Há idosos que matam a mulher por compaixão

O psicólogo forense Mauro Paulino afirmou que há casos de “homicídio por compaixão” em que o idoso mata a mulher porque acredita que está a pôr fim ao seu sofrimento provocado por uma doença.

Um homem de 73 anos matou na sexta-feira, em Matosinhos, a mulher, que se encontrava em fase terminal de doença, tendo tentado depois suicidar-se com a mesma arma de fogo que usou contra a vítima, disse à agência Lusa uma fonte da PSP do Porto.

Mauro Paulino explicou que nestes casos é necessário perceber se já existe um historial de violência doméstica: “Se isso acontece estamos a falar de um homicídio conjugal que ocorre numa sequência de violência doméstica”.

Mas se não há qualquer indício de violência doméstica (física ou psicológica) o que acontece é que “o idoso se sente impotente para continuar a cuidar da sua esposa” que “está a ficar idosa, dependente e tem uma patologia muito específica que requer alguns cuidados” ou ele próprio está a ficar doente.

“Entramos aqui numa situação que tem sido chamada de homicídio por compaixão”, disse o psicólogo, explicando que o idoso, perante a situação de não conseguir ajudar a mulher, “tenta acabar com o seu sofrimento“, pondo termo à sua vida.

Mas, apesar das razões do homicídio de compaixão poderem ser compreensivas, “não justificam, nem desculpabilizam o acontecimento”, frisou.

“Até porque esse acontecimento tem na ideia algumas desigualdades de género, ou seja o homem acredita que quando morrer a mulher não vai conseguir subsistir sem ele“, acrescentou.

Para o psicólogo, é preciso “avaliar de uma forma muito mais coerente e cuidada as histórias e tentar perceber se caem numa categoria de homicídio conjugal ou de homicídio por compaixão“.

Questionado pela Lusa sobre se a idade pode tornar a pessoa mais violenta, Mauro Paulino explicou que apenas poderá acontecer se houver um estado senil e a pessoa desenvolva um comportamento mais agressivo.

“Mas de um comportamento agressivo a um comportamento homicida ainda vai muito“, comentou, sublinhando que a investigação mostra que a maioria dos homicídios conjugais tem na sua génese histórias de violência doméstica.

“Muitas vezes acontece no limite de exaustão”, disse, adiantando que as vítimas também ficam “muito tempo” na relação pela dependência e pelo isolamento social.

“Há uma série de circunstâncias que fazem com que as vítimas fiquem durante muitos anos na relação até conseguirem ter a coragem de assumir a decisão de sair e da separação”, disse, advertindo que estes “momentos são de risco acrescido”.

Nos casos de violência doméstica é preciso perceber se há agressão do ponto de vista psicológico e não olhar apenas para o que “deixa uma marca física”, defendeu.

“Os estudos indicam que quando perguntamos às vítimas o que lhes causa maior sofrimento elas atribuem o maior nível de sofrimento à violência psicológica ao contrário da física e da sexual”, adiantou.

Para prevenir estes casos, o psicólogo defendeu uma aposta na formação cívica que “terá ganhos a longo prazo”: “temos que ir para os bancos da escola mostrar às crianças o que é uma relação saudável e o que acontece na violência doméstica e na violência no namoro” e que a “ideia tonta de que ‘entre marido e mulher não se mete a colher’ já não faz sentido porque isso permitiu que muitas mulheres morressem ao longo dos anos”.

“A sociedade e a própria vítima têm uma série de crenças que legitimam e banalizam a manutenção das relações violentas”, lamentou.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Correndo o risco de poder ser mal interpretado ou parecer ambíguo, é verdade que nada desculpabiliza o homicídio, seja ele qual for, mas por outro lado também há situações que podem não o culpabilizar. Sugiro verem o filme «Amour» de Michael Haneke de 2012.

RESPONDER

Viagens expresso no Sistema Solar. Nave espacial pode chegar a Titã em apenas 2 anos

Uma equipa de cientistas está a trabalhar num propulsor de nave espacial que, segundo eles, poderia alcançar a misteriosa lua de Saturno, Titã, em menos da metade do tempo que o satélite Cassini demoraria. Apesar de …

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …