Itália regista mais 743 mortes. Presidente pede “a mesma unidade que no pós-guerra”

O número de mortes pelo novo coronavírus em Itália subiu para 6.820, mais 743 mortes do que as anunciadas na segunda-feira. O presidente italiano, Sergio Mattarella, pediu “a mesma unidade que no pós-guerra”.

Itália já tem o dobro das mortes registadas na China devido ao novo coronavírus, somando mais 743 mortos do que aquelas anunciadas na segunda-feira. O país regista agora 69.176 infetados e 6.820 mortes devido ao surto de Covid-19.

Há mais 5.249 casos confirmados, dando continuidade a uma desaceleração do crescimento do número de infetados no país. Este é o terceiro dia consecutivo em que se regista esta tendência, de acordo com o Observador.

O relatório das autoridades de saúde italianas destacam ainda que há mais 894 pessoas recuperadas, aumentando o número de sobreviventes para 8.326. Há ainda 21.937 pacientes internados, sendo que 3.396 deles estão nos cuidados intensivos e 28.697 estão de quarentena em casa.

Todavia, o número de infetados pelo novo coronavírus em Itália pode ser dez vezes maior do que oficialmente reportado e chegar a 600.000, admitiu o chefe da Proteção Civil italiana, Angelo Borrelli, numa entrevista ao jornal “La Repubblica”.

“Para cada infetado declarado, há dez não registados”, disse Borrelli, que diariamente comunica os dados oficiais em conferência de imprensa.

O Presidente da República italiana, Sergio Mattarella, pediu esta terça-feira aos italianos “a mesma unidade” que existiu nos anos que se seguiram à II Guerra Mundial e que permitiu “o renascimento moral, civil, económico e social” do país.

O chefe de Estado falava por ocasião do 76.º aniversário do Massacre das Fossas Ardeatinas, em que 335 civis italianos foram mortos por nazis nos arredores de Roma, efeméride que este ano não vai ser assinalada devido às medidas de emergência em vigor para travar a propagação do novo coronavírus responsável pela pandemia da covid-19.

“O Massacre das Ardeatinas constituiu uma das páginas mais dolorosas da história recente do nosso país”, afirmou Mattarella numa nota oficial. Naquele crime, prosseguiu, enfrentaram-se “a vontade de opressão e o racismo” e os “valores fundamentais da memória, da paz e da solidariedade”.

“No final desses anos terríveis, marcados pela ditadura e pela guerra, a unidade do povo italiano permitiu o renascimento moral, civil, económico e social da nossa nação. A mesma unidade que nos é exigida, hoje, em um momento difícil para toda a comunidade”, concluiu, evocando “uma grave emergência sanitária”.

O Massacre das Fossas Ardeatinas, ocorrido a 24 de março de 1944, é um dos principais símbolos do horror da ocupação nazi em Itália.

O massacre foi uma represália por um ataque da resistência italiana ao fascismo em que morreram 33 soldados alemães e que levou as autoridades nazis a matar 10 italianos por cada soldado alemão morto.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …