Infarmed a favor da venda de medicamentos noutros locais, desde que não vendam tabaco

PhotoXpress

-

O Infarmed é favorável ao alargamento da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica a outros espaços comerciais para além das parafarmácias, mas alerta que nesses estabelecimentos será proibida a venda de tabaco.

“Desde que cumpridos os critérios legalmente definidos, independentemente do espaço onde se pretende a instalação do local de venda de MNSRM [medicamentos não sujeitos a receita médica], será autorizada a comercialização de MNSRM, independentemente da atividade comercial a que se dedique”, esclarece o Infarmed, em resposta a questões enviadas pela Lusa.

A autoridade do medicamento sublinha, contudo, que a legislação aplicável à venda destes medicamentos estabelece “que é proibida a venda de produtos do tabaco nos locais onde se dispensem medicamentos não sujeitos a receita médica”.

A Associação Nacional de Farmácias (ANF) defendeu na terça-feira a comercialização de medicamentos de venda livre em quiosques, bombas de gasolina e cafés, para aumentar o acesso da população aqueles produtos e a concorrência.

Esta ideia foi contestada pela Associação de Farmácias de Portugal (AFP), que alertou para os riscos associados à “banalização” da venda de medicamentos, lembrando que são um produto com características especiais.

A associação considera que tal medida traria “perigos de saúde pública” e questiona a capacidade das autoridades de saúde para garantir as condições de segurança exigidas no acondicionamento e disponibilização dos medicamentos aos cidadãos nestes locais.

O Infarmed clarifica que esses medicamentos estariam sujeitos às mesmas garantias de qualidade que todos os outros que são vendidos em farmácias e parafarmácias, afastando um cenário de risco para a saúde pública.

“Os MNSRM fornecidos fora das farmácias estão sujeitos ao mesmo regime de garantia e fiscalização da qualidade e segurança dos medicamentos que são fornecidos em farmácia” e os locais destinados à venda destes medicamentos estão sujeitos a um registo prévio no INFARMED, bem como o seu titular e responsável técnico estão sujeitos à fiscalização das entidades competentes, explica o Infarmed.

A autoridade do medicamento adianta ainda que só será permitida a comercialização de MNSRM depois de assegurada a sua efetiva segregação e faturação autónoma.

O Infarmed lembra ainda que estes medicamentos têm que estar disponíveis num local especificamente delimitado e apenas afeto à venda destes e de outros produtos de saúde, como acontece em alguns supermercados.

/Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “PERIGO – Irresponsabilidade na saúde”
    A atual posição da ANF/Associação Nacional das Farmácias, e do Infarmed com a colocação de “Medicamentos não sujeitos a receita médica” em outros locais sem ser as farmácias, as parafarmácias, ou hipermercados, querem agora colocar os medicamentos e, mercearias, cafés, bombas de gasolina, quiosques, e tudo ou todos aqueles que queiram vender medicamentos.
    Esta posição da ANF/Associação Nacional de Farmácias, que há uns anos era contra com a saída dos medicamentos não sujeitos a receita médica das farmácias, vem agora banalizar e incentivar a venda em diversos pontos sem dúvida sem formação para o fazerem, como acontece atualmente em muitos pontos onde atualmente se vendem sem ser nas farmácias, se isso acontecer, temos aqui um grande problema de saúde publica, e porque, porque uma farmácia possui um farmacêutico a dar direção técnica, num dos outros locais basta apenas um técnico, e não é obrigado a estar presente.
    Sou pouco utilizador por exemplo do Pingo Doce, onde vendem medicamentos, mas já assisti por exemplo a o funcionário da caixa que está junto ao armário dos medicamentos, apenas distinguido dos outros por ter uma bata branca, perguntar se não precisa de nenhum, ou seja, parece no mercado quando os peixeiros perguntam se não querem levar um peixinho, isto é uma vergonha.
    Outra das gravidades, será quando alguém solicita um medicamento, ou pede um aconselhamento para algo que tem, qual as perguntas que lhe fazem, um simples exemplo, um xarope para a tosse, será se perguntam se é diabético, se sofre de alguma doença que aquele medicamento que vão aconselhar pode ser tomado, existem anti-inflamatórios de venda livre que apesar das doses serem mais baixas, podem trazer problemas, caso se for um doente renal, por exemplo a aplicação de uma simples pomada, será a mais indicada para o caso, e que por exemplo aplica uma pomada na pele pode ser mais perigoso do que tomar um comprimido, já que uma aplicação na pele tem a absorção total, o comprimido para fazer efeito, vão sendo eliminado até chegar ao sitio certo, será que existe essa preocupação, será que existe preocupação em saber a história do utente, é que na farmácia essas questões são colocadas, na farmácia, os utentes na sua maioria utilizadores assíduos da mesma, quando são atendidos por norma já existe um conhecimento das suas doenças podendo ter um aconselhamento diferente.
    Desta forma exista senso nas decisões a tomar, e para a ANF/Associação Nacional das Farmácias tem obrigação de defender não apenas as farmácias que são suas associadas, que mensalmente cobra as quotas de associado, fica ainda com 2,5% da faturação do receituário que a farmácia faz mensalmente, mas também tem o dever de defender os doentes, e não pode vir com comunicados a dizer que está de acordo com a colocação noutro pontos de venda, porque se trata de medicamentos que podem matar, ou deixar mazelas graves, e medicamentos não são preservativos que se vendem em qualquer lugar.
    Fica o alerta a este perigo, e se for para a frente um dia destes podemos ver a qualquer canto alguém a vender medicamentos não sujeitos a receita medida, nos cafés, nos restaurantes, nos talhos, na peixaria, nos quiosques, nas bombas de gasolina, nos pronto a vestir, até não será espanto se o vendedor de gelados ou das castanhas, tem lá um espacinho para vender medicamentos, já não falo nas lojas chinesas, que possuem tudo e mais alguma coisa.
    Pensem bem !!! Eu até já estou a pensar em arranjar a “Lojinha do Medicamento”, mas vou ter cuidado no que aconselho, já que ao fim de 43 anos que tenho de farmácia, nunca vi tanta vergonha nas barbaridades que se fazem neste país, na maneira desprezada que utilizam os medicamentos, e acima de tudo, na falta de respeito que possuem pelos doentes, e depois vem dizer que é em defesa do mesmo.
    José Morais

RESPONDER

Detetadas "partículas fantasmagóricas" que o Modelo Padrão não pode explicar

O observatório IceCube, localizado no Pólo Sul, revelou que a Antena Antena Antártida de Impulso Transitivo (ANITA) detetou alguns "sinais muito estranhos" que "não pode ser explicados" pelo Modelo Padrão da Física. O projeto ANITA, …

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …

Sporting 0-2 Benfica | Águia vence dérbi e foge na frente

O Benfica foi o grande vencedor do dérbi lisboeta. Na visita ao Sporting, os “encarnados” marcaram dois golos sem resposta, ambos na segunda parte, por Rafa Silva, entrado no decorrer da segunda parte, após ter …

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos e podem levam décadas até pedir ajuda, por nem sempre aceitarem e entenderem que sofreram violência sexual. Na maior parte dos …

"Messiah", da Netflix, reacende controvérsia sobre os limites da liberdade de expressão

A série Messiah, disponível na plataforma de streaming Netflix, acende a controvérsia em torno dos limites da liberdade de expressão e da criatividade no mundo das artes e do entretenimento. Messiah, uma série produzida por Michael …

Quadro encontrado por jardineiro era mesmo a obra desaparecida de Klimt

Em 1997, Retrato de uma Senhora desapareceu da Galeria de Arte Moderna Ricci Oddi, em Piacenza. Em dezembro, o quadro foi descoberto. Estava escondido numa parede da instituição. O quadro encontrado em dezembro, escondido na reentrância …

Terramotos modificaram a geografia de Porto Rico (e a NASA mostra como)

Os terramotos que Porto Rico tem sentido desde dezembro passado, que causaram pelo menos um morto e milhões de dólares em prejuízos, estão também a mudar a geografia desta ilha das Caraíbas. A agência espacial …