Jovens indianos no Reino Unido estão a abraçar o casamento arranjado (mas não da forma tradicional)

Os casamentos arranjados ocupam um lugar estranho na Grã-Bretanha contemporânea. Os jovens indiano-britânicos estão a abraçar o casamento arranjado – mas não no sentido tradicional.

No mundo contemporâneo, os casamentos arranjados são vistos, por um lado, como um casamento forçado e, por outro, como um costume singular que precisa de um ajuste ao ideal moderno de “casamentos por amor” ao estilo ocidental.

Longe de ser uma tradição homogénea, os casamentos arranjados modernos envolvem uma variedade de práticas de casamento, onde cada família adapta a sua própria versão para se adequar às identidades e ambições modernas.

Entre a primeira geração, os casamentos arranjados transnacionais eram a norma. As pessoas voltariam para a Índia para encontrar parceiros, com a expectativa de que os seus filhos seguiriam um estilo muito tradicional de casamento arranjado.

Contudo, houve uma mudança marcante de atitude na segunda geração britânica.

Para este grupo, as atitudes em relação aos casamentos arranjados começaram a mudar visivelmente nas décadas de 1960 e 1970. Os jovens sentiam que, ao contrário dos seus pais, os casamentos transnacionais tradicionais não funcionariam para eles e para os seus filhos, que se identificavam mais com a Grã-Bretanha do que com a Índia.

Os casamentos arranjados que existem agora podem ser pensados como um espectro, com casamentos forçados que envolvem casar alguém contra a sua vontade num extremo e o estilo mais ocidentalizado de namoro e casamento – incluindo casamentos interreligiosos ou casos em que os pais podem apenas estar envolvidos na organização do casamento – no outro.

Duas novas versões de casamento arranjado

Uma investigação de Raksha Pande, professora na Newcastle University, destacou dois estilos de casamento arranjado que se situam entre esses extremos. Ambas parecem ser as formas mais populares pelas quais jovens indiano-britânicos avançam com casamentos arranjados.

O primeiro deles é chamado de “casamento semi-arranjado”, em que os pais que desejam ajudar os seus filhos a encontrar um parceiro e o apresentam a vários candidatos da população indiano-britânica que acham que poderiam ser uma combinação adequada.

As apresentações podem envolver a análise de currículos de noivos especialmente encomendados, fotografias de estúdio, eventos semelhantes a encontros rápidos organizados por templos locais e, cada vez mais, sites matrimoniais.

Depois de feitas as apresentações, o relacionamento segue um padrão estabelecido de o casal sair para namorar – às vezes acompanhado – para se conhecer melhor. Os jovens são gentilmente encorajados a apaixonar-se antes do casamento.

As famílias não desaprovam este tipo de namoro porque as correspondências são aprovadas pelos próprios pais do casal.

O outro estilo chama-se “casamentos arranjados por amor”, em que a pessoa que quer casar encontra alguém de quem gosta. Nesses casamentos, o casal namora e conhece-se antes de marcar uma apresentação formal com as respetivas famílias. Isso é seguido pelo namoro aprovado pelos pais e, depois, pelo casamento.

As prioridades

Jovens indiano-britânicos que praticam casamentos arranjados por amor sentiam que tinham a “liberdade de se apaixonar por qualquer pessoa”, mas dentro de certos limites – normalmente alguém da mesma religião, etnia e classe.

A importância da casta – sistema indiano hierárquico de divisão social baseado principalmente no estatuto hereditário e na resistência a casamentos mistos – está a tornar-se mais rara nesses casos.

No entanto, partilhar a mesma religião e etnia era visto como inegociável, o que significava que o aspeto arranjado desse estilo de casamento ainda pesava. Casamentos arranjados por amor não eram vistos como um compromisso, mas como o ideal para atender aos desejos dos pais e do filho.

A popularidade destes dois estilos ressalta a exigência de “aprender a amar” entre os indiano-britânicos.

Para as gerações nascidas na Grã-Bretanha atual, o amor como aprendizagem envolve, primeiro, a descoberta dos limites das expectativas e preferências familiares em relação aos futuros parceiros. Em segundo lugar, requer colocar essa aprendizagem em prática através da autocensura e da paixão por alguém que os pais provavelmente aprovariam.

Essa forma híbrida de casamento permite que os indiano-britânicos adaptem diferentes elementos para refletir os aspetos britânicos e indianos das suas identidades.

Esses dois estilos de casamento simbolizam o futuro dos casamentos arranjados na Grã-Bretanha. Os índio-britânicos mais jovens preferem cada vez mais o último estilo.

Embora o casamento forçado se tenha tornado ilegal no Reino Unido e os casamentos por amor sejam considerados a norma, os casamentos arranjados acabam por ocupar uma zona cinzenta entre os dois – sempre suspeitos e nunca desejáveis.

As pessoas que têm casamentos arranjados são tratadas com suspeita e são consideradas uma ameaça à coesão social. Assim, segundo Pande, é cada vez mais importante reconhecer a diversidade das formas de casamento arranjadas.

PARTILHAR

RESPONDER

Governo britânico descarta referendo à independência da Escócia antes de 2024

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, não vai autorizar um novo referendo à independência da Escócia antes das próximas eleições gerais, previstas para 2024, afirmou esta quarta-feira o ministro de Estado britânico, Michael Gove. Em entrevista ao …

PSD quer revogar regime de libertação de reclusos após fim da vacinação nas prisões

O PSD entregou esta quarta-feira um projeto-lei que pretende revogar, a partir de 1 de julho, o regime excecional de libertação de presos, associado a uma resolução para que todos os reclusos sejam vacinados até …

Reforma eleitoral promovida por Joe Biden travada no Senado dos EUA

A reforma eleitoral promovida pelo presidente norte-americano Joe Biden, considerada a maior das últimas décadas, foi travada no Senado dos Estados Unidos pela oposição do partido republicano. Em votação na câmara alta do Congresso na tarde …

PJ detém cinco pessoas acusadas de raptarem criança de 13 anos para a obrigar a casar

A Polícia Judiciária deteve, na terça-feira de madrugada, três homens e duas mulheres suspeitos de terem raptado uma criança de 13 anos para a obrigar a casar com um rapaz da mesma idade. Os cinco detidos …

Portugal vs França Em Direto. Onze provável da seleção com Renato e Moutinho de início

A seleção de Portugal joga esta quarta-feira o tudo por tudo contra a França, num encontro que pode significar o apuramento para os Oitavos de Final do Euro 2020 ou o regresso a casa mais …

Ana Paula Vitorino já tem luz verde para liderar AMT

A Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP) aprovou a escolha da ex-ministra do Mar e atual deputada Ana Paula Vitorino para a presidência da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), …

"Pensão na Hora". Dez mil portugueses pediram reforma aprovada em 24 horas

A Segurança Social já recebeu dez mil pedidos de reforma através do "Pensão na Hora", mas só 14% foram deferidos automaticamente 24 horas depois. A ferramenta digital "Pensão na Hora" está disponível há cerca de quatro …

Depois da nega de Costa, associações da Cultura foram recebidas por Marcelo

O Presidente da República reuniu-se, esta terça-feira, com representantes das associações e promotores de espetáculos, que expressaram as dificuldades que o setor atravessa, como a obrigatoriedade de testagem para a realização de eventos. "Estivemos em Belém …

Portugal regista três mortes e o maior número de casos desde fevereiro

Portugal registou nas últimas 24 horas três mortes associadas à covid-19, 1.497 novos casos de infeções confirmadas - o maior número desde 24 de fevereiro - e uma diminuição nos internamentos em enfermaria e cuidados …

PAN quer proibir animais de companhia acorrentados e em varandas

O PAN quer proibir os donos de animais de companhia de os acorrentarem permanentemente ou os colocarem em varandas por largos períodos de tempo, através de um projeto de lei entregue hoje na Assembleia da …