Itália: água só para consumo alimentar

Na região de Piemonte, os habitantes de cerca de 170 cidades têm a obrigação de controlar o consumo de água, por causa da pior seca em 70 anos.

Há uma onda de calor a atravessar os países latinos do Ocidente da Europa: Portugal, Espanha, França e Itália.

Em Portugal e em Espanha sentiram-se temperaturas a rondar os 40 graus, já em Junho, e nesta semana os termómetros atingiram picos em Espanha e em França.

Há incêndios florestais preocupantes na Catalunha, num país que registou o Maio mais quente do último século – cenário semelhante em Portugal.

Uma onda de ar quente proveniente do Norte de África que também já chegou a França e a Itália.

Em Itália, essencialmente na região de Piemonte, há ordens para se controlar no consumo de água.

Em cerca de 170 cidades, as autoridades locais proibiram os seus moradores de qualquer utilização de água que não seja para alimentação.

O anúncio foi feito pelo governador da zona do norte de Itália, Alberto Cirio, em resposta à seca mais extrema dos últimos 70 anos.

“A situação está sob controlo no que diz respeito ao uso civil da água potável, mas temos um estado de emergência muito grave na agricultura“, avisou Alberto Cirio.

Em Novaya, por exemplo, não há abastecimento de água durante a noite em 10 cidades. Em Turim, 80 localidades limitaram o consumo de água e três tiveram que recorrer a camiões-tanque.

Piemonte e Lombardia querem implementar estado de emergência oficial.

E o problema está a descer no mapa e deve também afectar em breve as regiões Centro e Sul de Itália.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.