Jornal “The Guardian” sugere que Portugal é um país racista e compara Ventura a Bolsonaro

(ce) The Guardian

O jornal britânico “The Guardian” noticiou, esta segunda-feira, alguns dos mais recentes acontecimentos racistas que têm ocorrido no país, afirmando no seu título que “Portugal regista um aumento da violência racista com ascensão da extrema direita”, fazendo uma vincada referência à conduta política do Chega.

Nos últimos tempos, em Portugal, têm-se registado alguns episódios que foram considerados racistas. Depois de uma onda de protestos nos EUA, devido à morte de George Floyd, também aqui ocorreram manifestações com o intuito de gerar maior justiça racial.

Contudo, uma grande parte dos portugueses – incluindo alguns políticos –  parece acreditar que em Portugal não acontecem crimes de racismo. O assunto gera discórdia e já atravessou fronteiras, tendo-se tornado notícia no reino Unido.

O jornal The Guardian relembra alguns episódios de violência impulsionada por racismo, e dá até exemplos de políticos portugueses que optam por uma conduta de “extrema direita”, fazendo assim referencia à conduta André Ventura.

O jornal britânico recorda que, durante o verão, Mamadou Ba, chefe de uma organização anti-racista, recebeu uma carta onde era enaltecido um sentimento de superioridade racial. Na carta podia ler-se: “o nosso objetivo é matar todos os estrangeiros e antifascistas – e tu estás entre nossos alvos”.

O diário inglês afirma ainda que a experiência de Mamadou Ba faz parte “de um número crescente de incidentes racistas ocorridos em Portugal que levaram a Rede Europeia contra o Racismo (ENAR) a apelar a uma resposta institucional urgente”.

Outro dos episódios salientado pelo “The Guardian” remete a janeiro deste ano, quando Cláudia Simões, uma mulher negra, e a filha foram agredidas por não possuírem um bilhete de autocarro.

Ainda assim, o jornal inglês classifica como “o pior ataque” o que ocorreu quando  Bruno Candé foi assassinado (colocando até uma imagem do ator na abertura da sua notícia), depois de um homem o ter atingido com seis tiros nas costas — episódio que o ENAR descreveu como “um crime explicitamente motivado por motivos raciais”.

Em declarações ao “The Guardian”, o ENAR sustentou que nos “últimos meses tem havido um aumento preocupante de ataques racistas de extrema direita em Portugal, confirmando que as mensagens de ódio estão a alimentar ações mais agressivas”.

Segundo o jornal, no ano passado, a Comissão Portuguesa para a Igualdade e Contra a Discriminação recebeu 436 queixas relativas a casos de racismo, o que representa um aumento de 26% em relação a 2018.

Na mesma entrevista, o ENAR refere que esta subida pode ter a ver com o ressurgimento da extrema direita em Portugal, devido à ascensão política do partido Chega, que tem como líder André Ventura – que neste momento é deputado na Assembleia da República.

Desde então, e de acordo com a ENAR, os “ativistas de extrema direita foram encorajados a cometer crimes de motivação racial contra pessoas de cor em Portugal”, o que pode justificar o aumento drástico nos últimos dois anos.

O “The Guardian” apresenta Ventura como um político “conhecido por ter ligações com outros grupos extremistas de extrema direita, e que nomeou ex-membros de grupos neonazistas para posições de liderança no seu partido”. O jornal faz ainda referência à reação de Ventura, na altura da apresentação da candidatura de Ana Gomes à presidência da República, quando chamou a ex-eurodeputada de “candidata cigana”.

Na opinião de António Costa Pinto, o partido de Ventura está a crescer porque o político “diz em público o que muitos portugueses pensam em privado mas não dizem”, afirmou. O cientista político explicou ao diário britânico, que a agenda política de André Ventura é “semelhante à de muitos outros líderes de extrema direita em todo o mundo”.

O jornal britânico compara a atitude extremista presente em Portugal, representada por André Ventura, com “a retórica do presidente do Brasil”, Jair Bolsonaro e acrescenta ainda tentou contactar com o Chega, mas o partido não respondeu.

Relativamente ao assassinato de Bruno Candé, o jornal recorda que a comunidade negra em Portugal organizou “a maior manifestação anti-racismo alguma vez vista no país”, mas que o líder do Chega respondeu com um contra protesto “no qual foi visto a fazer uma saudação nazi enquanto segurava uma faixa que dizia: “Portugal não é racista”.

Também Joacine Katar Moreira foi referenciada na notícia. O “The Guardian” realça que a deputada, que nasceu na Guiné-Bissau e gagueja, “tem sido alvo de perseguições e tem sido ridicularizada desde a sua eleição, inclusive por Ventura, que lhe disse para voltar para o seu país”.

A ENAR disse ao jornal que “a falta de resposta institucional apenas reafirma o sentido histórico de impunidade para os autores de violência racista, e nega a necessidade urgente de abordar o racismo em Portugal”, criticando assim o poder político português, que acredita que pouco tem feito para mudar esta realidade.

ZAP //

 

PARTILHAR

18 COMENTÁRIOS

  1. Como as coisas são deturpadas quando são a favor da raça negra, que tem realmente algumas razões de queixa de alguns portugueses mal formados,. Mas… e quando são os negros a matarem brancos, como sucedeu no jardim do Campo Grande, que mataram um jovem de vinte e poucos anos e ninguém falou nunca mais do assunto???? Já não é racismo? e violento???? que eu saiba, nenhum negro morreu às mãos de brancos racistas… ou estou enganada???

    Deixem de apadrinharem os negros que se queixam, de barriga cheia. O Mamadou atreve-se a insultar a polícia e o governo e estado Português. A Katar atreve-se a queixar-se do País que a acolheu e lhe deu condições para estudar e ser hoje uma deputada. Que raio??? Onde está o racismo português? Como é que um jornal como o Guardian, de um País super racista como é a Inglaterra, se atreve a falar de Portugal como um Páis racista? Só porque tem a extrema direita com o Ventura? e a exterma esquerda com as Mortáguas, filhas de um ladrão assassino e o seu partido de extrema esquerda com a Catarina, pode existir??? Porquê? Porque é de esquerda??? Tudo que são extremos são maus, não defendo nem Venturas nem Bloquistas, são ambos muito maus para a sociedade portuguesa. Agora que o Guardian publique uma notícia destas sem insenção jornalística, é dificil de aceitar. E eu tenho um filho casado com uma negra angolana que é minha filha e tenho 2 netos mulatos. Vivi em Angola, tenho amigos do coração de raça negra e não sou em absoluto racista. Assim que puder e se Angola me aceitar, voltarei para lá. Com muita saudade de tudo que vivi lá.

  2. Pessoas ou entidades dos EUA, deviam ter VERGONHA de falar de racismo noutros países!
    E deviam tê-la também de colocar coisas fora de contexto, como por exemplo falar dessa “deputada” que chama o ridículo a si própria por ser incompetente e pela suas manifestações públicas contra Portugal e as autoridades portuguesas e não por gaguejar ou ser da Guiné… senão nem tinha sido eleita! (Bem enganados foram muitos…)

  3. Em lado algum o The Guardian sugere que “Portugal é um país racista”!
    Ventura e Bolsonaro parecem irmãos “gémeos” : fanáticos religiosos e vigaristas!
    Também é engraçado ver o Ventura a chamar ciganos a outros, quando ele parece mesmo um cigano!!

    • Se o Sr. Marcelo Rebelo de Sousa, se vestisse de preto, deixasse crescer a barba, usasse um chapéu e umas pulseiras e tirasse a gravata… Até ele parecia um cigano!! O que faz um indivíduo ser cigano é a mentalidade!

    • Ó Eu, o Ventura parece mesmo um cigano porquÊ? Gostava que nos desses um motivo.
      Chamas cigano ao Ventura, não te apercebendo que está a ser igualzinho a ele! cada qual de vocês os dois, xenófobo à sua maneira.

      • É muito simples de explicar… vários motivos: porque o Ventura é arruaceiro, é mentiroso, é vigarista, é religioso, etc, e, além disso, tem aspecto de rufia – todo me faz lembrar os ciganos!!
        “Igualzinho” ponto e vírgula; admito que eu possa ser considerado xenófobo, mas, no caso dos ciganos, tenho mesmo uma opinião semelhante à do Ventura – ou acho que tenho, porque, como ele não é de fiar, nunca se sabe…
        E, até há ciganos que votaram nele!…
        .
        Também considero que Portugal não é um país racista, ao contrário do que os racistas inúteis da SOS Racismo passam o tempo a berrar!…

  4. Pela maioria dos comentários, vê-se que a mentalidade colonialista-paternalista para com os negros africanos persiste, ainda, em muitas mentes, na sociedade portuguesa, principalmente daqueles que reivindicam relações familiares com negros. Essas mentes têm de evoluir, é preciso! Eu sei que a grande maioria do povo português, afinal, um povo também mestiço, tendencialmente não é racista. O colonialismo é que incutiu na cabeça de muitos a superioridade rácica e o “papel civilizador” de Portugal. Mas todos sabemos que as “descobertas” e a procura de novos mundos tinha forte motivação económica, mormente tentar participar nos negócios do ouro do Gana e das especiarias da Índia, controlado, até então, pelos muçulmanos.

RESPONDER

Aminoácido produzido no cérebro pode prevenir ataques epiléticos

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Florida descobriu que um aminoácido produzido pelo cérebro pode desempenhar um papel crucial na prevenção de um tipo de ataque epilético. As crises epiléticas do …

Ir à escola, viajar e assistir a espetáculos. As exceções à proibição de circulação entre concelhos

No final do último Conselho de Ministros, na semana passada, o Governo anunciou a proibição de circulação entre concelhos entre as 0h de 30 de outubro e as 6h de 3 de novembro, englobando o …

País Basco em confinamento, Bélgica quer transferir doentes para os Países Baixos e França "perdeu o controlo"

Numa altura em que a Europa volta a ser epicentro da pandemia de covid-19, o País Basco decretou o confinamento da população e França considera impor a mesma medida. Com falta de camas, Bélgica pediu …

"Dia histórico". Senado confirma nomeação de Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos EUA

O Senado norte-americano confirmou segunda-feira à noite a juíza Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, o que representa uma vitória política para o Presidente Donald Trump a poucos dias das eleições …

Os olhos das corujas podem ter uma "lente" que melhora a visão noturna

As corujas capturam as suas presas durante a noite. Uma nova investigação sugere que há algo de especial na forma como as moléculas de ADN nos olhos das corujas estão acondicionadas, uma característica que lhes …

Os extraterrestres podem estar a observar-nos à distância (em mais de 1.000 estrelas diferentes)

Da mesma forma que nós, da Terra, já detetámos vários milhares de planetas ao redor de outras estrelas, uma hipotética civilização alienígena poderia ter detetado a nossa presença. Mas de que posições no Espaço isso seria …

Afinal, o buraco negro mais próximo da Terra pode não ser um buraco negro

Um objeto identificado no início deste ano como o buraco negro mais próximo da Terra pode, afinal, não o ser. Depois de reanalisar os dados, diferentes equipas de cientistas concluíram que o sistema HR 6819 …

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …