Haiti acusa esquadrão estrangeiro de assassinar Presidente. Já foram detidos 15 colombianos e dois norte-americanos

Orlando Barría / EPA

Jovenel Moïse, presidente do Haiti, foi assassinado

As autoridades haitianas detiveram 15 colombianos e dois norte-americanos de origem haitiana pelo alegado envolvimento no assassínio do Presidente do Haiti, Jovenel Moïse.

O comando que perpetrou o homicídio foi composto por 26 colombianos e dois norte-americanos, segundo informações fornecidas pelo diretor-geral da Polícia, Leon Charles, numa conferência de imprensa com o primeiro-ministro interino, Claude Joseph, na qual foram apresentados os detidos.

Charles disse que oito “mercenários” colombianos estão em fuga e “ativamente” procurados, enquanto os outros três foram mortos em tiroteios com as forças de segurança. As autoridades já tinham comunicado a morte de quatro suspeitos, mas baixaram esse número sem qualquer explicação.

O diretor-geral da Polícia também declarou que “as armas e os materiais usados pelos criminosos foram recuperados” e prometeu intensificar a busca “para capturar os outros oito mercenários”.

Durante a conferência de imprensa, vários dos suspeitos estiveram alinhados contra uma parede para serem exibidos aos media, com passaportes colombianos e armas colocadas sobre uma mesa.

Dois dos detidos foram capturados por um grupo de civis, que os levaram amarrados com cordas para uma esquadra de polícia no bairro de Pétion-Ville, no bairro de Port-au-Prince.

Dezenas de pessoas reuniram-se com a intenção de linchar os suspeitos e atear fogo a três carros apreendidos pela polícia aos detidos.

O Governo colombiano já reagiu às detenções e afirmou que dois dos colombianos detidos no Haiti são membros reformados do exército colombiano.

“Hoje a Interpol solicitou oficialmente informações ao governo Golombiano e à nossa Polícia Nacional sobre os alegados perpetradores deste ato. Inicialmente a informação indica que são cidadãos colombianos, membros reformados do Exército Nacional”, disse o Ministro da Defesa Diego Molano num comunicado.

Jovenel Moïse foi assassinado na quarta-feira, num ataque de homens armados à sua residência, em Port-au-Prince. No Haiti, com uma população de 11 milhões de habitantes – metade menor de 20 anos -, todos estão em alerta na tentativa de entender como o presidente do país pôde ser assassinado.

Onde estavam os polícias bem equipados que vigiam o presidente dia e noite? Por que não reagiram?”, questionou Julia, uma advogada de 28 anos.

O Ministério Público de Port-au-Prince também já colocou as mesmas perguntas. Para respondê-las, ordenou que os responsáveis pela segurança de Moïse fossem chamados para depor.

“Se alguém é responsável pela segurança do presidente, onde estava? O que foi feito para evitar este destino?”, indagou Me Bed-Ford Claude, comissário do governo de Port-au-Prince e encarregado de iniciar os procedimentos judiciais em nome da sociedade haitiana.

O Haiti, que antes do assassinato de Moïse já se encontrava atingido por uma profunda crise política e de insegurança, assolado por gangues criminosos, encontra-se sob forte tensão e à beira do caos. Lojas, bancos, postos de gasolina e pequenos comércios fecharam as portas e a República Dominicana, país com o qual o Haiti compartilha a ilha de La Española, fechou a fronteira.

O governo do Haiti pediu nesta quinta-feira a reabertura do aeroporto, uma medida que deverá ser efetivada esta sexta, assim como a retomada da atividade económica.

Além das perguntas sobre a busca dos autores do atentado, há várias questões a pairar sobre o futuro do país, a começar pelo Governo.

O Haiti já estava mergulhado em uma crise institucional antes do assassinato, porque Moïse não convocou eleições depois de chegar ao poder em 2017, e o país não tem um Parlamento desde janeiro de 2020. Acusado de inação perante a crise e criticado por boa parte da sociedade civil, Moïse governou principalmente por decreto.

Agora, o país mais pobre das Américas não tem um presidente e um Parlamento ativo, enquanto dois homens afirmam estar no comando e disputam o cargo de primeiro-ministro. Uma das últimas decisões políticas de Moïse foi nomear Ariel Henry como o novo primeiro-ministro na segunda-feira. No entanto, Henry ainda não havia assumido o cargo.

E horas depois do assassinato, foi o primeiro-ministro interino, Claude Joseph, quem impôs o estado de sítio e reforçou os poderes do Poder Executivo. Este último deve durar 15 dias.

“Existem vários primeiros-ministros nomeados no país?”, Henry indagou, ao assegurar que Joseph era apenas ministro dos Negócios Estrangeiros. A oposição também acusou Joseph de tomar o poder.

Helen La Lime, representante da ONU para o Haiti, considerou que Joseph representa a autoridade responsável porque Henry não tinha ainda prestado juramento, aludindo a um artigo da Constituição haitiana que estabelece que, em caso de vagatura presidencial, “o Conselho de Ministros, sob a presidência do primeiro-ministro, exerce o poder Executivo até a eleição de outro presidente”.

Por sua vez, o defensor dos direitos humanos Gédeon Jean qualificou à AFP o desejo do primeiro-ministro interino de declarar o estado de sítio como “suspeito”, e essa suspeita o leva a “prever uma tentativa de golpe de Estado”.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho

Novo Banco apresenta nova imagem. "Agora é o renascimento", diz Ramalho

O presidente do Novo Banco disse, esta segunda-feira, que a nova imagem representa o "renascimento" da instituição financeira, que está numa "rota de lucro e rendibilidade". Na apresentação da nova imagem de marca do Novo Banco, …

Governo disponível para suspender caducidade de convenções coletivas "sem limite de tempo"

O Governo está disponível para avançar com a suspensão dos prazos da caducidade das convenções coletivas "sem limite de tempo", disse, esta segunda-feira, no Parlamento a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. A medida foi …

PEV também vota contra o Orçamento do Estado para 2022

O partido ecologista "Os Verdes" (PEV) anunciou, esta segunda-feira, que também vai votar contra o Orçamento do Estado para 2022. Em conferência de imprensa, na Assembleia da República, José Luís Ferreira disse que "o grupo parlamentar …

Governo lamenta decisão do PCP. "Nunca tínhamos ido tão longe como fomos este ano"

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares reagiu, esta segunda-feira à tarde, na Assembleia da República, ao anúncio de voto contra do PCP ao Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). Na Assembleia da República, Duarte Cordeiro …

Vulcão Cumbre Vieja lança lava, cinzas e fumo em La Palma

Vulcão de La Palma "no auge da atividade". Derrocada parcial do cone revela grande fonte de lava

Uma derrocada parcial do cone do vulcão da ilha de La Palma, nas Canárias, deixou à vista uma grande fonte de lava, segundo o Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias (Involcan). "Estamos no auge da atividade" do …

Presidente recebeu dose de reforço da vacina contra a covid-19 juntamente com a da gripe

O Presidente da República recebeu, esta segunda-feira, a dose de reforço da vacina contra a covid-19, juntamente com a vacina da gripe. "O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa recebeu esta tarde o reforço (ou terceira dose) …

PCP duvida do "golpe de asa" do Governo. BE estranha a sua "indisponibilidade"

O Partido Comunista anunciou, esta segunda-feira, que vai votar contra o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) na generalidade, juntando-se ao Bloco de Esquerda. "Não acredito em bruxas (...). Nunca faltámos à chamada e procurámos sempre …

"Ou há Orçamento ou avanço para a dissolução da Assembleia da República", diz Presidente

O Presidente da República afirmou, esta segunda-feira, que irá aguardar até ao último segundo da votação do Orçamento do Estado para 2022 na generalidade e, caso se confirme o chumbo, iniciará logo o processo de …

Portugal regista mais cinco mortes e 313 casos de covid-19

Portugal registou, esta segunda-feira, mais cinco mortes e 313 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 313 novos …

Quase 23 milhões de afegãos vão sofrer insegurança alimentar aguda no inverno

O Programa Alimentar Mundial da ONU alerta para a crise no Afeganistão, afirmando que o país está "entre os piores desastres humanitários do mundo, senão o pior". Cerca de 22,8 milhões de afegãos, mais de metade …