JPMorgan indemniza 21 investidores em 4,5 mil milhões dólares

Joe Mabel / wikimedia

JPMorgan Chase Tower (foto: Joe Mabel / wikimedia)

JPMorgan Chase Tower (foto: Joe Mabel / wikimedia)

O banco JPMorgan Chase anunciou na sexta-feira que vai pagar 4,5 mil milhões de dólares (3,3 mil milhões de euros) a 21 investidores institucionais para acabar com um contencioso sobre títulos garantidos por crédito imobiliário de má qualidade.

Entre os investidores com quem o banco norte-americano chegou a acordo estão Fannie Mae, Freddie Mac, Goldman Sachs, ING e BlackRock, bem como fundos de pensões, bancos regionais alemães, companhias de seguros, como Prudential e Metropolitan Life, e fundos de investimento.

Com este acordo, o JPMorgan Chase indemniza estes investidores das perdas que sofreram em resultado da aquisição de 330 produtos financeiros derivados daqueles créditos imobiliários de qualidade inferior (‘subprime’ em Inglês), que tinham sido vendidos por este banco e a sua filial Bear Stearns entre 2005 e 2008, antes do ponto alto da crise financeira.

Mas o acordo não termina com os processos judiciais associados a este tipo de produtos vendidos no mesmo período pela Washington Mutual, que também foi comprada pelo JPMorgan Chase em 2008.

Os investidores envolvidos acusavam o JPMorgan e as suas duas filiais de lhes terem vendido títulos, escondendo o facto de estarem suportados por créditos imobiliários de risco muito elevado.

O acordo ainda tem de ser validado por um juiz.

Este banco, que é o maior dos EUA em termos de ativos, afirma ter “reservas financeiras suficientes” para cumprir o acordo e enfrentar os outros numerosos processos, em curso, resultantes de produtos baseados no ‘subprime’.

O JPMorgan Chase ainda está a negociar com o governo federal, vários governos estaduais dos EUA e diversas agências governamentais um acordo, ainda devido ao ‘subprime’, que pode envolver, segundo a imprensa norte-americana, uma verba de 13 mil milhões de dólares.

Este montante, porém, inclui os 5,1 mil milhões de dólares que o banco já disse ir pagar às agências para-públicas de refinanciamento hipotecário, Freddie Mac e Fannie Mae.

Os ‘subprime’ foram uma das causas da grave crise financeira que ocorreu em 2008 nos EUA e colocou o país na recessão.

Questionado por acontecimentos semelhantes, o Bank of America tinha, em 2011, concluído um acordo amigável com um grupo de investidores, mediante o qual pagou 8,5 mil milhões de dólares.

Ex-banco modelo da praça financeira norte-americana de Wall Street, o JPMorgan teve também recentemente de pagar mais de mil milhões de dólares de multa nos EUA no âmbito de um processo de má supervisão interna, que lhe tinha causado perdas multibilionárias na praça de Londres.

Além destes casos, o JPMorgan enfrenta ainda uma acumulação de inquéritos e queixas na corretagem de energia e por suspeitas de corrupção na China, entre outros problemas.

Estes problemas judiciários incitam o banco a procurar resoluções amigáveis, que lhe têm saído muito caras e lhe valeram a apresentação no terceiro trimestre do primeiro resultado negativo em 10 anos.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Então e o resto do mundo que foi arrastado pela mesma fraude também vai receber uma indemnização? Esse banco, e outros que tal, deviam ser simplesmente nacionalizados, esquartejados em pequenos bancos controláveis e depois reprivatizados aos poucos.

RESPONDER

Astrónomos provam que há água "presa" na poeira interestelar

As partículas de poeira no Espaço estão cobertas de gelo. Esta descoberta facilita as tentativas futuras de identificar a estrutura e composição da poeira em diferentes ambientes astrofísicos. O meio interestelar é composto por gás e …

Rochas antigas de Vénus apontam para origem vulcânica

Uma equipa internacional de investigadores descobriu que alguns dos terrenos mais antigos de Vénus, conhecidos como "tesserae", têm camadas que parecem consistentes com atividade vulcânica. A descoberta pode fornecer informações sobre a enigmática história geológica …

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …