A pandemia poupou os habitantes de uma pequena ilha italiana (mas não os turistas)

Na pequena ilha italiana Isola del Giglio, na região de Toscana, alguns turistas ficaram infetados com covid-19, o que causou preocupação. Porém, todos os habitantes foram poupados.

De acordo com a Fox News, nenhum dos cerca de 800 habitantes da Isola del Giglio, em Itália, desenvolveu sintomas de covid-19, embora as condições parecessem favoráveis para a doença se espalhar rapidamente.

Armando Schiaffino, o único médico da ilha há cerca de 40 anos, mostrou-se preocupado com um possível surto local. “Sempre que aparece uma doença comum na infância, como escarlatina, sarampo ou varicela, em poucos dias praticamente todos estão infetados”, disse.

Paola Muti, investigadora de cancro da mama da Universidade de Milão, , decidiu tentar descobrir porque é que, desta vez, a doença não se estava a espalhar. Nessa altura, Muti estava presa na ilha devido às rígidas regras de bloqueio de Itália.

O primeiro caso conhecido de covid-19 em Giglio foi um homem de 60 anos que chegou em 18 de fevereiro – alguns dias antes do primeiro “caso nativo” de Itália ser diagnosticado no norte. O homem foi a Giglio para o funeral de um parente e estava “a tossir o tempo todo”. O homem, que voltou no mesmo dia para o continente, morreu três dias depois.

O padre da ilha, Lorenzo Pasquotti, lembrou que “depois do funeral, houve saudações, abraços e beijos”, como é costume. Depois, veio a procissão até ao cemitério, onde “houve mais abraços e beijos”.

Em 5 de março, quatro dias antes do bloqueio nacional, mais três visitantes vieram do continente e testaram positivo na ilha. Um deles era um alemão do norte de Itália, o epicentro inicial do surto da Europa, que socializou durante vários dias com amigos de longa data em Giglio, inclusive em restaurantes públicos. Depois de uma semana, devido a uma tosse forte, foi testado na ilha e o resultado foi positivo.

Havia outros casos conhecidos, incluindo um ilhéu que tinha morado na Austrália durante dois anos antes de voltar para Giglio em meados de março, durante o confinamento, para ver os pais. Três dias depois de chegar a Giglio, desenvolveu febre leve e testou positivo.

Giglio recebeu kits para testar a presença de anticorpos para ver se outras pessoas poderiam ter covid-19. No final de abril, pouco antes das primeiras restrições de viagens serem levantadas, os habitantes da ilha fizeram o exame de sangue, alinhando-se do lado de fora da escola e do consultório médico da ilha.

Dos cerca de 800 residentes, 723 ofereceram-se para serem testados. Destes, apenas um tinha anticorpos: um homem idoso que navegou no mesmo ferry que o visitante alemão.

Muti não chegou a nenhuma conclusão quando se preparava para deixar a ilha, mas sugere que os ilhéus não tenham sido suficientemente expostos à covid-19 para ficarem infetados.

Essa possibilidade também foi expressa por Massimo Andreoni, chefe de doenças infecciosas do hospital Tor Vergata, em Roma, que observou que alguns pacientes eram simplesmente menos capazes de espalhar a doença por razões que ainda não eram claras.

Para Daniel Altmann, professor de imunologia no Imperial College de Londres, pode ter sido sorte ou “algo importante e exótico”, como uma variante genética comum entre a população da ilha. Como muitos dos habitantes se casaram entre si durante gerações, Muti gostaria de fazer um estudo genético sobre os ilhéus.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Israel fecha os olhos e deixa palestinianos cruzarem a fronteira para ir a banhos

As autoridades israelitas têm deixado milhares de palestinianos cruzar a barreira de separação entre os dois territórios para poderem ir às praias. Este foi um fim-de-semana muito especial para Siham e os seus cinco filhos. …

Diabéticos e hipertensos voltam a ter faltas justificadas

Os diabéticos e hipertensos sem condições para desempenharem funções em teletrabalho voltam a ter direito a justificar as faltas ao trabalho devido à pandemia de covid-19, segundo um diploma publicado em Diário da República. “Os imunodeprimidos …

Deputada da Coreia do Sul debaixo de fogo. Usou um vestido no Parlamento

Na semana passada, a deputada sul-coreana Ryu Ho-jeong usou um vestido numa assembleia legislativa, sendo bombardeada com críticas que gerou um debate sobre sexismo e a cultura patriacal do país. De acordo com a CNN, na …

SC Braga oficializa "top gun" Gaitán por duas temporadas

O internacional argentino Nicolas Gaitán assinou um contrato com o Sporting de Braga válido por uma época, com outra de opção, informou esta terça-feira o clube minhoto da I Liga de futebol. Formado no Boca Juniors, …

Vacina russa chama-se "Sputnik V" e foi já pedida por 20 países

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi esta terça-feira anunciado pelo Presidente, Vladimir Putin, chama-se "Sputnik V", vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países. De acordo com …

Rui Pinto no Twitter: "Travessia do deserto” terminou mas a “luta continua”

Rui Pinto assumiu que a “árdua e longa ‘travessia do deserto’” chegou ao fim, aludindo à sua libertação, mas avisou que “a luta continua”, pois Portugal “continua um paraíso para a grande corrupção” e branqueamento …

PJ deteve suspeita de atear fogo florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve uma mulher de 57 anos suspeita de atear um incêndio florestal registado em 4 de agosto no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), no concelho de Terras de Bouro. Em …

Mais duas mortes e 120 novos casos. Lisboa com 60% dos novos infetados

Portugal regista esta segunda-feira mais duas mortes, 120 novos casos de infeção por covid-19 e 160 curados em relação a segunda-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). O número de pessoas internadas é …

Encontrado cadáver com 30 anos em mansão abandonada em Paris

As obras de reforma numa mansão abandonada em Paris tiveram de ser suspensas inesperadamente depois de trabalhadores terem descoberto um cadáver a decompor-se na cave há 30 anos. De acordo com o jornal britânico The Guardian, …

Quase cem mil crianças contraíram a covid-19 em apenas duas semanas nos Estados Unidos

Noventa e sete mil crianças norte-americanas foram identificadas como infetadas com o novo coronavírus (covid-19) nas últimas semanas de julho. Os números relativos a estas duas semanas são avançados pela empresa norte-americana, que cita um relatório …