Irão começará a enriquecer urânio a um nível proibido “nas próximas horas”

(h) rouhani.ir

O presidente do Irão, Hassan Rohani

O Irão confirmou este domingo que começará “nas próximas horas” a enriquecer urânio a um nível proibido pelo acordo sobre o seu programa nuclear, concluído em 2015, desafiando a comunidade internacional.

O Irão começará a enriquecer urânio a um nível proibido. “Em poucas horas”, que será o tempo para acertar alguns detalhes técnicos, o Irão retomará o enriquecimento de urânio a uma taxa superior a 3,67%, disse aos jornalistas Behrouz Kamalvandi, porta-voz da Organização Iraniana de Energia Atómica (OIEA), sem especificar a nova taxa a que o Irão pretende enriquecer este metal radioativo.

Teerão ameaçou ainda livrar-se de outras obrigações em matéria nuclear nos próximos “60 dias”, a menos que uma outra solução seja encontrada, com os seus parceiros do acordo sobre o programa nuclear iraniano, para responder às suas exigências.

“Nós esperamos que possamos encontrar outra solução, caso contrário, daqui a 60 dias iniciaremos a terceira etapa” do plano de redução dos compromissos assumidos pelo Irão relativamente a este acordo, concluído em Viena, em 2015, disse à imprensa Abbas Araghchi, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros.

O enriquecimento de urânio pelo Irão é fortemente contestado pela comunidade internacional, nomeadamente pelos Estados Unidos, União Europeia, China e Rússia.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AEIA) anunciou que uma reunião extraordinária terá lugar em 10 de julho, a pedido dos Estados Unidos, para analisar as revogações ao acordo anunciadas pelo Irão.

Com estas decisões, o Governo iraniano pretende responder à decisão anunciada em maio de 2018 pelo presidente norte-americano, Donald Trump, de sair unilateralmente deste pacto e de restabelecer as sanções dos EUA contra o Irão, que tinham sido suspensas com o cumprimento do acordo por Teerão.

O acordo de Viena foi concluído entre o Irão e o grupo dos seis (China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha), após 12 anos de crise à volta do programa nuclear iraniano.

Segundo o documento, o Irão compromete-se a não se dotar de bomba atómica e a limitar drasticamente as suas atividades nucleares em troca do levantamento de sanções internacionais que asfixiavam a sua economia.

Trump justificou a saída deste pacto ao acusar o Irão de nunca ter renunciado a dotar-se de uma arma atómica (enquanto Teerão sempre desmentiu esta acusação) e de ser a origem de todos os problemas no Médio Oriente.

As novas sanções dos Estados Unidos, desde agosto de 2018, fizeram fugir do Irão as empresas estrangeiras que tinham regressado após o acordo, fazendo cair a economia iraniana numa grave recessão.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Análises negativas a dois passageiros do navio Westerdam que chegaram a Lisboa

Dois residentes em Portugal que eram passageiros do navio MS Westerdam, que esteve atracado no Camboja, foram submetidos a análises laboratoriais para o novo coronavírus e os resultados foram negativos. Num comunicado divulgado hoje no seu …

Morreu o escritor Vasco Pulido Valente

O escritor e cronista morreu, esta sexta-feira, aos 78 anos de idade, em Lisboa. O Público, jornal no qual foi cronista desde a sua fundação, confirmou junto de fonte familiar que Vasco Pulido Valente morreu, esta …

Tribunal autoriza Tesla a derrubar floresta na Alemanha para construir fábrica

A justiça alemã permitiu à Tesla, empresa liderada por Elon Musk, destruir 92 hectares na Alemanha para construir uma fábrica de grandes dimensões. Esta será a sua primeira fábrica na Europa. Como informou o Deutsche Welle, citado …

Covid-19. Autocarros com ucranianos retirados da China recebidos à pedrada

Dezenas de manifestantes envolveram-se em confrontos com a polícia, esta quinta-feira, numa localidade no centro da Ucrânia, onde 70 pessoas vão ficar sob quarentena depois de terem regressado da China. Com receio da propagação do Covid-19, …

Músicos estrangeiros precisarão de visto e de poupanças para tocar no Reino Unido

A partir de 2021, os músicos estrangeiros que pretendam atuar no Reino Unido precisarão de visto. Três meses antes de submeterem o pedido, terão também de provar que têm 1000 libras (1180 euros) em poupanças, …

Tribunal Supremo Eleitoral recusa candidatura de Evo Morales ao Senado

O ex-Presidente da Bolívia considerou "um golpe contra a democracia" a decisão do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) de recusar a sua candidatura a senador nas eleições de maio. "A decisão do Tribunal Supremo Eleitoral é um …

Juízes exigem sindicância urgente ao sorteio na Relação de Lisboa

A Associação Sindical dos Juízes (ASJP) exigiu, esta sexta-feira, ao Conselho Superior da Magistratura (CSM) uma "sindicância urgente" aos procedimentos de distribuição de processos no Tribunal da Relação de Lisboa. A posição da Associação Sindical dos Juízes …

Deputado do PSD que avançou com proposta de referendo à eutanásia acabou a assumir alcoolismo

Pedro Rodrigues, deputado social-democrata e antigo líder da JSD, assumiu publicamente, através do Facebook, ter um problema de alcoolismo. Num texto publicado no Facebook, o social-democrata explica que faz esta revelação por estar a ser vítima …

Morreu doente que parou o Parlamento para pedir tratamento para a hepatite C

José Carlos Saldanha ficou conhecido, há cinco anos, por interromper o ministro da Saúde numa sessão do Parlamento para pedir tratamento para a hepatite C. A informação foi confirmada à agência Lusa por fonte oficial do …

Com dívidas ao Fisco, cavaleiro João Moura "sem dinheiro" para alimentar cães. Arrisca 2 anos de prisão

O cavaleiro João Moura está acusado do crime de maus-tratos e abandono de animais depois de lhe terem sido retirados 18 cães galgos, em aparente estado de subnutrição. Um dos animais acabou por morrer, pelo …