Israel vai (outra vez) a votos e Netanyahu enfrenta novo teste à sobrevivência política

Abir Sultan / EPA

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro há mais tempo em funções em Israel, enfrenta um novo teste à sua capacidade de sobrevivência nas legislativas de terça-feira e não tem desperdiçado oportunidades para atrair eleitores.

As questões de segurança e o conflito com os palestinianos preocupam os israelitas e nas últimas semanas Benjamin Netanyahu reforçou os ataques ao inimigo Irão, fez uma rara visita à Cisjordânia ocupada e prometeu a anexação parcial deste território, tendo ainda realizado deslocações a Londres e à Rússia, fortalecendo a sua imagem internacional.

“Bibi”, como é conhecido, é também o primeiro chefe de Governo em funções a ser alvo de acusações criminais – de “corrupção”, “fraude”, “desvio de fundos” e “abuso de confiança” – em vários processos, mas só terá de se demitir se for considerado culpado.

A lei israelita exige uma audiência prévia antes da apresentação formal das acusações, que está marcada para outubro, e aliados políticos de Netanyahu, líder do Likud (direita), esperam conseguir fazer aprovar, após as eleições, uma lei que lhe dê imunidade, tornando mais importante uma vitória.

O seu principal rival nestas legislativas é o general Benny Gantz, à frente da coligação centrista Azul e Branco (as cores da bandeira do Estado judaico), que prometeu “terminar com a corrupção” dos anos Netanyahu. As sondagens colocam o Likud e o Azul e Branco lado a lado, como aconteceu nas legislativas de abril, quando obtiveram o mesmo número de assentos parlamentares cada, 35 (em 120).

À impossibilidade de Netanyahu formar uma coligação governamental, o Likud e aliados responderam com uma dissolução do parlamento e novas eleições.

Depois de Avigdor Lieberman, líder do partido Israel Beiteinu, cujo apoio poderá ser crucial para uma coligação de governo, sugerir que o Likud deveria mudar Netanyahu se este falhar novamente a constituição de uma aliança para o executivo, os candidatos do partido no poder assinaram no início de agosto uma “declaração de lealdade” a “Bibi”.

Na última semana de campanha eleitoral, o primeiro-ministro israelita acusou o Irão de ter ocultado “uma instalação secreta” onde desenvolvia testes com armas nucleares e que teria destruído depois de ter percebido que o Estado hebreu o tinha descoberto. Netanyahu insistiu com a comunidade internacional para manter pressão sobre Teerão.

No final de agosto, Israel tinha acusado a República Islâmica de procurar fabricar, através do seu aliado o movimento xiita libanês Hezbollah, mísseis de precisão que poderiam causar “enormes perdas humanas” no seu território.

Na terça-feira, Netanyahu prometeu anexar uma parte da Cisjordânia se for reeleito e suscitou críticas dos palestinianos, das Nações Unidas, da União Europeia e de vários países árabes. A ONU considerou que a decisão seria devastadora para a “relançar as negociações” entre Israel e a Palestina e a UE disse que colocaria “em causa as perspetivas de uma paz durável”, enquanto Riade qualificou a declaração de “perigosa escalada”.

O líder do Likud disse que caso vencesse o escrutínio aplicaria imediatamente a “soberania de Israel” ao vale do Jordão e ao norte do mar Morto, adiantando tencionar anexar todos os colonatos na Cisjordânia após a divulgação do plano norte-americano para resolver o conflito israelo-palestiniano, que deve ocorrer pouco depois das eleições.

Nas vésperas das anteriores legislativas, o Presidente norte-americano, Donald Trump, reconheceu, em Washington e na presença de Netanyahu, a soberania de Israel sobre a parte dos montes Golã tomados à Síria em 1967 e anexada em 1981, numa decisão não reconhecida pela comunidade internacional.

Trump já tinha contrariado o consenso internacional ao reconhecer em dezembro de 2017 como capital de Israel Jerusalém, cuja parte oriental foi ocupada e depois anexada e que é reivindicada pelos palestinianos como capital de um eventual Estado da Palestina.

Quando se deslocou a Londres a menos de duas semanas das novas eleições, “Bibi” tencionava discutir com o homólogo, Boris Johnson, a situação no Médio Oriente e com o secretário da Defesa norte-americano, Mark Esper, também em visita à capital britânica, as “necessidades de Israel em termos de segurança”, segundo o seu gabinete.

Na quinta-feira deslocou-se à Rússia para um encontro com o presidente Vladimir Putin, à semelhança do que fez a cinco dias das legislativas de abril, dando destaque às suas relações privilegiadas com os líderes mundiais.

Na última semana, Netanyahu tentou ainda sem sucesso fazer aprovar legislação permitindo a presença de câmaras nas assembleias de voto, para, segundo ele, evitar “fraudes” e garantir a “transparência”.

Para os adversários, tratou-se de uma tentativa de intimidação dos eleitores hostis à sua candidatura, nomeadamente a população árabe israelita, ou mesmo de uma estratégia para pôr em causa um eventual resultado desfavorável.

Mordechai Kremnitzer, especialista em direito constitucional, escreveu no diário Haaretz que o projeto de lei significava apontar uma “arma à cabeça da democracia israelita”. “Ele (Netanyahu) bate-se pela sua sobrevivência, para não enfrentar a justiça. É uma guerra pessoal”, considerou Gideon Rahat, professor de ciências políticas na Universidade Hebraica de Jerusalém, citado pela France Press.

O caso das câmaras “faz parte da sua tentativa de mobilizar o seu eleitorado, argumentando que eles – os árabes, a esquerda, as elites – estão a tentar roubar a eleição a nós, o povo”, comentou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …