Itália está a ter uma preciosa ajuda para travar a segunda vaga: o trauma

Andrea Fasani / EPA

O início da pandemia castigou a Itália de tal forma que, agora, o país europeu está a conseguir conter a curva, numa altura em que países como França ou Espanha lidam com o aumento do número de novas infeções por covid-19.

A Itália quer ultrapassar o trauma do início da pandemia e evitar atingir os números altos que colocaram este país europeu no topo dos países mais massacrados pela covid-19.

Atualmente, os números apontam para uma média de menos de dois mil casos diários, enquanto que Espanha e França registam mais de uma dezena de milhar por dia.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou para uma segunda vaga “preocupante” e vaticinou que os números estão a mostrar isso mesmo. Perante o cenário europeu, Itália parece estar a adiar – ou até a travar – a segunda vaga de infeções por covid-19.

Ao The Telegraph, Walter Ricciardi, um dos especialistas do Ministério da Saúde, disse que, apesar de Itália não ter regressado aos níveis de contágio de março, “temos que ter cuidado e não baixar a guarda”.

Neste sentido, o uso de máscaras, o distanciamento social e os grupos de controlo têm sido fundamentais, assim como o incentivo à vacinação contra a gripe e o uso da aplicação de rastreamento de contactos (a Immuni).

A evolução da curva italiana pode ser explicada pelo quarentena de 14 dias (sendo que muitos países europeus a encurtaram para sete e 10 dias) e pela experiência trágica vivida no início da pandemia.

Andrea Crisanti, parasitologista molecular do Imperial College, disse ao matutino que, “hoje, a estratégia de vigilância ativa que adotamos em Veneto está a ser usada em todo o país”. “Cada vez que temos um caso positivo, mesmo assintomático, testamos todos que fazem parte das várias redes familiares, sociais e de trabalho dessa pessoa.”

O Governo italiano foi também muito cauteloso na hora de abrir as fronteiras. O Conselho Europeu aconselhou a reabertura a 15 países, mas Itália preferiu manter restrições aos viajantes provenientes de países que não integram a União Europeia.

Itália foi o segundo país do mundo a sofrer fortemente as consequências do novo coronavírus: no início da pandemia, foi o país europeu a registar mais mortes e o primeiro a isolar cidades e a fechar os cidadãos em casa. A experiência pode ter dotado a Itália de ferramentas para pôr um travão a uma potencial segunda vaga.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Pois o n/ (des)governantes antes pelo contrario queriam á viva força abrir fronteiras, ficaram indignados por países não abrirem as fronteiras a Portugal! Abriram e chamaram os imigrantes e turistas.Agora é aquilo que se vê os nrs a aumentar cada vez mais p/ nrs Nunca antes vistos, mesmo antes do confinamento.
    Agora da forma que isto está é Salve-se quem poder. Eles os do desgoverno Não querem saber de nós p/ Nada.

  2. Lamento, não é verdade. A única razão é porque testam menos de metade dos outros países. Já aprenderam que quanto mais se procura gambuzinos, mas se encontra, pois todos os positivos estão dentro da taxa de erro do teste. Portanto TODOS os positivos são eventuais erros. Esta é a verdade, à vista de todos, que os media e governos querem ocultar.
    Parem de enganar as pessoas.

RESPONDER

Portugal "não está livre de uma quarta vaga" de contágios quando desconfinar

Na quarta-feira, Graça Freitas admitiu que Portugal pode voltar a enfrentar uma nova vaga da pandemia de covid-19 nos próximos meses. O epidemiologista Manuel Carmo Gomes repete o alerta da diretora-geral da Saúde. Portugal pode enfrentar …

PCP propõe estender moratórias por seis meses. BE quer ouvir Centeno

O PCP quer estender as moratórias bancárias, que vão terminar dentro de algumas semanas, por seis meses. O Bloco de Esquerda entregou um requerimento, com carácter de urgência, para ouvir o Governador do Banco de …

Plano de desconfinamento tem várias velocidades, mas não tem datas

O primeiro esboço do plano de desconfinamento já chegou a São Bento e será apresentado na reunião do Infarmed, marcada para a próxima segunda-feira. A equipa de peritos - liderada por Óscar Felgueiras, da ARS/Norte, e …

Átomo extinto revela segredos da infância do Sistema Solar

Usando o átomo extinto nióbio-92, uma equipa de investigadores da ETH Zurich, na Suíça, conseguiu explicar eventos do início do sistema solar com a maior precisão de sempre. Se um átomo de um elemento químico tiver um …

Marcelo cria nova equipa em Belém para controlar "bazuca" europeia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, criou uma equipa para manter uma vigilância apertada sobre a gestão do dinheiro que chega da "bazuca" europeia. Marcelo Rebelo de Sousa criou uma nova equipa para a …

Espanha vai proibir viagens durante a Páscoa. França, Hungria e Brasil com novas restrições

Espanha prepara-se para aprovar um plano de desconfinamento para as próximas semanas, particularmente para a Páscoa, que prevê a proibição de viajar entre as suas comunidades autónomas e recolher obrigatório entre as 22h00 e as …

FBI detém funcionário de Donald Trump pela invasão ao Capitólio

O Departamento Federal de Investigação (FBI) deteve na quinta-feira um funcionário do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump pela invasão ao Capitólio a 6 de janeiro, noticiaram os media norte-americanos. Trata-se de Federico Klein, um homem …

Bebidas, fatos e centro "fantasma". Presidência portuguesa da UE debaixo de fogo após gastos "incomuns"

A presidência portuguesa do Conselho Europeu está no olho do furacão depois de uma reportagem que evidencia as "despesas incomuns" com bebidas, fatos e um centro de imprensa "fantasma", em contratos que custaram "centenas de …

Padres, provedores e autarcas. MP investiga casos de vacinação indevida

A investigação do Ministério Público (MP) e da Polícia Judiciária (PJ) conta já com 33 casos suspeitos de vacinação indevida, estendendo-se a padres, provedores de misericórdias, administradores hospitalares e autarcas. Desde o início da campanha da …

Atrasos na vacina da Pfizer condicionam vacinação de doentes de risco entre os 65 e os 79

A vacinação de doentes de risco entre 65 e os 79 anos está condicionada pela chegada de mais vacinas da Pfizer. Na união Europeia, Portugal é o quinto país com a percentagem mais elevada de doses …