“É impopular dizer isto, mas o sistema bancário está a ajudar a amortecer” a crise, diz Siza Vieira

António Pedro Santos / Lusa

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, não responsabiliza a banca pela demora nos créditos cedidos às empresas e pela baixa percentagem, prometendo que “nos próximos dias” a tendência será para que comece a chegar mais dinheiro ao tecido empresarial.

“Sei que é impopular dizer isto, que há muitas queixas, mas neste momento o sistema bancário no seu conjunto está a ajudar a amortecer o impacto [da crise], o que não se verificou há 10 anos”, afirmou, em entrevista ao podcast do PS Política com palavra, citado na quinta-feira pelo Expresso.

Siza Vieira reconheceu as dificuldades em vários campos, que podem atrasar os processos. Uma das demoras é na Garantia Mútua (SPGM), a estrutura pública que concede as garantias do Estado para que os bancos possam ceder o crédito. Questionado se o que se passa na SPGM é o mesmo que na Segurança Social, em que a “máquina” teve de se adaptar, o ministro respondeu: “É isso mesmo”.

A SPGM passou de uma avaliação de 200 créditos para 40 mil, numa semana. “Estamos a falar de um nível que vai recuperar nos próximos dias. Nos próximos dias vamos ver o dinheiro a chegar às empresas”, indicou.

O ministro referiu que a banca tem tido um comportamento “bem diferente de há 10 anos”, quando ocorreu a última crise financeira. Admitiu ainda que “foi muito difícil assegurar o fluxo de tratamento dos processos”, uma vez que também tem funcionários em casa.

Siza Vieira declarou ainda que os bancos estão a “permitir amortecer bastante a crise no setor económico” e que “não estava à espera” que a adesão das empresas a estes apoios fosse desta ordem de grandeza.

Para o ministro, a crise poderá ser mais profunda no segundo trimestre, com o mês de abril a ser o pior, mas com o terceiro e quarto trimestre já em crescimento. O Banco do Fomento “vai fazer diferença na fase de retoma”, acrescentou o ministro, frisando que a instituição “vai ter de ir para a frente muito rapidamente”.

Quanto à TAP, questionado se o Estado deverá ficar a mandar na empresa, explicou: “Acho que é inevitável e está a acontecer em todo o lado” onde há entrada de dinheiro público em empresas de aviação. “Onde isso tem acontecido, tem havido um acréscimo do poder de controlo dos Estados sobre as empresas”, reforçou.

“Quem mete dinheiro, obviamente tem de ter uma cautela especial como esse dinheiro está a ser utilizado”, concluiu o ministro, que defende a entrada do Estado no capital de algumas empresas.

Para que tal aconteça, são necessários “instrumentos híbridos ou entrada no capital”, em empresas de “setores estratégicos”, “setores industriais” que “são promissores do ponto de vista da sua capacidade técnica, mercado” como indústria da “metalomecânica, dos plásticas, das biotecnologias, da saúde, do agro-alimentar”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PGR analisa carta que culpa o Governo por "borla fiscal" à EDP na venda de barragens

O Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) está a analisar uma carta do Movimento Terra de Miranda que questiona a autorização dada pelo Governo à venda de seis barragens transmontanas por parte da …

Biden prevê vacinas para todos os adultos antes do fim de maio

Joe Biden assegura que até maio o país terá vacinas suficientes contra o covid para todos os adultos do país, dois meses antes do previsto. O presidente do EUA anunciou que até ao final de maio …

Pandemia não é “uma competição ou um concurso de beleza entre países”

O presidente da Aliança Global para as Vacinas (GAVI), Durão Barroso, defende que o processo de vacinação mundial contra a covid-19 não deve ser “uma competição ou um concurso de beleza entre países” e lança …

Sarkozy admite recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

O ex-Presidente francês admite recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos contra a sua condenação a três anos de detenção, um em prisão efetiva, por corrupção e tráfico de influência. Numa entrevista ao jornal Le Figaro, …

Apoio à família vai ser alargado a mais pais em teletrabalho. Tudo graças à oposição

Esta quarta-feira, vai subir a plenário o texto final que altera o apoio excecional à família para que chegue a mais portugueses. O alargamento do universo de potenciais beneficiários está no horizonte, nomeadamente com a …

"Espiar, atacar, reprimir". Militares em Myanmar usam tecnologia ocidental para enfraquecer manifestantes

Durante quase 50 anos de ditadura militar, os generais birmaneses usavam "ferramentas totalitárias" arcaicas. Agora, os militares que tomaram o poder em Myanmar têm "um arsenal muito mais sofisticado à sua disposição" Desde que o golpe …

Da "obsessão por cargos" à "subserviência ao PS". Críticos internos do BE descarregam na direção

A convenção do Bloco de Esquerda está marcada para os dias 22 e 23 de maio e os grupos críticos da direção do partido já têm preparada uma extensa lista de críticas. De acordo com o …

Pela primeira vez, a idade da reforma pode cair (e a culpa é da pandemia)

A idade da reforma é determinada pela esperança média de vida. No entanto, a pandemia e o consequente aumento da mortalidade podem fazer cair esse indicador, levando a um recuo histórico na idade da reforma. Até …

Onde estão os antigos "donos disto tudo" no desporto?

Sporting parece estar em ano de regresso ao topo do futebol. Mas outros clubes dominadores, ou desapareceram, ou andam discretos. "Felizmente não subimos à I Divisão", admite o presidente do HC Sintra. "Donos disto tudo" pode …

Após chumbo ao aeroporto do Montijo, Governo quer mudar a lei para tirar poder aos municípios

O chumbo ao aeroporto do Montijo, depois de os municípios da Moita e do Seixal terem reprovado o projecto, não demove o Governo da empreitada. Em cima da mesa estão três soluções e a intenção …