Itália está a ter uma preciosa ajuda para travar a segunda vaga: o trauma

Andrea Fasani / EPA

O início da pandemia castigou a Itália de tal forma que, agora, o país europeu está a conseguir conter a curva, numa altura em que países como França ou Espanha lidam com o aumento do número de novas infeções por covid-19.

A Itália quer ultrapassar o trauma do início da pandemia e evitar atingir os números altos que colocaram este país europeu no topo dos países mais massacrados pela covid-19.

Atualmente, os números apontam para uma média de menos de dois mil casos diários, enquanto que Espanha e França registam mais de uma dezena de milhar por dia.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou para uma segunda vaga “preocupante” e vaticinou que os números estão a mostrar isso mesmo. Perante o cenário europeu, Itália parece estar a adiar – ou até a travar – a segunda vaga de infeções por covid-19.

Ao The Telegraph, Walter Ricciardi, um dos especialistas do Ministério da Saúde, disse que, apesar de Itália não ter regressado aos níveis de contágio de março, “temos que ter cuidado e não baixar a guarda”.

Neste sentido, o uso de máscaras, o distanciamento social e os grupos de controlo têm sido fundamentais, assim como o incentivo à vacinação contra a gripe e o uso da aplicação de rastreamento de contactos (a Immuni).

A evolução da curva italiana pode ser explicada pelo quarentena de 14 dias (sendo que muitos países europeus a encurtaram para sete e 10 dias) e pela experiência trágica vivida no início da pandemia.

Andrea Crisanti, parasitologista molecular do Imperial College, disse ao matutino que, “hoje, a estratégia de vigilância ativa que adotamos em Veneto está a ser usada em todo o país”. “Cada vez que temos um caso positivo, mesmo assintomático, testamos todos que fazem parte das várias redes familiares, sociais e de trabalho dessa pessoa.”

O Governo italiano foi também muito cauteloso na hora de abrir as fronteiras. O Conselho Europeu aconselhou a reabertura a 15 países, mas Itália preferiu manter restrições aos viajantes provenientes de países que não integram a União Europeia.

Itália foi o segundo país do mundo a sofrer fortemente as consequências do novo coronavírus: no início da pandemia, foi o país europeu a registar mais mortes e o primeiro a isolar cidades e a fechar os cidadãos em casa. A experiência pode ter dotado a Itália de ferramentas para pôr um travão a uma potencial segunda vaga.

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Pois o n/ (des)governantes antes pelo contrario queriam á viva força abrir fronteiras, ficaram indignados por países não abrirem as fronteiras a Portugal! Abriram e chamaram os imigrantes e turistas.Agora é aquilo que se vê os nrs a aumentar cada vez mais p/ nrs Nunca antes vistos, mesmo antes do confinamento.
    Agora da forma que isto está é Salve-se quem poder. Eles os do desgoverno Não querem saber de nós p/ Nada.

  2. Lamento, não é verdade. A única razão é porque testam menos de metade dos outros países. Já aprenderam que quanto mais se procura gambuzinos, mas se encontra, pois todos os positivos estão dentro da taxa de erro do teste. Portanto TODOS os positivos são eventuais erros. Esta é a verdade, à vista de todos, que os media e governos querem ocultar.
    Parem de enganar as pessoas.

RESPONDER

Acuña já é destaque em Espanha: "Não é bom nos 100 metros, mas..."

O ex-jogador do Sporting será uma referência para Lopetegui e já demonstrou um grande nível no jogo da Liga dos Campeões contra o Rennes. Marcos Acuña chegou a Sevilha há um mês e meio mas começa …

Portagens devem manter preços em 2021

Os preços das portagens nas autoestradas deverão voltar a manter-se em 2021, a confirmar-se a estimativa da taxa de inflação homóloga, sem habitação, de -0,18% em outubro, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). A fórmula …

Governo estuda novo confinamento total nas duas primeiras semanas de dezembro

O Governo está a ponderar decretar um novo confinamento total da população portuguesa nas duas primeiras semanas de dezembro. A notícia foi avançada esta sexta-feira pela TVI e, entretanto, confirmada por outros órgãos de informação. O …

Pelo menos 140 pessoas afogam-se no naufrágio mais mortal de 2020

Pelo menos 140 migrantes morreram afogados ao largo da costa senegalesa depois de a embarcação em que seguiam se ter incendiado e naufragado, avançou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). O barco transportava 200 pessoas …

Nélson Évora terminou contrato com o Sporting

Nelson Évora, campeão olímpico do triplo salto nos Jogos Olímpicos Pequim2008, vai deixar o Sporting após o fim do contrato com o clube, no sábado, confirmou à "Lusa" fonte oficial do Sporting, esta sexta-feira. O atleta, …

Nova Zelândia aprova eutanásia. Mas rejeita legalização da marijuana

Os neozelandeses aprovaram a eutanásia voluntária, mas rejeitaram a legalização da marijuana para uso recreativo, em dois referendos realizados em 17 de outubro, anunciou esta sexta-feira a Comissão Eleitoral. Cerca de 65,2% dos neozelandeses votaram a …

Governo pondera novas medidas de apoio ao emprego e empresas

O Governo está a ponderar novas medidas de apoio ao emprego e às empresas em resposta ao agravamento da pandemia de covid-19, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro …

Cova da Piedade não joga: "Prefiro perder três pontos do que alguém perder a vida"

O jogo entre Estoril e Cova da Piedade, como se esperava, não vai ser realizado e deverão ser atribuídos três pontos ao Estoril. Diretor do Cova da Piedade não poupa nas críticas. Mais uma partida da …

Investigadores descobrem porque há pessoas infetadas sem sintomas de covid-19

Investigadores do hospital universitário de Aarhus, na Dinamarca, descobriram que algumas pessoas infetadas com o novo coronavírus não desenvolvem sintomas porque este poder ocultar o seu genoma para não ser reconhecido. Como noticiou esta sexta-feira o …

Luís Pina condenado a quatro anos de prisão pela morte de adepto italiano junto ao Estádio da Luz

O principal arguido no processo do atropelamento mortal do adepto italiano de futebol Marco Ficini, junto ao Estádio da Luz, em Lisboa, em 2017, foi hoje condenado a quatro anos de prisão efetiva, por homicídio …