Instagram é a rede social mais prejudicial à saúde mental dos jovens

Um estudo revelou que o Instagram é a rede social que mais prejudica a saúde mental dos seus utilizadores, especialmente os mais jovens . Os resultados apontam que quem frequenta esta rede social tem mais distúrbios de sono, descontentamento com a própria imagem e o medo de perder alguma coisa.

O estudo foi feito pela Sociedade Real para Saúde Pública, do Reino Unido, e tinha por objetivo saber qual a rede social que tem maior impacto na saúde mental dos jovens, em questões como aceitação do corpo, ansiedade e solidão. E essa rede é o Instagram.

O questionário criado pelos investigadores mostrou que a aplicação de partilha de imagens afeta de forma negativa o sono, a perceção do corpo e o ‘fear of missing out’ (qualquer coisa como o ‘medo de perder alguma coisa’) dos usuários britânicos, principalmente mais jovens. A necessidade de estar sempre online para acompanhar as publicações dos amigos pode ser extremamente prejudicial, levando a comparações irreais, ansiedade e depressão.

Nesta pesquisa, 1.500 jovens britânicos, entre os 14 e os 24 anos, avaliaram como as plataformas de redes sociais que usavam impactavam questões como depressão, ansiedade, solidão e o senso de comunidade. O site com mais respostas positivas foi o YouTube, seguido pelo Twitter e Facebook. Já os aplicativos Snapchat e Instagram foram considerados os piores nestes quesitos.

Um problema presente em quase todas as redes foi o vício no uso das redes, que pode estimular a insónia. Só o Instagram tem 500 milhões de usuários ativos e mais de 95 milhões de fotos postadas e 3,5 mil milhões de gostos, diariamente.

“É interessante como o Instagram e o Snapchat, ambos focados no culto à imagem, foram indicados como os piores para a saúde mental e bem-estar. Parecem estar mais ligados ao sentimento de inadequação e ansiedade entre os mais jovens”, explicou Shirley Cramer, chefe executiva da Sociedade Real para Saúde Pública, ao Telegraph.

Um dos participantes do questionário apontou a constante preocupação com o que os outros pensam sobre as suas fotos e posts. Outro entrevistado contou também que passa muito tempo nas redes e acaba por perder o sono, atividades escolares e até oportunidades de sair com amigos e familiares.

“As plataformas que deveriam ajudar as pessoas a conectarem-se com outras podem, na verdade, estar a alimentar uma crise na saúde mental”, disse a equipa de pesquisa em comunicado.

Apesar disso, 1.479 dos jovens disseram que o Instagram também promove formas de expressão e a busca pela identidade pessoal, assim como Twitter e YouTube. O site de partilha de vídeos foi classificado como um meio para aumentar a consciencialização dos jovens. Já o Facebook foi listado como um importante meio para a busca de apoio emocional e coletividade.

Segundo Becky Inkster, investigadora honorária da Universidade de Cambridge, jovens e adolescentes sentem a necessidade de se sentirem confortáveis ao falarem sobre problemas pessoais e acabam por recorrer às redes sociais e ambientes online. “Como profissionais da saúde, precisamos de fazer todas as tentativas para entender as expressões, os léxicos e os termos da cultura da juventude moderna para melhor se conectar com os seus pensamentos e sentimentos”, explicou ao jornal.

Segundo o estudo, sete em cada dez dos jovens entrevistados acham importante que as redes sociais, como o Twitter e o Facebook, apresentem algum suporte sobre o assunto. No entanto, os alertas atuais são bastante discretos.

Em relatório, os especialistas sugeririam que os sites em questão procurassem alertar os utilizadores sobre os riscos relacionados com o comportamento e acesso constante, considerado vicioso, e ajudá-los a procurar ajuda, caso demonstre perigo à saúde mental.

“Alguns estudos já mostraram que as redes sociais podem ser tão viciantes quanto o cigarro e o álcool, e hoje elas são tão intrínsecas na vida dos jovens que é impossível ignorar os problemas que causam à saúde das pessoas”, disse Shirley.

De acordo com um porta-voz da ONG britânica Mental Health Foundation, essa é uma área que precisa de mais estudos. “Comparar-se com os outros é um problema ainda maior quando é a partir de publicações nas redes sociais, envolve comparar o irreal com a vida real”, disse ao Daily Mail.

// Move

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. As redes sociais são a muleta dos coxos mentais que precisam de atenção. Isolam-se do mundo real desconfortável para procurar um conforto artificial de “amigos” que “gostam” deles. A vida é dura, tirem o cu da cama e ponham os pés no chão.

RESPONDER

Elon Musk alerta: Civilização pode colapsar daqui a 30 anos

De acordo com Elon Musk, uma "bomba populacional" vai surgir nas próximas décadas, quando uma população mundial cada vez mais idosa chocar com a queda das taxas de natalidade em todo o mundo. Esta não é …

O mundo árabe está menos religioso. Mas continua homofóbico

Há cada vez mais árabes que dizem não ter religião. Esta é a principal conclusão de uma grande sondagem feita a mais de 25 mil cidadãos de países árabes pelo centro de pesquisa Arab Network …

Tina morreu durante 27 minutos e foi ressuscitada 8 vezes. Quando acordou, escreveu "é real"

Uma mulher norte-americana entrou em paragem cardíaca em fevereiro de 2018 quando se preparava para fazer uma caminhada com o seu marido Brian. Depois de desmaiar, Brian ressuscitando-a duas vezes antes de os paramédicos chegarem para …

"Homem-árvore" pede que as suas mãos sejam amputadas

Abul Bajandar, um homem de 28 anos do Bangladesh conhecido como "Homem-árvore" devido às incomuns verrugas que nascem nos seus membros, pediu que as suas mãos fossem amputadas para aliviar as dores insuportáveis.  Bajandar sofre de …

EUA. Senadores republicanos do Oregon fogem para não aprovar lei ambiental

Senadores estaduais do Oregon, nos Estados Unidos (EUA), encontram-se a monte desde quinta-feira para não votarem uma lei ambiental. Procurados pela polícia, voltaram este domingo a faltar a uma sessão legislativa, impedindo que haja quórum …

O planeta enfrenta um "apartheid climático"

O planeta está confrontado com um “'apartheid' climático”. De um lado, os ricos que se podem adaptar melhor às alterações climáticas, e do outro, os pobres que vão sofrer mais, disse esta segunda-feira um especialista …

Governo repõe 40 horas semanais para trabalhadores do CNB. Greve mantém-se

A partir de 1 de julho, os trabalhadores da Companhia Nacional de Bailado (CNB) voltarão às 40 horas semanais, numa uniformização laboral com os trabalhadores do Teatro Nacional de São Carlos. A decisão foi comunicada, esta …

Nova espécie de planta fóssil descoberta em Gondomar

Annularia noronhai foi encontrada no meio da cidade de Gondomar. Tem 300 milhões de anos, é um parente muito afastado da cavalinha e diz muito sobre o clima da época. Uma nova espécie de planta já …

Há um ano, 12 jovens ficaram presos numa caverna da Tailândia. Hoje, é um local turístico

Há um ano, 11 meninos foram explorar a província de Chiang Rai, na Tailândia, com o seu treinador de futebol, e acabaram presos no fundo de uma caverna sob uma montanha. Depois de terminar o …

Alemães compraram toda a cerveja de Ostritz para "secar" neonazis

Os habitantes de Ostritz, na Alemanha, impediram os participantes de um festival neonazi de beber álcool, esvaziando todas as prateleiras dos supermercados. Num protesto inédito contra a comemoração do aniversário de Hitler naquela localidade, os habitantes  …