Irmão de Diana está a vender cópias autografadas do elogio fúnebre da princesa

Rick / Wikimedia

Diana de Gales, Princesa do Povo

O irmão de Diana, conde Charles Spencer, está a vender cópias do elogio fúnebre que leu nas cerimónias de Abadia de Westminster, aquando do funeral da princesa de Gales.

Segundo o The Sun, o livro de capa azul custa 30 libras (cerca de 33 euros) – e o seu lançamento coincide com a passagem dos 22 anos da morte da mãe dos príncipes William e Harry, a 31 de agosto de 1997, num acidente ocorrido no túnel da Pont d’Alma, em Paris.

Além disso, segundo o jornal britânico, o irmão de Diana está a assinar o livro, cujo título é um tributo do conde Spencer a Diana, a princesa de Gales. Tudo tem acontecido na propriedade da família, em Northamptonshire, onde a princesa está sepultada e que reaberta aos visitantes no verão. Aí, e durante alguns dos dias de visitas, Charles Spencer tem um stand para dar autógrafos a todos os que adquirem a obra no local.

Quem compra os produtos na loja online da Althorp pode incluir, na encomenda, um dedicatória pessoal a um nome à sua escolha.

A casa em que Diana cresceu com os irmãos esteve aberta entre julho e agosto de maneira extraordinária, para assinalar mais um aniversário da morte da “Princesa do Povo”. Além das exposições e algumas salas já visitáveis, os interessados puderam conhecer, por exemplo, o quarto de Diana. Ainda assim, a ilha e o túmulo onde está enterrada Diana de Gales mantiveram-se inacessíveis.

Diana Spencer tornou-se princesa ao casar aos 20 anos com o príncipe Carlos, em 1981. Do casamento nasceram dois filhos, William e Harry. Conhecida como a “princesa do povo” pela sua enorme popularidade, dedicou grande parte da sua vida a trabalhos humanitários. As imagens do seu funeral foram transmitidas em direto na televisão e acompanhadas por cerca de 2,5 mil milhões de pessoas.

O divórcio chegou em 1996. Exatamente um ano e três dias depois, a 31 de agosto de 1997, aconteceu a tragédia: Diana morreu num acidente de carro, no túnel da Ponte de l’Alma em Paris, França, enquanto fugia dos paparazzi. Com ela estava o namorado, Dodi Al-Fayed, com o motorista e o guarda-costas, o único sobrevivente do desastre.

A causa oficial do acidente, até hoje, continua a ser a intoxicação do condutor e o facto de Diana não ter colocado o cinto de segurança no carro.

Mesmo assim, em 2008, uma nova investigação britânica descobriu que os paparazzi que estavam a perseguir o carro do hotel Ritz até o apartamento de Al-Fayed, juntamente com o motorista, foram os culpados do acidente.

O legista determinou que a morte tinha sido um acidente. Para aquelas investigações, nas quais foram investidos três milhões de libras, as autoridades examinaram o Mercedes do Al-Fayed, visitaram a Ponte da Alma e reuniram cerca de 1.500 declarações de testemunhas e 20 mil documentos. As conclusões foram claras: a morte de Lady Di foi um acidente.

Ainda assim, há quem questione se foi verdadeiramente um acidente.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O irmão de Diana faz de tudo para manter o otimo nome dela em ações saudáveis. Ele teve a casa e te q vem dela. Justíssimo que levante dinheiro uma vez q ele é o tutor da casa e de mtas questões dela. Ele tem autorização para fazer o que for melhor em Nome de Diana

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …