Jornal “The Guardian” sugere que Portugal é um país racista e compara Ventura a Bolsonaro

(ce) The Guardian

O jornal britânico “The Guardian” noticiou, esta segunda-feira, alguns dos mais recentes acontecimentos racistas que têm ocorrido no país, afirmando no seu título que “Portugal regista um aumento da violência racista com ascensão da extrema direita”, fazendo uma vincada referência à conduta política do Chega.

Nos últimos tempos, em Portugal, têm-se registado alguns episódios que foram considerados racistas. Depois de uma onda de protestos nos EUA, devido à morte de George Floyd, também aqui ocorreram manifestações com o intuito de gerar maior justiça racial.

Contudo, uma grande parte dos portugueses – incluindo alguns políticos –  parece acreditar que em Portugal não acontecem crimes de racismo. O assunto gera discórdia e já atravessou fronteiras, tendo-se tornado notícia no reino Unido.

O jornal The Guardian relembra alguns episódios de violência impulsionada por racismo, e dá até exemplos de políticos portugueses que optam por uma conduta de “extrema direita”, fazendo assim referencia à conduta André Ventura.

O jornal britânico recorda que, durante o verão, Mamadou Ba, chefe de uma organização anti-racista, recebeu uma carta onde era enaltecido um sentimento de superioridade racial. Na carta podia ler-se: “o nosso objetivo é matar todos os estrangeiros e antifascistas – e tu estás entre nossos alvos”.

O diário inglês afirma ainda que a experiência de Mamadou Ba faz parte “de um número crescente de incidentes racistas ocorridos em Portugal que levaram a Rede Europeia contra o Racismo (ENAR) a apelar a uma resposta institucional urgente”.

Outro dos episódios salientado pelo “The Guardian” remete a janeiro deste ano, quando Cláudia Simões, uma mulher negra, e a filha foram agredidas por não possuírem um bilhete de autocarro.

Ainda assim, o jornal inglês classifica como “o pior ataque” o que ocorreu quando  Bruno Candé foi assassinado (colocando até uma imagem do ator na abertura da sua notícia), depois de um homem o ter atingido com seis tiros nas costas — episódio que o ENAR descreveu como “um crime explicitamente motivado por motivos raciais”.

Em declarações ao “The Guardian”, o ENAR sustentou que nos “últimos meses tem havido um aumento preocupante de ataques racistas de extrema direita em Portugal, confirmando que as mensagens de ódio estão a alimentar ações mais agressivas”.

Segundo o jornal, no ano passado, a Comissão Portuguesa para a Igualdade e Contra a Discriminação recebeu 436 queixas relativas a casos de racismo, o que representa um aumento de 26% em relação a 2018.

Na mesma entrevista, o ENAR refere que esta subida pode ter a ver com o ressurgimento da extrema direita em Portugal, devido à ascensão política do partido Chega, que tem como líder André Ventura – que neste momento é deputado na Assembleia da República.

Desde então, e de acordo com a ENAR, os “ativistas de extrema direita foram encorajados a cometer crimes de motivação racial contra pessoas de cor em Portugal”, o que pode justificar o aumento drástico nos últimos dois anos.

O “The Guardian” apresenta Ventura como um político “conhecido por ter ligações com outros grupos extremistas de extrema direita, e que nomeou ex-membros de grupos neonazistas para posições de liderança no seu partido”. O jornal faz ainda referência à reação de Ventura, na altura da apresentação da candidatura de Ana Gomes à presidência da República, quando chamou a ex-eurodeputada de “candidata cigana”.

Na opinião de António Costa Pinto, o partido de Ventura está a crescer porque o político “diz em público o que muitos portugueses pensam em privado mas não dizem”, afirmou. O cientista político explicou ao diário britânico, que a agenda política de André Ventura é “semelhante à de muitos outros líderes de extrema direita em todo o mundo”.

O jornal britânico compara a atitude extremista presente em Portugal, representada por André Ventura, com “a retórica do presidente do Brasil”, Jair Bolsonaro e acrescenta ainda tentou contactar com o Chega, mas o partido não respondeu.

Relativamente ao assassinato de Bruno Candé, o jornal recorda que a comunidade negra em Portugal organizou “a maior manifestação anti-racismo alguma vez vista no país”, mas que o líder do Chega respondeu com um contra protesto “no qual foi visto a fazer uma saudação nazi enquanto segurava uma faixa que dizia: “Portugal não é racista”.

Também Joacine Katar Moreira foi referenciada na notícia. O “The Guardian” realça que a deputada, que nasceu na Guiné-Bissau e gagueja, “tem sido alvo de perseguições e tem sido ridicularizada desde a sua eleição, inclusive por Ventura, que lhe disse para voltar para o seu país”.

A ENAR disse ao jornal que “a falta de resposta institucional apenas reafirma o sentido histórico de impunidade para os autores de violência racista, e nega a necessidade urgente de abordar o racismo em Portugal”, criticando assim o poder político português, que acredita que pouco tem feito para mudar esta realidade.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

19 COMENTÁRIOS

  1. Como as coisas são deturpadas quando são a favor da raça negra, que tem realmente algumas razões de queixa de alguns portugueses mal formados,. Mas… e quando são os negros a matarem brancos, como sucedeu no jardim do Campo Grande, que mataram um jovem de vinte e poucos anos e ninguém falou nunca mais do assunto???? Já não é racismo? e violento???? que eu saiba, nenhum negro morreu às mãos de brancos racistas… ou estou enganada???

    Deixem de apadrinharem os negros que se queixam, de barriga cheia. O Mamadou atreve-se a insultar a polícia e o governo e estado Português. A Katar atreve-se a queixar-se do País que a acolheu e lhe deu condições para estudar e ser hoje uma deputada. Que raio??? Onde está o racismo português? Como é que um jornal como o Guardian, de um País super racista como é a Inglaterra, se atreve a falar de Portugal como um Páis racista? Só porque tem a extrema direita com o Ventura? e a exterma esquerda com as Mortáguas, filhas de um ladrão assassino e o seu partido de extrema esquerda com a Catarina, pode existir??? Porquê? Porque é de esquerda??? Tudo que são extremos são maus, não defendo nem Venturas nem Bloquistas, são ambos muito maus para a sociedade portuguesa. Agora que o Guardian publique uma notícia destas sem insenção jornalística, é dificil de aceitar. E eu tenho um filho casado com uma negra angolana que é minha filha e tenho 2 netos mulatos. Vivi em Angola, tenho amigos do coração de raça negra e não sou em absoluto racista. Assim que puder e se Angola me aceitar, voltarei para lá. Com muita saudade de tudo que vivi lá.

  2. Pessoas ou entidades dos EUA, deviam ter VERGONHA de falar de racismo noutros países!
    E deviam tê-la também de colocar coisas fora de contexto, como por exemplo falar dessa “deputada” que chama o ridículo a si própria por ser incompetente e pela suas manifestações públicas contra Portugal e as autoridades portuguesas e não por gaguejar ou ser da Guiné… senão nem tinha sido eleita! (Bem enganados foram muitos…)

  3. Em lado algum o The Guardian sugere que “Portugal é um país racista”!
    Ventura e Bolsonaro parecem irmãos “gémeos” : fanáticos religiosos e vigaristas!
    Também é engraçado ver o Ventura a chamar ciganos a outros, quando ele parece mesmo um cigano!!

    • Se o Sr. Marcelo Rebelo de Sousa, se vestisse de preto, deixasse crescer a barba, usasse um chapéu e umas pulseiras e tirasse a gravata… Até ele parecia um cigano!! O que faz um indivíduo ser cigano é a mentalidade!

    • Ó Eu, o Ventura parece mesmo um cigano porquÊ? Gostava que nos desses um motivo.
      Chamas cigano ao Ventura, não te apercebendo que está a ser igualzinho a ele! cada qual de vocês os dois, xenófobo à sua maneira.

      • É muito simples de explicar… vários motivos: porque o Ventura é arruaceiro, é mentiroso, é vigarista, é religioso, etc, e, além disso, tem aspecto de rufia – todo me faz lembrar os ciganos!!
        “Igualzinho” ponto e vírgula; admito que eu possa ser considerado xenófobo, mas, no caso dos ciganos, tenho mesmo uma opinião semelhante à do Ventura – ou acho que tenho, porque, como ele não é de fiar, nunca se sabe…
        E, até há ciganos que votaram nele!…
        .
        Também considero que Portugal não é um país racista, ao contrário do que os racistas inúteis da SOS Racismo passam o tempo a berrar!…

  4. Pela maioria dos comentários, vê-se que a mentalidade colonialista-paternalista para com os negros africanos persiste, ainda, em muitas mentes, na sociedade portuguesa, principalmente daqueles que reivindicam relações familiares com negros. Essas mentes têm de evoluir, é preciso! Eu sei que a grande maioria do povo português, afinal, um povo também mestiço, tendencialmente não é racista. O colonialismo é que incutiu na cabeça de muitos a superioridade rácica e o “papel civilizador” de Portugal. Mas todos sabemos que as “descobertas” e a procura de novos mundos tinha forte motivação económica, mormente tentar participar nos negócios do ouro do Gana e das especiarias da Índia, controlado, até então, pelos muçulmanos.

  5. Ventura diz coisas que outros nao nao querem tocar no assunto para nao perder o taxo.
    Politico em portugal esta muito vulgarisado.
    Minha opiniao, cargos politicos deveriam ser limitados a pessoas no final das carreiras ponto.
    outro requesito para chegar cargos publicos, viver em portugal e apos a 4 ou 5 quinta geracao poderia ocupar cargo publico.
    todo corrupto deveria entregar os bens que roubos a entidade lesada…
    Politicos que roubam sejam afastados de todas as areas publica para sempre…

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …