com Macau, a vizinha região administrativa especial chinesa, para Hong Kong foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judicial, com o Governo central chinês a ser responsável pelas relações externas e defesa.

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo pede tolerância zero contra o racismo (e pede “sentido nacional” a Governo e oposição)

O Presidente da República recomendou esta quinta-feira aos democratas “tolerância zero” e “sensatez” para combater o racismo, ao comentar as ameaças de que foram alvo três deputadas e outros sete ativistas. “Os democratas devem ser muito …

43% das escolas no mundo sem condições de higiene para reabertura segura

Mais de 40% das escolas no mundo não têm acesso a condições básicas de higiene, como água para lavar as mãos e sabão, aumentando os riscos de reabertura no contexto da pandemia de covid-19, alertam …

Mais seis mortes, 325 novos casos e 237 recuperados

Portugal regista esta quinta-fira mais seis mortes por covid-19, 325 novos casos de infeção e mais 237 pessoas dadas como recuperadas em relação a quarta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …

"Filme fantástico". Novo livro revela cartas entre Kim Jong-un e Donald Trump

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, qualificou o seu relacionamento com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como um “filme fantástico”, segundo os editores de um livro a ser publicado, que revela a correspondência entre …

Grupo avisa Bruxelas que Portugal pode tornar-se ilha ferroviária na Europa

Um grupo de portugueses ligados ao setor ferroviário alertou a comissária europeia dos Transportes para a possibilidade de Portugal se tornar uma ilha ferroviária na Europa devido ao atraso em adotar "a bitola europeia" nas …

China encontra traços do coronavírus em asas de frango importadas do Brasil

Traços do novo coronavírus foram encontrados em asas de frango importadas do Brasil, na cidade de Shenzhen, no sul da China, noticiou, esta quinta-feira, um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). Os traços foram detetados …

Denúncia de Rui Pinto leva a congelamento de conta bancária da Doyen

Oito milhões de euros que estavam numa conta bancária do fundo de investimento Doyen foram congelados pelas autoridades portuguesas. Uma denúncia do whistleblower português Rui Pinto levou o fundo a ser investigado por suspeitas de fraude …

Preocupado com a Bielorrúsia, Macron ligou a Putin (e aproveitaram para falar da vacina russa)

O Presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou esta quarta-feira ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, "uma preocupação muito grande" quanto à situação na Bielorrússia após a reeleição do chefe de Estado autoritário bielorrusso, Alexander Lukashenko. Segundo indicou …

Obras do Hospital Militar de Belém custaram mais do triplo do valor estimado

As obras no Hospital Militar de Belém, em Lisboa, custaram mais do valor inicialmente estimado, avançou o Diário de Notícias esta quarta-feira. De acordo com o jornal, estava inicialmente previsto que a reabilitação de três …

Autópsia a Valentina revela descolamento do crânio

A autópsia a Valentina, a menina de 9 anos encontrada morta na serra D’el Rei, em Peniche, distrito de Leiria, em meados de maio, revela descolamento do crânio, avança esta quinta-feira o Correio da Manhã. …