Inquérito gera polémica. Assunção Cristas atira-se ao Governo de Costa

Estela Silva / Lusa

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas

A presidente do CDS-PP defendeu que António Costa “governa para a imagem”, fazendo lembrar “o tempo das crianças figurantes”, e questionou apelos a consensos quando o executivo dinamita “pontes de diálogo” e revela sectarismo na recusa das propostas centristas.

“Venham-me cá falar de consensos”, afirmou Assunção Cristas, argumentando que o executivo “é o primeiro a quebrar consensos alcançados – como no IRC -, é o primeiro a dinamitar quaisquer pontes de diálogo quando falta à verdade, quando revela sectarismo” na recusa de propostas de alteração ao Orçamento do Estado.

Na intervenção de encerramento da ‘escola de quadros’ da Juventude Popular, em Peniche (distrito de Leiria), a líder centrista procurou colar o Governo de António Costa ao de José Sócrates, sem nunca nomear o antigo primeiro-ministro socialista, em dois traços: o “governar para a imagem” e a má reação à crítica.

“É o Governo que governa para a imagem, para a fotografia, para a propaganda, custe o que custar”, acusou, dizendo que o executivo que cumpre dois anos de legislatura “paga com dinheiro dos contribuintes, parece que agora sob a forma de vales de compras, avaliações sobre a sua performance e perguntas ao Governo, fazendo lembrar os tempos das crianças contratadas como figurantes”.

Cristas referia-se ao inquérito quantitativo de avaliação ao segundo ano do Governo, organizado pela Universidade de Aveiro, sob coordenação do professor Carlos Jalali, para o qual os participantes terão sido pagos, conforme revelou o semanário Sol. O jornal online Observador noticiou, entretanto, que o pagamento foi feito em vales de compras.

Para Assunção Cristas, o executivo de António Costa também “não sabe reagir na dificuldade e na tragédia, é o Governo que convive mal com a crítica”. “Onde há política, vê ataque numa de ‘quem não está connosco está contra o país’. Onde é que já vimos isto? O que é que isto nos faz lembrar?”, interrogou-se.

A líder centrista acusou o Governo de “falta de seriedade e honestidade política”, ao chamar a si “tudo o que corre bem”, como a onda de turismo e a ‘Websummit’, enquanto “descarta para outros o que corre mal”. “Veja-se o caso do jantar no Panteão Nacional, que mais uma vez revelou a falta de caráter do primeiro-ministro”, disse.

Assunção Cristas argumentou que o Governo está “refém da estratégia umbiguista do primeiro-ministro” – uma “estratégia de vistas curtas, baseada no poder pelo poder” -, revelando “sinais de arrogância democrática e desorientação política”.

A presidente do CDS anunciou que, à semelhança do que fez na campanha em Lisboa, irá pedir contributos aos portugueses para construir o programa eleitoral do CDS para as próximas eleições legislativas.

Depois da carta enviada aos lisboetas, desta vez a missiva será entregue em mão e para tal pediu a colaboração do partido e da Juventude Popular, a quem agradeceu o contributo na campanha de Lisboa, da qual aproveitou também o ciclo de conferências com independentes “Ouvir Lisboa”, agora transformadas em “Ouvir Portugal”.

No encerramento da ‘escola de quadros’ dos jovens do CDS, o seu diretor, Diogo Feio, criticou igualmente o pagamento aos cidadãos que participam no estudo da Universidade de Aveiro: “Este Governo disse que não há dinheiro para vales em educação, mas há dinheiro para vales de compras”.

O líder da JP, Francisco Rodrigues dos Santos, anunciou que a estrutura ultrapassou a “marca dos 20 mil filiados” e comprometeu-se a colaborar na “consagração do CDS como partido autónomo de Governo, com a Assunção Cristas a liderar”.

A referência à procura de consensos por parte do Governo feita por Assunção Cristas acontece no dia em que o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, afirmou, numa entrevista ao Público, que o executivo não se fecha na atual maioria de esquerda e “em matérias estruturantes” vai procurar o PSD e o CDS.

“Não temos nas nossas posições conjuntas nenhuma norma que diga ‘o PS está proibido de falar com o PSD e o CDS’. Não está e tem essa vontade em matérias estruturantes”, defendeu Pedro Nuno Santos.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O Sol e o Observador dizem que foi… É porque é verdade! Alguém aqui põe em causa a seriedade e credibilidade de jornais com uma qualidade e profissionalismo inegualável?

RESPONDER

"Tofu nunca causou uma pandemia", publica PETA em outdoors

A organização de direitos dos animais PETA está a incentivar os norte-americanos a experimentar tofu, através de anúncios em 'outdoors' nos Estados Unidos (EUA) onde defendem que o produto de soja "nunca causou uma pandemia". A …

Portugueses estão menos preocupados com a pandemia, mas apreensivos com a economia

O grau de preocupação com a pandemia diminuiu de 80,9% durante o estado de emergência para 76,2% no estado de calamidade, mas os portugueses estão mais alerta quanto ao impacto na economia, conclui um inquérito …

Nova morte, saqueamentos e protestos. Minneapolis vive caos após homicídio de George Floyd

Um homem foi encontrado morto a tiro, na madrugada de hoje, suspeito de ter sido vítima dos protestos, em Minneapolis, contra a morte de um homem negro sob custódia policial. Durante a noite de quarta-feira, milhares …

Filho de Deeney tem problemas respiratórios. Jogador foi alvo de abusos por recusar treinar

O futebolista Troy Deeney, capitão do Watford, revelou que tem sido alvo de abusos e comentários depreciativos, por ter recusado voltar aos treinos, face aos problemas respiratórios do seu filho. “Vi comentários em relação ao meu …

Parlamento aprova alargamento de apoios a todos os sócios-gerentes afetados pela pandemia

O parlamento aprovou hoje, em votação final global, um texto final que alarga os apoios no âmbito do `layoff´ aos sócios-gerentes das micro e pequenas empresas afetadas pela pandemia covid-19, independentemente do volume de faturação. Com …

Pandemia de covid-19 alimenta corrupção na América Latina

A propagação da Covid-19 na América Latina está a alimentar a corrupção nos vários países que a integram, que vai desde a inflação dos preços a situações de aproveitamento económico e de ligações entre políticos …

Mais de 500 católicos portugueses contra proibição de comunhão na boca

Mais de 500 católicos portugueses, entre leigos e sacerdotes, apelaram à Conferência Episcopal Portuguesa para revogar a proibição de os fiéis receberem a comunhão na boca, por causa da pandemia de covid-19, informou na quarta-feira …

Adeptos recusam devolução dos bilhetes. Bayern distribui dinheiro por clubes amadores

Os adeptos do Bayern renunciaram ao direito de serem reembolsados pelos bilhetes comprados para os jogos até ao final da temporada. O clube decidiu distribuir o dinheiro pelos emblemas amadores da região da Baviera. Tal como …

Trabalhadores acusam TAP de pagar abaixo do salário mínimo a tripulantes em lay-off

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou hoje a TAP de não estar a pagar o previsto na lei do ‘lay-off’, indicando vários casos em que a remuneração é inferior …

Tesla baixa preço de quase todos os modelos nos Estados Unidos

A empresa de carros elétricos Tesla baixou o preço dos Modelos 3, S e X no mercado norte-americano, visando estimular as vendas que estão em declínio durante a pandemia, avança a agência Reuters. O semanário …