Irregularidades na Petrobras estimadas em quase mil milhões de euros

GOVBA / Flickr

Batismo da Plataforma P-59 da Petrobras em Maragogipe

As irregularidades que estão sob investigação nas operações da Petrobras, a petrolífera estatal brasileira, custaram aos cofres públicos cerca de três mil milhões de reais (cerca de 940 milhões de euros), de acordo com o presidente do Tribunal de Contas brasileiro.

As estimativas de Augusto Nardes incluem o aumento do custo, de forma alegadamente irregular, das obras no complexo petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e nas refinarias de Abreu e Lima, em Pernambuco (nordeste), Duque de Caxias (Rio de Janeiro) e Getúlio Vargas (Paraná, no sul), além da ruinosa compra de uma refinaria na cidade norte-americana de Pasadena, nos EUA.

Durante um almoço com jornalistas, esta terça-feira, Nardes classificou as irregularidades como “o maior escândalo investigado” pelo Tribunal de Contas brasileiro.

As alegadas irregularidades estão a ser investigadas em processos diferentes pela Procuradoria do Rio de Janeiro e por uma comissão parlamentar de inquérito.

Cerca de metade destes cerca de 940 milhões de euros corresponde às perdas sofridas na compra da refinaria de Pasadena em 2006, processo em que o Tribunal de Contas deu como provado o preço excessivo pago na operação.

A Petrobras comprou metade do capital da refinaria de Pasadena por 360 milhões de dólares à empresa belga Astra Oil, que um ano antes a tinha comprado na íntegra por 42,5 milhões de dólares.

Em julho, o tribunal determinou o bloqueio dos bens de 11 ex-diretores da Petrobras considerados responsáveis pela compra da refinaria.

Por outro lado, excluiu a responsabilidade da atual presidente Dilma Rousseff, que na época dos acontecimentos integrava a administração da Petrobras enquanto ministra de Minas e Energia.

/Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE