Lei da segurança nacional que Pequim quer impor em Hong Kong é “atestado de óbito”

Kim Hee-Chul / EPA

O movimento que liderou os maiores protestos pró-democracia em Hong Kong em 2019 afirmou esta sexta-feira à agência Lusa que a lei da segurança nacional que Pequim decidiu impor é um “atestado de óbito” para o território.

“É um atestado de óbito à autonomia de Hong Kong, garantida pelo princípio Um país, dois sistemas”, defendeu o vice-coordenador da Frente Cívica de Direitos Humanos (FCDH), que representa mais de uma dezena de partidos e organizações não-governamentais.

“A comunidade internacional reconhece as experiências das pessoas em Hong Kong de que não se pode confiar mais no Estado de Direito e na independência judicial na cidade”, acrescentou Eric Lai, do movimento que, segundo estimativas próprias, foi responsável por manifestações que, em 2019, juntaram um milhão de pessoas a 09 de junho, dois milhões a 16 de junho e 1,7 milhões a 18 de agosto. Esta última tinha sido proibida pela polícia.

Os protestos em 2019 surgiram por causa da proposta de emendas à lei da extradição, que permitiria o envio de suspeitos de crimes para a China, mas que acabou por ser abandonada após meses de confrontos nas ruas.

As reivindicações dos manifestantes acabaram por evoluir para a exigência de reformas democráticas que garantissem eleições livres e o sufrágio universal no território.

Pequim chegou mesmo a posicionar tropas em Shenzhen, cidade vizinha de Hong Kong, com a China a ser alvo de críticas da comunidade internacional.

Agora, com esta decisão, “é previsível que o Governo chinês arque com consequências substanciais por manchar a reputação de Hong Kong como um centro financeiro global e uma janela liberal tanto para o Ocidente, como para a China”, argumentou o vice-coordenador da FCDH.

De resto, Reino Unido, Estados Unidos (EUA), Canadá e Austrália já acusaram a China de violar as obrigações internacionais, enquanto a diplomacia chinesa já considerou “bárbara” a decisão de Washington de revogar o estatuto especial de Hong Kong.

O tratamento de exceção permite a Hong Kong manter-se como centro financeiro internacional, tal como Londres ou Nova Iorque.

Quarta praça financeira a nível global, o território tem beneficiado de liberdades que não existem na China continental: uma economia de mercado livre, sistema judicial independente, liberdade de expressão e um parlamento local eleito parcialmente por sufrágio universal.

Tal como o Governo chinês, a chefe do Executivo do território, Carrie Lam, garantiu que a lei apenas “visa impedir, coibir e sancionar uma minoria extremamente pequena de criminosos que ameaçam a segurança nacional, salvaguardando a prosperidade e a estabilidade de Hong Kong e mantendo [o princípio de] um país, dois sistemas (…) e que não vai afetar os direitos e liberdades legítimos usufruídos pelos residentes”.

A Assembleia Popular Nacional (APN), que é o órgão máximo legislativo da China, aprovou na quinta-feira a controversa proposta de lei de segurança nacional para Hong Kong.

A lei em causa proíbe “qualquer ato de traição, separação, rebelião, subversão contra o Governo Popular Central, roubo de segredos de estado, a organização de atividades em Hong Kong por parte de organizações políticas estrangeiras e o estabelecimento de laços com organizações políticas estrangeiras por parte de organizações políticas de Hong Kong”.

A ação de Pequim parece reacender a ‘chama’ dos protestos pró-democracia em Hong Kong, numa altura em que estão agendadas eleições para o parlamento de Hong Kong em setembro, após a ala pró-Pequim ter perdido as eleições locais em 17 dos 18 distritos.

Hong Kong regressou à China em 1997 sob um acordo que garantia ao território 50 anos de autonomia e liberdades desconhecidas no resto do país, ao abrigo do princípio “um país, dois sistemas”.

Tal como acontece desde 1999 com Macau, a vizinha região administrativa especial chinesa, para Hong Kong foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judicial, com o Governo central chinês a ser responsável pelas relações externas e defesa.

ZAP Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Advogado da família de Homeniuk pede condenação de inspetores do SEF por homicídio qualificado

O advogado da família do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk, que morreu nas instalações do SEF no aeroporto de Lisboa, insistiu, esta segunda-feira, na condenação dos três inspetores pelo crime de homicídio qualificado que consta da …

"Mestre do churrasco", "lenda da brincadeira" e homem de "honra". William e Harry recordam avô

Os príncipes William e Harry prestaram hoje homenagem, em comunicados separados, ao príncipe Filipe, que morreu na sexta-feira aos 99 anos no Castelo de Windsor, lembrando o avô como um homem “extraordinário” marcado pelo “dever” …

Em São Miguel, os restaurantes de concelhos em nível de alto risco fecham as portas a partir de amanhã

Todos os estabelecimentos de restauração, bebidas e similares nos concelhos do Nordeste e Vila Franca do Campo, em São Miguel, nos Açores, vão encerrar a partir de terça-feira, funcionando apenas em regime de take-away ou …

O Brasil está a construir uma nova estátua gigante de Cristo. Vai ser mais alta que a do Rio de Janeiro

Uma nova estátua gigante do Cristo que está a ser construída no sul do Brasil será ainda mais alta do que a icónica estátua do Cristo Redentor com vista para o Rio de Janeiro. Cabeça e …

Costa anuncia 252 milhões de euros de investimento na investigação e economia do mar

O primeiro-ministro anunciou hoje que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) vai ter uma verba de 252 milhões de euros autonomizada para financiar investimentos na investigação, na economia do mar e na segurança pesqueira. Além …

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …

Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de …

"O trabalho liberta." Polícia comunica pichagem nazi no Porto ao Ministério Público

A Polícia Municipal vai comunicar ao Ministério Público (MP) uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, com a frase nazi "o trabalho liberta". Uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, …

Um morto e um ferido em tiroteio junto a hospital em Paris. Atirador encontra-se em fuga

Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente. Os disparos deram-se em frente ao hospital Henry Dunant, …

Bloco de Esquerda quer plano nacional de férias de Verão financiado pelo Governo

O Bloco de Esquerda vai entregar um projeto de lei na Assembleia da República para que o Governo defina um programa de férias de Verão. Catarina Martins, coordenadora do partido, frisa que a maior parte …