Irmão de Diana está a vender cópias autografadas do elogio fúnebre da princesa

Rick / Wikimedia

Diana de Gales, Princesa do Povo

O irmão de Diana, conde Charles Spencer, está a vender cópias do elogio fúnebre que leu nas cerimónias de Abadia de Westminster, aquando do funeral da princesa de Gales.

Segundo o The Sun, o livro de capa azul custa 30 libras (cerca de 33 euros) – e o seu lançamento coincide com a passagem dos 22 anos da morte da mãe dos príncipes William e Harry, a 31 de agosto de 1997, num acidente ocorrido no túnel da Pont d’Alma, em Paris.

Além disso, segundo o jornal britânico, o irmão de Diana está a assinar o livro, cujo título é um tributo do conde Spencer a Diana, a princesa de Gales. Tudo tem acontecido na propriedade da família, em Northamptonshire, onde a princesa está sepultada e que reaberta aos visitantes no verão. Aí, e durante alguns dos dias de visitas, Charles Spencer tem um stand para dar autógrafos a todos os que adquirem a obra no local.

Quem compra os produtos na loja online da Althorp pode incluir, na encomenda, um dedicatória pessoal a um nome à sua escolha.

A casa em que Diana cresceu com os irmãos esteve aberta entre julho e agosto de maneira extraordinária, para assinalar mais um aniversário da morte da “Princesa do Povo”. Além das exposições e algumas salas já visitáveis, os interessados puderam conhecer, por exemplo, o quarto de Diana. Ainda assim, a ilha e o túmulo onde está enterrada Diana de Gales mantiveram-se inacessíveis.

Diana Spencer tornou-se princesa ao casar aos 20 anos com o príncipe Carlos, em 1981. Do casamento nasceram dois filhos, William e Harry. Conhecida como a “princesa do povo” pela sua enorme popularidade, dedicou grande parte da sua vida a trabalhos humanitários. As imagens do seu funeral foram transmitidas em direto na televisão e acompanhadas por cerca de 2,5 mil milhões de pessoas.

O divórcio chegou em 1996. Exatamente um ano e três dias depois, a 31 de agosto de 1997, aconteceu a tragédia: Diana morreu num acidente de carro, no túnel da Ponte de l’Alma em Paris, França, enquanto fugia dos paparazzi. Com ela estava o namorado, Dodi Al-Fayed, com o motorista e o guarda-costas, o único sobrevivente do desastre.

A causa oficial do acidente, até hoje, continua a ser a intoxicação do condutor e o facto de Diana não ter colocado o cinto de segurança no carro.

Mesmo assim, em 2008, uma nova investigação britânica descobriu que os paparazzi que estavam a perseguir o carro do hotel Ritz até o apartamento de Al-Fayed, juntamente com o motorista, foram os culpados do acidente.

O legista determinou que a morte tinha sido um acidente. Para aquelas investigações, nas quais foram investidos três milhões de libras, as autoridades examinaram o Mercedes do Al-Fayed, visitaram a Ponte da Alma e reuniram cerca de 1.500 declarações de testemunhas e 20 mil documentos. As conclusões foram claras: a morte de Lady Di foi um acidente.

Ainda assim, há quem questione se foi verdadeiramente um acidente.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O irmão de Diana faz de tudo para manter o otimo nome dela em ações saudáveis. Ele teve a casa e te q vem dela. Justíssimo que levante dinheiro uma vez q ele é o tutor da casa e de mtas questões dela. Ele tem autorização para fazer o que for melhor em Nome de Diana

RESPONDER

Novo primeiro-ministro belga nomeado após 16 meses de crise política

O atual ministro das Finanças da Bélgica, Alexander de Croo, toma posse esta quinta-feira como primeiro-ministro, depois de ter sido na quarta-feira formalmente nomeado para o cargo, pondo fim a uma longa maratona de 16 …

Cortes de água, luz, gás e telecomunicações regressam esta quinta-feira

A partir desta quinta-feira, regressam os cortes de água, eletricidade, gás natural e telecomunicações para todos os consumidores em situação de desemprego, com uma quebra de rendimentos de, pelo menos, 20% ou que estejam infetados …

Moderna contradiz Trump. Não haverá vacina até às eleições

O diretor-executivo da farmacêutica Moderna Therapeutics, que está a desenvolver uma das mais avançadas vacinas para a covid-19, disse que esta não estará pronta até às eleições presidenciais dos Estados Unidos. Em declarações ao jornal Financial …

Brigadas dos lares arrancam com menos profissionais do que o previsto

As Brigadas de intervenção Rápida para os lares atingidos por surtos de covid-19 arrancam esta quinta-feira - mas há menos enfermeiros e cuidadores do que o previsto. Em declarações à Renascença, o presidente do Instituto da …

PS segue PSD e propõe voto antecipado para eleitores em confinamento

O Partido Socialista (PS) decidiu juntar-se ao Partido Social Democrata (PSD) na ideia de alargar o direito de voto antecipado aos eleitores que estejam em confinamento à data das próximas eleições presidenciais. De acordo com o …

Santos Silva assume "contactos" para reforço dos EUA da base das Lajes (e desdramatiza eventual crise política)

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, disse, em entrevista ao Público e à Renascença, que há "contactos" com os Estados Unidos para reforço norte-americano da base das Lajes e desdramatizou a aprovação do Orçamento …

3.800 euros por mês. Genebra aprova o primeiro salário mínimo (e é o mais alto do mundo)

Os habitantes de Genebra, na Suíça, aprovaram, este domingo, a proposta de um salário mínimo de 23 francos suíços por hora (equivalente a cerca de 21,30 euros) para todos os que trabalham na cidade. De acordo …

No day after do debate caótico, Biden pede regras rígidas e Trump queixa-se do moderador

O debate caótico entre Donald Trump e Joe Biden motivou críticas generalizadas que suscitam dúvidas sobre se será de manter os outros dois debates ou se, mantendo-os, será necessário alterar as regras. Um dia após a …

OE2021. Pontas soltas, alguns avanços e uma certeza: se houver entendimento, há acordo por escrito

Se houver entendimento em algumas matérias com o Bloco de Esquerda e o PCP, haverá um "compromisso escrito", adiantou Duarte Cordeiro, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. Em entrevista ao podcast Política com Palavra, do PS, …

Covid-19. Hospitais da região de Lisboa pedem camas uns aos outros

Os hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo continuam a bater à porta uns dos outros a pedir camas para internar doentes com covid-19. Segundo a edição desta quinta-feira do jornal Público, os …