IAVE queria ter direitos de autor sobre os exames (mas os tribunais não deixaram)

Marcos Santos / USP Imagens

Desde maio do ano passado, o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), recorreu, por três vezes aos tribunais, mas nunca conseguiu que estes lhe reconhecessem direitos de autor sobre os enunciados dos exames nacionais.

O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pela elaboração dos exames nacionais, recorreu por três vezes aos tribunais, desde maio de 2017, para que estes lhe reconhecessem direitos de autor sobre os enunciados das provas, algo que acabou por não acontecer.

Caso o IAVE fosse “dono” dos exames, isso impediria a reprodução das provas nos livros de apoio o estudo que, anualmente, são publicados por editoras privadas e ajudam os estudantes a prepararem-se para a prova.

De acordo com o Público, este processo incluiu dois recursos ao Tribunal da Relação de Lisboa. O último acórdão é do mês passado e nele não é dada razão ao IAVE – mais uma vez – nos processos que intentou contra o grupo Porto Editora, por publicar coletâneas com os enunciados dos exames de anos anteriores.

O jornal refere ainda que isto aconteceu já depois de o Ministério da Educação, que tutela o instituto, ter dado o assunto como resolvido, assumindo que a pretensão do IAVE não era válida.

Dado que o IAVE é financiado por tutelas do Orçamento de Estado, o diário questionou o Ministério da Educação sobre se neste processo de litigância teria sido acautelada a boa gestão dos dinheiros públicos. O ME respondeu que, no que lhe diz respeito, o caso ficou esclarecido com o parecer do Conselho Consultivo da PGR, emitido em março de 2017.

Foi João Costa, secretário de Estado da Educação, que pediu a intervenção da PGR, depois de o IAVE ter reivindicado que os enunciados estavam sujeitos a direitos de autor e que a titularidade desses direitos lhe pertencia. Por esse motivo, alegou, nenhuma identidade, nem mesmo o ministério, poderia “explorá-los economicamente sem autorização”.

O Conselho Consultivo da PGR considerou que estas pretensões não tinham qualquer validade, dado que os enunciados das provas integram a categoria de”decisões administrativas” e estas, por lei, “estão excluídas da proteção dos direitos patrimoniais de autor”.

O Tribunal da Relação de Lisboa tirou a mesma conclusão, num acórdão datado de julho passado, em que considera “improcedente” o recurso apresentado pelo IAVE, que tinha como objetivo a anulação de uma sentença judicial de março, onde também é negada a existência de direitos de autor sobre as provas.

A decisão de março veio na sequência de uma providência cautelar apresentada pelo instituto em maio de 2017, na qual se pedia ao tribunal que obrigasse o grupo Porto Editora a cessar “de imediato a edição, produção e comercialização de quaisquer livros” que contivessem enunciados de exames.

A providência foi rejeitada por via de uma sentença de outubro. O IAVE recorreu para a Relação de Lisboa, que em dezembro anulou a decisão judicial anterior. Segundo o jornal, a razão pela qual isso aconteceu foi o facto de a sentença não discriminar, como é obrigatório, “quais os factos que se consideravam provados e quais os que não se provaram”.

Para colmatar esta falta, foi realizado um novo julgamento e houve de novo uma sentença (a de março passado) onde a providência cautelar apresentada pelo IAVE foi dada como “totalmente inconsequente“. O instituto voltou a recorrer para o Tribunal da Relação de Lisboa, que em Julho decidiu manter a decisão judicial já tomada.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Atletas que sorriem durante as corridas gastam menos oxigénio

Os atletas que sorriem gastam menos oxigénio, trabalham de forma mais económica e têm um nível de esforço menor, refere um estudo realizado pelas universidades de Ulster e Swansea, divulgado esta terça-feira. Os investigadores pediram a …

OMS analisa possíveis primeiros casos de infeção de animais para o homem

A Organização Mundial de Saúde (OMS) admite que pelo menos três infeções por Covid-19 nos Países Baixos possam ser os primeiros casos conhecidos de transmissão do novo coronavírus dos animais para o homem, tendo martas …

Na Suíça, é possível estar em teletrabalho e a empresa pagar parte da renda

O Tribunal Federal da Suíça condenou uma empresa de contabilidade a pagar parte da renda de casa a um funcionário que se encontrava em teletrabalho. Segundo revelou na segunda-feira o swissinfo e o Tages-Anzeiger, citados pelo …

Governo negoceia até mais 35 milhões em apoios para agricultura

A ministra da Agricultura disse hoje que está em curso a negociação de medidas adicionais para apoiar o setor agrícola, face ao impacto da covid-19, através do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), que podem mobilizar …

Moro não assinou exoneração de ex-diretor da Polícia, admite Presidência do Brasil

A Secretaria-Geral da Presidência brasileira admitiu na segunda-feira que o agora ex-ministro da Justiça Sergio Moro não assinou o decreto de exoneração de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal, confirmando a versão original do …

Norte foi região que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho no país

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou na segunda-feira a Comissão de Coordenação e …

Vai nascer uma praia fluvial nas margens do Alqueva em 2021

Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, devendo começar a funcionar no verão do próximo ano. Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, junto à aldeia …

Câmara de Bragança vai ajudar com até 100 euros a pagar renda

As famílias mais vulneráveis do concelho de Bragança vão poder contar com um apoio financeiro até 100 euros mensais para pagar a renda. A Câmara de Bragança vai ajudar as famílias do concelho em situação vulnerável …

Parlamento chumba lay-off para sócios-gerentes, mas acaba com teto de faturação ao apoio

A Comissão de Economia chumbou, esta terça-feira, o alargamento do lay-off simplificado aos sócios-gerentes. Por outro lado, aprovou o fim do teto de faturação para aceder ao apoio a estes portugueses. A proposta do PSD, BE …

Comissão Europeia admite que Portugal fica "em desvantagem" nas ajudas estatais

Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia, admite que países como Portugal, com menor capacidade orçamental do que Estados-membros como Alemanha ou França, fiquem “em desvantagem” nas ajudas estatais em altura de crise gerada pela …