/

“Homem-árvore” pede que as suas mãos sejam amputadas

1

Abul Bajandar, o homem-árvore do Bangladesh

Abul Bajandar, um homem de 28 anos do Bangladesh conhecido como “Homem-árvore” devido às incomuns verrugas que nascem nos seus membros, pediu que as suas mãos fossem amputadas para aliviar as dores insuportáveis. 

Bajandar sofre de epidermodisplasia verruciforme, uma doença genética rara da qual se conhecem menos de meia dúzia de casos em todo o mundo, segundo a AFP.

Desde 2016, Bajandar foi submetido a 25 operações para eliminar as excrescências nas mãos e nos pés, que são semelhantes a ramificações de plantas ou cascas de árvores.

Embora os médicos tenham acreditado que o jovem do Bangladesh conseguisse superar a doença após as intervenções cirúrgicas, Bajandar acabou por piorar, tendo voltado ao hospital em janeiro com uma condição de saúde pior. Algumas verrugas tinham voltado a atingir centímetros de comprimento.

Em declarações à agência noticiosa AFP, o jovem de 28 anos disse não conseguir dormir à noite, nem ser capaz de “suportar mais dor”. “Pedi aos médicos que cortassem as minhas mãos para que eu pudesse pelo menos ter algum alívio”, explicou, dizendo ainda que queria procurar tratamentos no exterior, mas não que não tinha dinheiro para o fazer.

A mãe de Bajandar, Amina Bibi, apoia a vontade do filho, sustentando que com a amputação o jovem ficará, pelo menos “livre da dor”. Nas palavras de Bibi, o estado atual de Bajandar é “infernal”.

A cirurgiã plástica do Hospital da Escola de Medicina de Dhaka, Samanta Lal Sen, disse, contudo, que  uma equipa de sete médicos vai reunir para discutir a situação de Bajandar e vai optar pela “melhor solução” para o paciente.

Foi também este hospital que tratou uma menina do Bangladesh com a mesma doença em 2017. Embora os médicos tenham dito na altura que a cirurgia correu bem, o pai da menor revelou mais tarde que as excrescências voltaram a crescer num número ainda maior e que a família parou o tratamento e voltou à sua aldeia.

  ZAP //

1 Comment

  1. E não haverão médicos e generosidade num outro país onde se possa tentar remediar a situação deste ser humano?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.