Instagram é a rede social mais prejudicial à saúde mental dos jovens

Um estudo revelou que o Instagram é a rede social que mais prejudica a saúde mental dos seus utilizadores, especialmente os mais jovens . Os resultados apontam que quem frequenta esta rede social tem mais distúrbios de sono, descontentamento com a própria imagem e o medo de perder alguma coisa.

O estudo foi feito pela Sociedade Real para Saúde Pública, do Reino Unido, e tinha por objetivo saber qual a rede social que tem maior impacto na saúde mental dos jovens, em questões como aceitação do corpo, ansiedade e solidão. E essa rede é o Instagram.

O questionário criado pelos investigadores mostrou que a aplicação de partilha de imagens afeta de forma negativa o sono, a perceção do corpo e o ‘fear of missing out’ (qualquer coisa como o ‘medo de perder alguma coisa’) dos usuários britânicos, principalmente mais jovens. A necessidade de estar sempre online para acompanhar as publicações dos amigos pode ser extremamente prejudicial, levando a comparações irreais, ansiedade e depressão.

Nesta pesquisa, 1.500 jovens britânicos, entre os 14 e os 24 anos, avaliaram como as plataformas de redes sociais que usavam impactavam questões como depressão, ansiedade, solidão e o senso de comunidade. O site com mais respostas positivas foi o YouTube, seguido pelo Twitter e Facebook. Já os aplicativos Snapchat e Instagram foram considerados os piores nestes quesitos.

Um problema presente em quase todas as redes foi o vício no uso das redes, que pode estimular a insónia. Só o Instagram tem 500 milhões de usuários ativos e mais de 95 milhões de fotos postadas e 3,5 mil milhões de gostos, diariamente.

“É interessante como o Instagram e o Snapchat, ambos focados no culto à imagem, foram indicados como os piores para a saúde mental e bem-estar. Parecem estar mais ligados ao sentimento de inadequação e ansiedade entre os mais jovens”, explicou Shirley Cramer, chefe executiva da Sociedade Real para Saúde Pública, ao Telegraph.

Um dos participantes do questionário apontou a constante preocupação com o que os outros pensam sobre as suas fotos e posts. Outro entrevistado contou também que passa muito tempo nas redes e acaba por perder o sono, atividades escolares e até oportunidades de sair com amigos e familiares.

“As plataformas que deveriam ajudar as pessoas a conectarem-se com outras podem, na verdade, estar a alimentar uma crise na saúde mental”, disse a equipa de pesquisa em comunicado.

Apesar disso, 1.479 dos jovens disseram que o Instagram também promove formas de expressão e a busca pela identidade pessoal, assim como Twitter e YouTube. O site de partilha de vídeos foi classificado como um meio para aumentar a consciencialização dos jovens. Já o Facebook foi listado como um importante meio para a busca de apoio emocional e coletividade.

Segundo Becky Inkster, investigadora honorária da Universidade de Cambridge, jovens e adolescentes sentem a necessidade de se sentirem confortáveis ao falarem sobre problemas pessoais e acabam por recorrer às redes sociais e ambientes online. “Como profissionais da saúde, precisamos de fazer todas as tentativas para entender as expressões, os léxicos e os termos da cultura da juventude moderna para melhor se conectar com os seus pensamentos e sentimentos”, explicou ao jornal.

Segundo o estudo, sete em cada dez dos jovens entrevistados acham importante que as redes sociais, como o Twitter e o Facebook, apresentem algum suporte sobre o assunto. No entanto, os alertas atuais são bastante discretos.

Em relatório, os especialistas sugeririam que os sites em questão procurassem alertar os utilizadores sobre os riscos relacionados com o comportamento e acesso constante, considerado vicioso, e ajudá-los a procurar ajuda, caso demonstre perigo à saúde mental.

“Alguns estudos já mostraram que as redes sociais podem ser tão viciantes quanto o cigarro e o álcool, e hoje elas são tão intrínsecas na vida dos jovens que é impossível ignorar os problemas que causam à saúde das pessoas”, disse Shirley.

De acordo com um porta-voz da ONG britânica Mental Health Foundation, essa é uma área que precisa de mais estudos. “Comparar-se com os outros é um problema ainda maior quando é a partir de publicações nas redes sociais, envolve comparar o irreal com a vida real”, disse ao Daily Mail.

// Move

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. As redes sociais são a muleta dos coxos mentais que precisam de atenção. Isolam-se do mundo real desconfortável para procurar um conforto artificial de “amigos” que “gostam” deles. A vida é dura, tirem o cu da cama e ponham os pés no chão.

Responder a ze Cancelar resposta

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …