/

Itália pode ter registado a temperatura mais elevada de sempre na Europa

Massimo Percossi / EPA

Onda de calor atinge a cidade de Roma, em Itália

A onda de calor “Lúcifer” que o país atravessa está na origem das temperaturas elevadas. A cidade de Siracusa na ilha italiana da Sicília atingiu 48,8º C, podendo ser a temperatura mais elevada de sempre registada na Europa.

A temperatura registada na histórica cidade italiana será a mais quente de sempre, segundo apontam as autoridades regionais.

Ainda assim, a mesma precisa de ser verificada pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), que para já mantém o recorde oficial da temperatura mais elevada da Europa os 48º C registados em 1977 em Atenas, na Grécia.

A “Sicília tem passado por uma onda de calor nos últimos dias, devido ao efeito foehn, que provoca uma mudança de condições húmidas e frias de um lado de uma montanha para condições mais quentes e secas do outro lado, portanto no sota-vento das montanhas a oeste de Siracusa provavelmente ajudou a atingir os 48,8º C”, refere Trevor Mitchell, meteorologista do Instituto de Meteorologia do Reino Unido, citado pelo JN.

As elevadas temperaturas que o país enfrenta causadas por uma onda de calor, apelidada de “Lúcifer”, levou à propagação de incêndios nas áreas florestais no sul de Itália, como Sicília, Calábria e Puglia.

As autoridades do país prevêm que a onda de calor prossiga para o norte de Itália, atingindo cidades como Roma, Florença ou Palermo, com temperaturas ainda mais elevadas.

Neste sentido, o ministério da Saúde do país já emitiu alertas vermelhos, devido ao calor extremo que é registado em várias regiões, apontando que o risco para a saúde deve aumentar de oito para 15 até ao final da semana.

A Itália enfrenta graves fogos, que já vitimaram pelo menos uma pessoa

Calor extremo e incêndios assolam Sul da Europa e Mediterrâneo

Vários países do Sul da Europa e do Mediterrâneo estão a enfrentar uma onda de calor extremo que já provocou incêndios mortíferos em Itália, Grécia, Turquia ou Argélia e colocou em alerta Portugal e Espanha.

O balanço mais grave regista-se na Argélia, país do Norte de África com costa mediterrânica, onde o número de vítimas mortais dos incêndios aumentou nas últimas horas para 69 – 41 civis e 28 militares.

A Argélia observa hoje o primeiro de três dias de luto pelas vítimas dos incêndios, mas o fogo continua sem dar tréguas na região montanhosa da Cabília (Norte).

Na Grécia, os incêndios provocaram pelo menos três mortos e destruíram mais de 100.000 hectares desde 29 de julho, um recorde desde 2007, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS).

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

No início de agosto, o país foi atingido pela “pior vaga de calor” em três décadas, segundo o primeiro-ministro, Kyriakos Mitsotakis, com temperaturas que atingiram os 45 ºC.

“A crise climática está aqui”, disse hoje Kyriakos Mitsotakis, repetindo mais uma vez que a Grécia está a enfrentar “uma imensa catástrofe ecológica”.

Sem registo de mortos, a Tunísia também está a braços com centenas de incêndios em várias regiões devido às altas temperaturas, que atingiram hoje 50,2 ºC na cidade de Kairouan (Centro), anunciou a proteção civil daquele país africano do Mediterrâneo, segundo a EFE.

A onda de calor também provocou incêndios no Sul da Turquia, onde se registaram oito mortos desde o final de julho, mas o país está hoje a braços com cheias em três províncias do Norte que já fizeram pelo menos cinco vítimas mortais.

A Península Ibérica também se prepara para temperaturas elevadas esta semana, com alertas de calor e de risco de incêndio em Portugal e Espanha devido à chegada de uma massa de ar quente do Norte de África.

Em Espanha, 13 comunidades estão em alerta de temperatura elevada, duas delas em risco extremo (Aragão e Catalunha), e a Agência Estatal de Meteorologia antecipa temperaturas máximas que poderão atingir os 44 ºC nos próximos dias.

As previsões levaram mesmo as autoridades catalãs a lançar esta semana um “grito de alarme” e a recordar que “estas temperaturas muito elevadas causaram muitos incêndios em simultâneo” na Grécia e em Itália.

O calor também atingiu a França, onde se esperam picos de 40 ºC no Sudeste do país e cerca de 20 departamentos estão sob uma vigilância de alta temperatura.

Em Portugal, 12 distritos estão hoje em aviso amarelo devido ao calor e cinco deles vão passar a aviso laranja na sexta-feira, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que antecipa temperaturas acima dos 40 ºC em algumas regiões do interior.

Também a ilha da Madeira vai estar com aviso amarelo devido às temperaturas elevadas entre sexta-feira e domingo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Na quarta-feira, a Proteção Civil colocou cinco distritos do interior Norte, Centro e Sul em alerta laranja no próximo fim de semana, devido ao risco de incêndio potenciado pelas condições meteorológicas previstas.

Embora seja difícil ligar qualquer incêndio específico às alterações climáticas, os cientistas têm alertado para fenómenos extremos resultantes do aumento da temperatura global.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.