“Jack the Stripper”. O maior serial killer do Reino Unido pode estar prestes a ser identificado

(dr)

A polícia está considerando reabrir o caso não resolvido de um serial killer que assassinou pelo menos seis mulheres nos anos 1960, de acordo com relatos.

As jovens vítimas, todas alegadamente prostitutas, foram encontradas estranguladas e nuas perto do Tamisa entre 1964 e 1965. Os seus dentes também tinham sido removidos.

Na época, os assassinatos ficaram conhecidos como “assassinatos nus de Hammersmith”, e o criminoso, que nunca foi identificado, foi apelidado de “Jack the Stripper”, uma referência ao serial killer de Londres do século XIX “Jack the Ripper”.

O The Times relata que a polícia está agora a considerar novas informações descobertas por David Wilson, professor de criminologia da Birmingham City University. Ele acredita que o assassino foi Harold Jones, um galês condenado por assassinar duas jovens na sua cidade natal, Abertillery, na década de 1920.

Aos 15 anos, Jones matou Freda Burnell, de oito anos, mas foi absolvido porque não havia provas suficientes. “Duas semanas depois, assassinou Florence Little, de 11 anos, e escondeu o corpo no sótão dos pais”, diz o jornal.

Jones confessou ter matado Florence e foi mandado para a prisão, sendo jovem demais para ser condenado à morte por enforcamento. Depois de ser libertado, em 1941, juntou-se ao exército. “Nada mais foi ouvido sobre ele, mas foi posteriormente encontrado em Fulham, onde estava a viver sob o nome de Harold Stevens“, continua o The Times.

Wilson aponta que este foi o “epicentro” dos assassinatos de “Jack the Stripper”, diz a BBC. Jones também tinha uma ligação com uma propriedade industrial onde a polícia acreditava que as vítimas eram mantidas antes de os corpos serem despejados. Acredita-se que tenha trabalhado como chapista, o que pode ter dado acesso a tinta semelhante às manchas encontradas nos corpos de quatro das vítimas.

Durante a investigação de 15 meses, Wilson localizou a filha de Jones, que ficou chocada ao saber do passado do pai. Wilson, ex-governador da prisão, transmitiu as suas descobertas à Polícia Metropolitana e espera agora ver o caso concluído.

“Como as vítimas eram vistas como trabalhadoras do sexo, eram vistas como menos merecedoras, as suas vidas não importavam”, disse.

“É realmente importante que tentemos obter justiça para as famílias destas mulheres, mesmo que os crimes tenham sido cometidos na década de 1960, e estamos a dar à polícia evidências que nunca tiveram na época e em que Jones surge como principal suspeito”.

ZAP //

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

    • Caro Marco,
      Jack the Stripper. São duas pessoas diferentes, dois serial killers diferentes.
      Jack the Ripper (ou Jack, o Estripador) foi um assassino que atacava mulheres, geralmente prostitutas, e removia-lhes os órgãos. Atuou em Londres em 1888.
      Já Jack the Stripper atuou entre 1964 e 1965, também em Londres. Atacava prostitutas, mas não lhes removia os órgãos. Deixava os corpos nus. Por isso é que é chamado “the Stripper” – tirava as roupas às vitimas.

    • Ó caro Marco… Jack the Ripper?!! Esse gajo era de outro século…
      Entretanto li os restantes comentários e já percebi que a confusão é generalizar. O Jack the ripper é do século XIX!!! Suspeitou-se até que poderia ser alguém da família real. Não se sabe ao certo se seria especulação ou não, mas o boato correu.

  1. “Jack the Stripper”? Não seria «Jack the Ripper»? É que há uma grande diferença entre Stripper (que faz striptease) e Ripper (estripador)

    • Cara Ana,
      Sim, é Jack the Stripper. São duas pessoas diferentes, dois serial killers diferentes.
      Jack the Ripper (ou Jack, o Estripador) foi um assassino que atacava mulheres, geralmente prostitutas, e removia-lhes os órgãos. Atuou em Londres em 1888.
      Já Jack the Stripper atuou entre 1964 e 1965, também em Londres. Atacava prostitutas, mas não lhes removia os órgãos. Deixava os corpos nus. Por isso é que é chamado “the Stripper” – tirava as roupas às vitimas.

    • Caro Sam,
      Sim, é Jack the Stripper. São duas pessoas diferentes, dois serial killers diferentes.
      Jack the Ripper (ou Jack, o Estripador) foi um assassino que atacava mulheres, geralmente prostitutas, e removia-lhes os órgãos. Atuou em Londres em 1888.
      Já Jack the Stripper atuou entre 1964 e 1965, também em Londres. Atacava prostitutas, mas não lhes removia os órgãos. Deixava os corpos nus. Por isso é que é chamado “the Stripper” – tirava as roupas às vitimas.

Responder a MC Cancelar resposta

Casaco e guitarra de Kurt Cobain vão a leilão (e valem milhares de euros)

O casaco que o líder dos Nirvana usou no lendário concerto MTV Unplugged in New York vai ser leiloado, com um preço de venda estimado em 270 mil euros. Uma guitarra de Cobain pode ficar …

"50 sombras" da Idade Média. Páginas censuradas de um livro francês encontradas nos EUA

As páginas de um romance medieval foram descobertas nos arquivos da Diocese de Worcester, no estado norte-americano de Massachusetts.  Investigadores descobriram uma versão perdida de um romance medieval, que contém cenas eróticas. O poema francês - …

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …