Investigadores admitem abstenção recorde entre os 60% e 70%

As presidenciais de domingo podem registar uma abstenção recorde, entre os 60% e os 70%, devido ao medo da pandemia de covid-19, ao desinteresse dos eleitores e por haver um candidato favorito, segundo especialistas ouvidos pela Lusa.

Carlos Jalali, professor de Ciência Política da Universidade de Aveiro, e Pedro Magalhães, sociólogo e investigador principal do Instituto de Ciências Sociais (ICS – Universidade de Lisboa), concordam que o efeito covid-19 é imprevisível e muito difícil de medir e antecipar, utilizando argumentos e dados complementares.

“A grande incerteza será o efeito da pandemia sobre o voto”, admitiu, à Lusa, Carlos Jalali, que estudou várias tendências, “modelos” nos últimos anos e descreve o que é o efeito “iô-iô”: quando há eleições em que os presidentes se recandidatam, a abstenção sobe e desce nas seguintes, cinco anos depois, quando há maior disputa.

As presidenciais em que Mário Soares foi reeleito em 1991 “tiveram a abstenção mais alta até essa altura”, mas esse recorde foi depois “ultrapassado em 2001”, na reeleição de Jorge Sampaio, e “ultrapassado novamente em 2011, na eleição que reconduziu Cavaco Silva” em Belém, descreveu.

Além disso, desde 1991 que, em eleições em que o Presidente se recandidata, que “o número de votantes diminui em média cerca de um milhão relativamente à eleição anterior”, acrescentou.

“Se nesta eleição se reproduzisse essa média, a abstenção oficial seria ligeiramente acima dos 65%”, afirmou ainda o professor da Universidade de Aveiro, que tem estudado comportamento eleitoral dos portugueses.

Mais um fator a ter em conta é o efeito do recenseamento automático dos portugueses do estrangeiro, desde 2018, que pode fazer aumentar a abstenção em 5,1 pontos percentuais, para os 56,4% relativamente a 2016, partindo do pressuposto que os eleitores, em Portugal e “lá fora”, mantinham o mesmo comportamento.

Outra forma de compreender o comportamento do eleitorado é “modelizar” com base no “número de votantes mínimo” em eleições em Portugal.

“Se o número de votantes for igual ao das eleições menos participadas dos últimos 10 anos (contando aqui todas as eleições nacionais, presidenciais, legislativas, europeias e autárquicas), em que votaram ligeiramente menos de 3,3 milhões de votantes, a abstenção oficial nestas presidenciais seria de 70%”, disse ainda Carlos Jalali em respostas, por escrito, a questões feitas pela Lusa.

Jalali avisa, porém, que estes “valores não são previsões de abstenção”, mas sim “modelizações com base em padrões anteriores”, deixando mais uma advertência.

“O passado não determina o futuro. Caso fossemos eternos prisioneiros do passado, Portugal não seria agora uma democracia e não estaríamos agora a falar de sobre eleições presidenciais por sufrágio universal, em eleições livres e justas”, justificou.

Pedro Magalhães, sociólogo e investigador do ICS, com investigações na área da abstenção, tem uma opinião e explicações idênticas e admite ser “muito provável” que o valor dos eleitores a ficar em casa atinja um recorde, e apresenta quatro razões.

Em Portugal, argumentou, há “cada vez menos pessoas” a participar em eleições e é preciso recuar até às presidenciais de 2006 para se encontrar uma eleição com mais de cinco milhões de portugueses.

O segundo é o recenseamento automático dos eleitores no estrangeiro, uma “medida positiva”, por dar “uma estimativa mais realista de quem vota entre o real universo” de eleitores, mas que “revela mais abstenção”.

“O terceiro fator é o facto de eleitores e políticos darem menos importância a eleições onde o Presidente é candidato e claro favorito. São eleições menos mobilizadoras e onde os próprios partidos e candidatos fazem menos esforços para mobilizar os eleitores”, disse Pedro Magalhães, em respostas por escrito a perguntas da Lusa.

O “quarto e último fator” é a pandemia em que vivem Portugal e o mundo, e “os receios e obstáculos que isso coloca à participação”, concluiu.

Carlos Jalali afirma que “o efeito da pandemia quase certamente irá sobrepor-se” aos outros fatores, e que “é difícil antever” o seu efeito sobre o voto nas presidenciais.

No início de janeiro, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) lançou uma campanha intitulada “Votar é seguro”, tão seguro como “uma ida às compras ou ao café”, esperando que a pandemia de covid-19 não seja “mais uma desculpa” para não votar.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para 24 de janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Os jornais e o país inteiro têm levado Marcelo ao colo. Marcelo cúmplice dos lobbys e da corrupção que reina em Portugal pois tem sido conivente com muita coisa e não devia. Face à pandemia e como responsável máximo do país a sua actuação foi um desastre.
    Continuar a manter este homem como presidente é uma oportunidade que Portugal desperdiça para evoluir e mudar de rumo. Não há só Ventura nem Marcelo há mais candidatos para votar.

RESPONDER

CNE recebeu queixas de cidadãos contra Costa por usar PRR em campanha

A Comissão Nacional de Eleições já recebeu queixas de cidadãos contra António Costa pela utilização do PRR nos discursos de campanha. A Comissão Nacional de Eleições (CNE) já recebeu cerca de meia dúzia de queixas de …

Joe Biden afirma que EUA estão "de volta" às Nações Unidas

"Os Estados Unidos estão de volta" às Nações Unidas, afirmou, na segunda-feira, o Presidente dos Estados Unidos. "Os Estados Unidos estão de volta. Acreditamos nas Nações Unidas e nos seus valores", disse Joe Biden após …

Portugal regista mais 11 mortes e 780 casos de covid-19

Portugal registou, esta terça-feira, 780 novos casos e 11 mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Pandemia já matou quase tantos norte-americanos como a gripe espanhola

A covid-19 já matou quase tantos norte-americanos, no último ano e meio, como a gripe espanhola, entre 1918 e 1919, de acordo com dados esta terça-feira divulgados pela Universidade Johns Hopkins. Embora o aumento das novas …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: A sexta, a bonança e um festival de juventude

O pleno das águias, o regresso do campeão às vitórias e um dragão jovem com chama alta. As frases e os números da semana. Visto da Linha de Fundo. A prática de Darwin SL Benfica 3 …

Autoeuropa retoma hoje produção após paragem face à crise dos semicondutores

Falta de semicondutores tem sido uma constante, apesar da melhora da situação pandémica, face ao atraso dos países asiáticos no que concerne à vacinação, o que obriga à paragem das fábricas responsáveis pelo fabrico das …

Os smartphones avariam mal acaba a garantia? Portugal e a UE estão a lutar contra a obsolescência programada

As empresas criam os telemóveis para avariarem pouco depois de acabar a garantia - mas a União Europeia e várias associações estão a lutar contra o desperdício e a tentar proteger os direitos do consumidor. É …

Lava do vulcão de La Palma está a escorrer em direção ao mar aumentando o risco de gases tóxicos

O vulcão Cumbre Vieja na ilha de La Palma, nas Canárias, que entrou em erupção no domingo, tem uma nova boca eruptiva, o que obrigou a evacuar mais habitações, informaram as autoridades. De acordo como Plano …

Adesão ao IVAucher quase duplicou no último mês - mas restauração quer mais medidas

No último mês, quase duplicou o número de contribuintes que se inscreveu no programa que permitirá rebater os descontos acumulados no âmbito da iniciativa IVAucher. De acordo com o Jornal de Notícias, a 23 de agosto, …

Tribunal Europeu dos Direitos Humanos culpa Rússia pelo assassinato de Alexander Litvinenko

Decisão remonta ao incidente de novembro de 2006, que ocorreu num hotel londrino, seis anos após o dissidente político se ter mudado para o Reino Unido, precisamente para fugir às ameaças do regime de Vladimir …