Juízes não vão discutir revisão “incompleta” dos Estatutos apresentada pelo Governo

O Conselho Geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) deliberou hoje “não discutir” o projeto relativo à revisão de Estatuto dos Magistrados Judiciais enviado pelo Ministério da Justiça, em virtude de aquele documento de trabalho estar “incompleto”.

Em comunicado, a ASJP adianta que, durante a reunião, discutiu ainda “propostas concretas de reação a apresentar na Assembleia Geral de juízes”, marcada para 3 de junho, caso o compromisso público assumido pela ministra da Justiça de entregar uma proposta completa de revisão dos Estatutos não seja cumprido até final deste mês.

Antes da reunião, o secretário-geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) lamentou que o Ministério da Justiça não tenha conseguido apresentar uma “proposta completa” de revisão dos Estatutos dos magistrados, deixando de fora matérias essenciais.

João Paulo Raposo referiu que a proposta apresentada é de apenas “meio estatuto”, quando o compromisso assumido pela ministra da Justiça era o de entregar às estruturas sindicais do setor uma “proposta completa” .

“Até agora isso não foi cumprido”, enfatizou o dirigente da ASJP, reconhecendo que não será nos próximos dias que o MJ irá colmatar essa falha.

O MJ remeteu na sexta-feira a primeira proposta de revisão dos Estatutos, destinada a dignificar a classe e a adequar às alterações introduzidas com a nova organização do sistema judiciário, mas alertou que o documento “não contém as normas relativas à retribuição, que se encontram ainda em consolidação”.

João Paulo Raposo sublinhou que os juízes “não podem estar satisfeitos” com o facto de não existir, até ao momento, uma proposta completa, tanto mais que os Estatutos são um “documento único de direitos e obrigações” que tem de abarcar “todas as áreas”, incluindo as questões remuneratórias.

Confrontado com a informação de que a parte remuneratória não consta do documento entregue porque está retido no Ministério das Finanças, João Paulo Raposo frisou que o Ministério da Justiça não se pode desonerar das suas obrigações com o pretexto de que é necessária aprovação das Finanças.

“As questões internas do Governo não nos interessam”, disse, observando que é com o Ministério da Justiça que a ASJP “se relaciona”.

Não tendo o Ministério da Justiça apresentado uma proposta completa de revisão dos Estatutos, algo pelo qual a ASJP debate há seis anos, João Paulo Raposo assegura que “continua em cima da mesa” a possibilidade de adoção pelos juízes de formas de protesto pelo incumprimento do diploma em causa.

Com vista à revisão dos estatutos, o MJ criou, no ano passado, um grupo de trabalho que tem vindo a elaborar o projeto de estatutos para os juízes e magistrados do Ministério Público. O grupo de trabalho é dirigido pelo ex-presidente do Supremo e antigo dirigente da ASJP, Noronha do Nascimento.

Os magistrados esperam que os novos estatutos resolvam reivindicações relacionadas com o aumento do suplemento salarial de exclusividade, progressão na carreira, reforço das garantias de independência e articulação dos estatutos com a nova organização dos tribunais.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …

Segunda vaga impede mais de 12 milhões de consultas e cirurgias

O cenário de uma segunda vaga em Portugal é bastante provável e prevê-se que mais de 12 milhões de consultas e cirurgias fiquem por fazer. No melhor dos cenários, serão 10 milhões. Um estudo da Associação …

EUA pressionam Portugal: "Tem de escolher agora entre os aliados e os chineses"

O embaixador norte-americano em Lisboa defende que Portugal tem de escolher entre os “amigos e aliados” EUA e o “parceiro económico” China, alertando que escolher a China em questões como o 5G pode ter consequências …

MP acusa inspetores do SEF de homicídio de ucraniano no aeroporto

O Ministério Público vai acusar os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras que estão em prisão domiciliária, indiciados pelo homicídio do ucraniano Ihor Homenyuk no aeroporto de Lisboa. Bruno Sousa, Duarte Laja e Luís …

Encontrado dente de leite com 48.000 anos que pertenceu a "um dos últimos" neandertais de Itália

Uma equipa de cientistas da Universidade de Bolonha e Ferrara, em Itália, encontrou um dente de leite na região do Veneto, que acreditam ter pertencido a um dos últimos neandertais a habitar no país. Análises …

Rhys Williams fez parceria com van Dijk. Há um ano jogava numa liga amadora

Rhys Williams estreou-se a titular pela equipa principal do Liverpool e logo ao lado de Virgil van Dijk. Ainda na época passada, o jovem central estava numa equipa do sexto escalão inglês. Esta quinta-feira, o Liverpool …

OMS admite que número de mortos pode duplicar no próximo ano

A Organização Mundial da Saúde afirmou hoje que não se pode esperar pelo aparecimento de uma vacina para conter a pandemia da covid-19, admitindo que o número de mortos poderá duplicar durante o próximo ano …