/

Num golpe de “fake it until you make it”, Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Isaac Lawrence / AFP

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um ato eleitoral como os outros: panfletos, cartazes e outdoors inundam as ruas movimentadas desta pequena região administrativa da China.

No entanto, as eleições legislativas marcadas para dezembro têm algo que as distingue das demais: o vencedor já é praticamente conhecido. Isto não acontece porque há um claro favorito à vitória, mas por toda uma conjetura que antecede a ida às urnas.

Estas são as primeiras eleições desde que o governo chinês ordenou mudanças radicais no sistema eleitoral de Hong Kong para garantir a vitória dos seus candidatos favoritos, escreve o jornal norte-americano The New York Times.

Entretanto, como protesto, surgem ameaças de boicote às eleições por parte dos candidatos opositores. O Partido Democrático vai decidir, este fim de semana, se vai seguir o mesmo caminho.

Ora, de forma a manter as aparências de umas eleições que façam jus à democracia, as autoridades de Hong Kong alertaram que um boicote poderia violar a lei de segurança nacional da cidade. O governo está a fazer tudo ao seu alcance para que as eleições legislativas pareçam o mais legítimas possível.

Aqui, aplica-se um aforismo tipicamente americano: fake it until you make itNuma tradução à letra, traduz-se por “finge até conseguires”. Assim, ao imitar confiança, competência e uma mentalidade otimista, uma pessoa pode sentir essas qualidades na sua vida real e alcançar os resultados que procura.

“Eles querem continuar a dar a ilusão de que respeitam a Lei Básica”, disse Jean-Pierre Cabestan, professor de política chinesa na Universidade Batista de Hong Kong, em declarações ao The New York Times. “Esta é a melhor maneira de legitimar o seu governo”.

As eleições em Hong Kong nunca foram totalmente livres, favorecendo sempre os aliados chineses. Mas após os protestos antigovernamentais de 2019, o cenário político mudou: os candidatos pró-democracia conseguiram uma vitória esmagadora sem precedentes.

O Partido Comunista Chinês não queria ver a gracinha repetir-se. Como tal, fez mudanças nas eleições, permitindo que apenas “patriotas” aprovados pelo governo pudessem ocupar cargos. Além disso, o povo de Hong Kong só pode escolher 20 dos 90 legisladores.

PUBLICIDADE

Se na maioria dos países a desistência da oposição seria certamente recebida de braços abertos, em Hong Kong não. Um alto funcionário do governo sugeriu que boicotar as eleições seria uma declaração de rebelião. A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, tem uma visão semelhante.

“Se há um partido político com muitos membros, mas não discute ou participa na política, talvez seja necessário questionar o valor da sua existência”, disse Lam aos jornalistas.

No passado domingo, houve uma votação preliminar, em que o objetivo era formar um Comité Eleitoral, um grupo de 1.500 que selecionará a maioria dos legisladores, bem como o próximo líder máximo de Hong Kong.

Menos de 8 mil pessoas — cerca de 0,1% da população — puderam participar nesta votação. A lista de pessoas que o puderam fazer foi previamente aprovada por Pequim.

Até mesmo os residentes que votaram tiveram voz limitada. Dos 1.500 assentos do Comité Eleitoral, três quartos foram reservados para aliados do governo.

PUBLICIDADE

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.