Dois jornalistas espanhóis e um irlandês assassinados no Burkina Faso

Facebook

David Beriain, um dos jornalistas assassinados no Burkina Faso

Dois jornalistas espanhóis, David Beriain e Roberto Fraile, e um cidadão irlandês, que estavam desaparecidos desde segunda-feira no Burkina Faso, foram assassinados.

De acordo com o jornal espanhol El País, os dois repórteres viajavam com um grupo, no qual também estava o cidadão irlandês, e foram atacados por um bando de homens armados, esta segunda-feira.

As mortes foram reivindicadas pelo movimento terrorista Grupo de Apoio ao Islão e Muçulmanos (JNIM), avançou Arancha González Laya, ministra dos Negócios Estrangeiros de Espanha.



González Laya forneceu as iniciais dos jornalistas D. B. A. e R. F. F. e explicou que estava a aguardar confirmação final sobre a identidade dos corpos encontrados no local, escreve ainda a publicação espanhola. Depois, minutos antes das quatro da tarde, o primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez confirmou a morte dos dois espanhóis.

“A pior notícia foi confirmada. Toda a nossa força para as famílias e amigos de David Beriain e Roberto Fraile, assassinados no Burkina Faso”, escreveu Sánchez no Twitter.

“Gratidão para todos aqueles que, como eles, praticam diariamente um jornalismo corajoso e essencial em zonas de conflito”, disse ainda.

David Beriain nascido em Artajona, Navarra, tinha 43 anos, e Roberto Fraile, nascido em Barakaldo, Bizkaia, tinha 47. O ataque ocorreu por volta das 9 horas locais de segunda-feira, na estrada entre Fada N’Gourma e Pama.

Os dois jornalistas estavam no local a filmar um documentário sobre a luta das autoridades do Burkina Faso contra a caça ilegal e estavam a captar imagens com um drone quando o ataque começou.

A Embaixada da Espanha no Mali, que fica no Burkina Faso, está em contacto com as famílias dos dois jornalistas. “É uma área perigosa, um campo comum para grupos terroristas e bandidos”, disse González Laya. 

Numa mensagem áudio enviada à Associated Press, uma voz que diz ser do Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos, uma coligação de grupos jihadistas liderados pelo terrorista Iyad Ag Ghali e ligado à Al-Qaeda, reivindicou a responsabilidade pelo mesmo.

“Matámos três pessoas brancas”. “Também temos dois veículos com armas, e 12 motocicletas”, ouve-se na gravação.

O ministro da Comunicação e porta-voz do governo do país, Ousséni Tamboura, atribuiu o atentado a “terroristas”, mas ainda não disse a que grupo pertenciam.

Em Dublin, o Ministério das Relações Exteriores afirmou estar “ciente” do desaparecimento de um cidadão irlandês, recusando-se, porém, a “comentar os detalhes de um caso em particular”, relata o Diário de Notícias.

O Burkina Faso está, desde abril de 2015, a combater os terroristas afiliados à Al-Qaeda. Há mais de um milhão de deslocados internamente, o que significa um em cada 20 habitantes, naquela que é considerada a crise de refugiados com um crescimento mais rápido no mundo.

Jornalistas pedem investigação das mortes

“Uma vez mais, este terrível incidente mostra o perigo a que estão expostos os jornalistas quando recolhem informação para benefício do público em geral”, declarou o secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger, afirmando que “a melhor homenagem que se lhes pode fazer é fazer justiça para eles e para as suas famílias“.

Assim, defendeu que “os governos de Espanha e do Burkina Faso cooperem para que isto suceda”, citado pela agência espanhola de notícias, a Efe.

Entretanto, o Alto Representante para a Política Externa da União Europeia condenou, esta terça-feira, o assassínio dos dois jornalistas espanhóis e do cidadão irlandês.

“Ao matarem jornalistas no Burkina Faso, os terroristas mostraram mais uma vez a sua cobardia e a sua verdadeira face criminosa: a dos defensores de um obscurantismo que destrói toda a liberdade de expressão”, declarou Josep Borrell através da rede social Twitter, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

O incidente ocorreu na segunda-feira na área de Pama, no leste do país, onde homens armados lançaram uma emboscada contra uma patrulha de forças do Burkina Faso que vigia a caça ilegal. A patrulha, de cerca de 40 homens, era acompanhada pelos jornalistas David Beriáin e Roberto Fraile.

O Burkina Faso, que faz fronteira com o Mali e o Níger, no Sahel, e com a Costa do Marfim, Gana, Togo e Benim, é palco de ataques ‘jihadistas’ desde abril de 2015 quando elementos de um grupo ligado à Al-Qaida sequestraram um guarda de segurança romeno – ainda desaparecido – numa mina de manganês em Tambao, no norte do país.

Sofia Teixeira Santos, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia continua a "empurrar" reclusos para fora das grades. Já saíram 2850

As cadeias portuguesas continuam a soltar reclusos que ainda não cumpriram toda a pena, numa altura em que não existem praticamente casos de infecção por covid-19 no sistema prisional. O regime especial de perdão das penas, …

Condutor de carrinha atropela participantes em desfile LGBT (e faz um morto)

O condutor de uma carrinha atropelou pessoas que desfilavam numa marcha de "orgulho gay" em Wilton Manors, perto de Fort Lauderdale na Florida, causando pelo menos um morto e ferindo outra. As autoridades estão ainda a …

Descoberta "pequena Pompeia" no sótão de um antigo cinema em Verona

Arqueólogos descobriram uma "Pompeia em miniatura" no sótão de um antigo cinema no centro histórico da cidade italiana de Verona. Segundo a agência italiana Ansa, autoridades da Superintendência de Arqueologia, Belas Artes e Paisagismo de Verona, …

Colapso de escola na Bélgica matou afinal quatro portugueses

As autoridades belgas confirmaram este domingo a morte de cinco pessoas, entre as quais quatro portugueses, no desabamento de uma escola em obras na cidade de Antuérpia. No balanço de sábado, as autoridades belgas registaram mais …

Chega e IL dizem que cerco na AML é "inconstitucional". Ventura recorre ao Supremo Tribunal Administrativo

André Ventura, líder do Chega, contestou a decisão do Governo de limitar a circulação na AML. Considerando que a medida é inconstitucional, entregou uma "Intimação para proteção de direitos, liberdade e garantias" no Supremo Tribunal …

Há 50 mil anos, humanos e neandertais relacionaram-se no deserto de Negev

Uma recente descoberta no deserto do Negev, no centro de Israel, revelou detalhes importantes sobre o desenvolvimento da cultura humana na região, de acordo com um novo estudo publicado na revista PNAS. Por toda a Ásia, …

Costa reeleito líder do PS com 94% dos votos aponta a vitória nas autárquicas

António Costa foi reeleito no sábado secretário-geral do PS, com 94% dos votos, para um novo mandato de dois anos, de acordo com resultados provisórios divulgados hoje pela Comissão Organizadora do Congresso (COC) do PS. O …

"Pessoas como nós". Presidente da República alerta contra indiferença no Dia Mundial do Refugiado

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou contra a indiferença e os "discursos oportunistas" numa mensagem alusiva ao Dia Mundial do Refugiado, que hoje se assinala. “Este ano sob o mote ‘Juntos cuidamos, aprendemos …

Descoberto mecanismo que pode aumentar a expectativa de vida

Ao longo do tempo foram descobertas várias causas para o envelhecimento, mas permanece a questão de saber se existem mecanismos subjacentes comuns que determinam o envelhecimento e a expectativa de vida. Um equipa de investigadores do …

"Trabalhador atravessou faixa de rodagem". MAI diz que carro de Cabrita não se despistou

O Ministério da Administração Interna esclareceu que não existia sinalização para alertar os condutores dos “trabalhos de limpeza em curso" na autoestrada A6, no Alentejo, na sexta-feira, quando a viatura do ministro atropelou mortalmente um …