/

Indónesia. Zaragatoas usadas eram vendidas como novas para testes à covid-19

Guillaume Horcajuelo / EPA

Funcionários de uma empresa farmacêutica na Indonésia foram detidos por terem lavado, empacotado e vendido como se fossem novas zaragatoas usadas em testes à covid-19, num esquema que as autoridades acreditam ter começado em dezembro de 2020, no aeroporto de Kualanamu.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Segundo avançou esta quarta-feira a BBC News, cerca de nove mil passageiros do aeroporto em Medan, capital da Indonésia, terão sido testados com essas zaragatoas. O país obriga os passageiros a apresentar um teste negativo, sendo este oferecido pelo aeroporto no local.

A investigação iniciou após queixas de alguns passageiros, que teriam tido falsos positivos nos testes. De acordo os media locais, foram reunidos mais de duas dezenas de testemunhos e há suspeitas de que os lucros – mais de 100 mil euros – serviriam para a construção de imóveis de luxo por parte de um dos suspeitos.

Na última semana, foram detidos cinco funcionários da farmacêutica estatal Kimia Farma, incluindo o gerente em Medam, acusados de violar leis de saúde e direitos do consumidor. A empresa despediu os funcionários envolvidos no caso e arrisca ter de responder perante a justiça.

A Indonésia já registou mais de 46 mil mortes e cerca de 1,7 milhões de infeções pelo coronavírus, desde o início da pandemia.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.