Falta de diálogo e doentes a entupir urgências. Inverno está quase a bater à porta (e já assusta os hospitais)

Giuseppe Lami / EPA

O inverno está quase a bater à porta e há problemas estruturais a assustar os hospitais do país, entre os quais a falta de diálogo com o SNS24 e os centros de saúde.

Os hospitais nacionais estão já a preparar-se para o inverno tenso que se avizinha. É o caso do Hospital de São João, no Porto, que terá um serviço de urgência, no final de outubro, munido com o dobro da dimensão e das boxes de separação de doentes. Também o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho terá, na mesma altura, um novo serviço de urgência com todas as valências que uma pandemia exige.

No entanto, avança o Expresso, há mudanças estruturais necessárias extrínsecas e os hospitais apelam ao poder central para uma melhor articulação com as entidades que referenciam doentes para as urgências – o INEM, os cuidados de saúde primários e o SNS24.

“Tem de haver um diálogo profícuo entre estas entidades e devo dizer que ele não existe. A rede hospitalar não consegue falar com o SNS24, não temos um interlocutor”, denunciou Nelson Pereira, coordenador da equipa de urgência covid-19 do São João.

As admissões são feitas a partir de um sistema informático que informa os hospitais das entradas, “só que diariamente encontramos disfunções de vários níveis, sejam doentes que vêm e que não precisavam do nosso nível de cuidados, ou que não são dos nossos centros de saúde”, acrescentou o responsável.

A juntar-se a este problema há ainda a falta de coordenação entre as urgências hospitalares e os cuidados de saúde primários, uma vez que vários doentes “que tentam chegar aos cuidados de saúde primários batem com o nariz na porta e não têm outra escolha que não seja a de vir ao serviço de urgência”.

O semanário adianta que já houve várias tentativas para resolver este problema, entre as quais o plano experimental de reencaminhar os pacientes para uma consulta, com hora marcada, no prazo de 24 horas, no seu centro de saúde. A experiência começou no Hospital de Barcelos.

“Sabemos que está a haver uma iniciativa legislativa no sentido de generalizar este processo ao todo nacional e é uma mais-valia, mas infelizmente não tem tido o sucesso que nós gostaríamos”, admitiu Nelson Pereira ao Expresso, adiantando que mais de 95% dos doentes não aceitam serem atendidos num centro de saúde.

Rui Guimarães, presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Eduardo Santos Silva, em Vila Nova de Gaia, revelou que, quando implementou pela primeira vez a medida em Barcelos, “se este número não foi 95% há-de ter andado lá perto”. No entanto, a experiência, com o tempo, revelou-se frutífera.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. (e já assusta os hospitais) e possíveis doentes também, para além certamente dos profissionais de saúde que têm que estar na linha da frente, tudo será resolvido como habitualmente, empurrar de uns para outros e promessas jamais cumpridas sem soluções à vista.

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …