Infarmed a favor da venda de medicamentos noutros locais, desde que não vendam tabaco

PhotoXpress

-

O Infarmed é favorável ao alargamento da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica a outros espaços comerciais para além das parafarmácias, mas alerta que nesses estabelecimentos será proibida a venda de tabaco.

“Desde que cumpridos os critérios legalmente definidos, independentemente do espaço onde se pretende a instalação do local de venda de MNSRM [medicamentos não sujeitos a receita médica], será autorizada a comercialização de MNSRM, independentemente da atividade comercial a que se dedique”, esclarece o Infarmed, em resposta a questões enviadas pela Lusa.

A autoridade do medicamento sublinha, contudo, que a legislação aplicável à venda destes medicamentos estabelece “que é proibida a venda de produtos do tabaco nos locais onde se dispensem medicamentos não sujeitos a receita médica”.

A Associação Nacional de Farmácias (ANF) defendeu na terça-feira a comercialização de medicamentos de venda livre em quiosques, bombas de gasolina e cafés, para aumentar o acesso da população aqueles produtos e a concorrência.

Esta ideia foi contestada pela Associação de Farmácias de Portugal (AFP), que alertou para os riscos associados à “banalização” da venda de medicamentos, lembrando que são um produto com características especiais.

A associação considera que tal medida traria “perigos de saúde pública” e questiona a capacidade das autoridades de saúde para garantir as condições de segurança exigidas no acondicionamento e disponibilização dos medicamentos aos cidadãos nestes locais.

O Infarmed clarifica que esses medicamentos estariam sujeitos às mesmas garantias de qualidade que todos os outros que são vendidos em farmácias e parafarmácias, afastando um cenário de risco para a saúde pública.

“Os MNSRM fornecidos fora das farmácias estão sujeitos ao mesmo regime de garantia e fiscalização da qualidade e segurança dos medicamentos que são fornecidos em farmácia” e os locais destinados à venda destes medicamentos estão sujeitos a um registo prévio no INFARMED, bem como o seu titular e responsável técnico estão sujeitos à fiscalização das entidades competentes, explica o Infarmed.

A autoridade do medicamento adianta ainda que só será permitida a comercialização de MNSRM depois de assegurada a sua efetiva segregação e faturação autónoma.

O Infarmed lembra ainda que estes medicamentos têm que estar disponíveis num local especificamente delimitado e apenas afeto à venda destes e de outros produtos de saúde, como acontece em alguns supermercados.

/Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “PERIGO – Irresponsabilidade na saúde”
    A atual posição da ANF/Associação Nacional das Farmácias, e do Infarmed com a colocação de “Medicamentos não sujeitos a receita médica” em outros locais sem ser as farmácias, as parafarmácias, ou hipermercados, querem agora colocar os medicamentos e, mercearias, cafés, bombas de gasolina, quiosques, e tudo ou todos aqueles que queiram vender medicamentos.
    Esta posição da ANF/Associação Nacional de Farmácias, que há uns anos era contra com a saída dos medicamentos não sujeitos a receita médica das farmácias, vem agora banalizar e incentivar a venda em diversos pontos sem dúvida sem formação para o fazerem, como acontece atualmente em muitos pontos onde atualmente se vendem sem ser nas farmácias, se isso acontecer, temos aqui um grande problema de saúde publica, e porque, porque uma farmácia possui um farmacêutico a dar direção técnica, num dos outros locais basta apenas um técnico, e não é obrigado a estar presente.
    Sou pouco utilizador por exemplo do Pingo Doce, onde vendem medicamentos, mas já assisti por exemplo a o funcionário da caixa que está junto ao armário dos medicamentos, apenas distinguido dos outros por ter uma bata branca, perguntar se não precisa de nenhum, ou seja, parece no mercado quando os peixeiros perguntam se não querem levar um peixinho, isto é uma vergonha.
    Outra das gravidades, será quando alguém solicita um medicamento, ou pede um aconselhamento para algo que tem, qual as perguntas que lhe fazem, um simples exemplo, um xarope para a tosse, será se perguntam se é diabético, se sofre de alguma doença que aquele medicamento que vão aconselhar pode ser tomado, existem anti-inflamatórios de venda livre que apesar das doses serem mais baixas, podem trazer problemas, caso se for um doente renal, por exemplo a aplicação de uma simples pomada, será a mais indicada para o caso, e que por exemplo aplica uma pomada na pele pode ser mais perigoso do que tomar um comprimido, já que uma aplicação na pele tem a absorção total, o comprimido para fazer efeito, vão sendo eliminado até chegar ao sitio certo, será que existe essa preocupação, será que existe preocupação em saber a história do utente, é que na farmácia essas questões são colocadas, na farmácia, os utentes na sua maioria utilizadores assíduos da mesma, quando são atendidos por norma já existe um conhecimento das suas doenças podendo ter um aconselhamento diferente.
    Desta forma exista senso nas decisões a tomar, e para a ANF/Associação Nacional das Farmácias tem obrigação de defender não apenas as farmácias que são suas associadas, que mensalmente cobra as quotas de associado, fica ainda com 2,5% da faturação do receituário que a farmácia faz mensalmente, mas também tem o dever de defender os doentes, e não pode vir com comunicados a dizer que está de acordo com a colocação noutro pontos de venda, porque se trata de medicamentos que podem matar, ou deixar mazelas graves, e medicamentos não são preservativos que se vendem em qualquer lugar.
    Fica o alerta a este perigo, e se for para a frente um dia destes podemos ver a qualquer canto alguém a vender medicamentos não sujeitos a receita medida, nos cafés, nos restaurantes, nos talhos, na peixaria, nos quiosques, nas bombas de gasolina, nos pronto a vestir, até não será espanto se o vendedor de gelados ou das castanhas, tem lá um espacinho para vender medicamentos, já não falo nas lojas chinesas, que possuem tudo e mais alguma coisa.
    Pensem bem !!! Eu até já estou a pensar em arranjar a “Lojinha do Medicamento”, mas vou ter cuidado no que aconselho, já que ao fim de 43 anos que tenho de farmácia, nunca vi tanta vergonha nas barbaridades que se fazem neste país, na maneira desprezada que utilizam os medicamentos, e acima de tudo, na falta de respeito que possuem pelos doentes, e depois vem dizer que é em defesa do mesmo.
    José Morais

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …