Há 24 mil pessoas presas nas ilhas gregas

Anna Pantelia / Médicos Sem Fronteiras

Os cinco pontos de chegada nas ilhas da Grécia só têm capacidade para 6300 pessoas. Apesar de já sobrelotados, continua a chegar mais gente todos os dias – mais de metade são mulheres e crianças.

Zeynab, de 12 anos, partilha a tenda com a família e quando dorme não tem espaço para esticar as pernas. Há dias, Zeynab teve uma crise de epilepsia e diagnosticaram um tumor no cérebro. Na altura, estava na Turquia e, na esperança de melhores cuidados médicos, a família atravessou o mar Egeu para chegar à Europa.

Agora, estão na ilha grega de Lesbos, em Moria, um dos maiores campos de refugiados da Europa. Nos últimos anos, a sobrelotação daquele espaço que em tempos foi uma base militar é constante. Gente a mais é uma realidade ali e nas restantes ilhas gregas, mas agora os números aumentam e há muito tempo que não havia tantas pessoas.

“A situação nas ilhas da Grécia está em ponto de rutura: estas 24 mil pessoas encontram-se em cinco hotspots que, no seu conjunto, têm capacidade para 6300. Em Lesbos e em Samos, milhares de pessoas estão ao abandono, em condições desumanas, com muito limitado acesso à água, saneamento e a cuidados de saúde”, denunciam os MSF, que apontam culpas para uma União Europeia.

De acordo com o Expresso, para os MSF, a UE falhou “na gestão das migrações e asilo, bem como na devida prestação de cuidados de saúde e em encontrar soluções para pôr fim às condições desumanas e inaceitáveis de vivência”.

Vieram seis pessoas da família de Zeynab para Moria, incluindo o avô de 97 anos. Deram-lhes um lugar numa tenda, ao lado de outras quatro famílias. O espaço é dividido e não dá mais do que quatro ou cinco metros quadrados a cada um – equivalente à dimensão de uma pequena casa de banho.

Zeynab está referenciada pela clínica pediátrica dos MSF para ser rapidamente atendida no hospital. Na mesma clínica também está a ser acompanhada Fatima. Tem nove anos e fugiu do Afeganistão com a família. Um bomba explodiu à porta de casa e o corpo de Fatima foi atirado para longe e ficou caído no chão. Ela está viva, mas o irmão de quatro anos morreu. Foi operada três vezes no Afeganistão. Vieram para a Europa e estão em Moria, dentro de um contentor.

Pelo menos uma centena de menores de idade com doenças graves ou crónicas são atualmente atendidos regularmente na clínica pediátrica da organização não-governamental. Ali chegam problemas de coração, diabetes, epilepsia, feridas de guerra.

Moria é um hotspot criado pela União Europeia para registar todas as pessoas que chegam à ilha. Em 2016, as coisas mudaram quando a UE assinou um acordo com a Turquia que, na prática, impede as pessoas que chegam à Grécia de seguirem caminho. Uma vez ali chegadas, só podem continuar se o pedido de asilo for aceite. Ccaso contrário, são deportadas para a Turquia. O processo chega a demorar anos, tornando o país numa espécie de tampão que impede as pessoas se sair.

Esta semana, o Governo grego começou a transferir migrantes da ilha de Lesbos para o continente, no âmbito dos esforços para travar a sobrelotação dos campos de refugiados. Só em Moria estão 11 mil pessoas e o plano de Atenas é transferir cerca de 1500 migrantes e requerentes de asilo para um outro campo localizado no norte da Grécia continental, conhecido como Nea Kavala.

“Uma vez mais, os Médicos Sem Fronteiras pedem à Grécia e a todos os estados membros que recoloquem as pessoas mais vulneráveis, incluindo crianças”, pede a organização. E questiona: “Quando é que isto vai acabar?”.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Colisão gigante de asteróides no Espaço provocou um boom de vida na Terra

Os asteróides desempenharam um "papel divino" na história da vida na Terra. Um novo estudo sugere que um gigantesco boom de biodiversidade na Terra, há cerca de 470 milhões de anos, poderá ter acontecido devido …

Alguns planetas podem orbitar um buraco negro supermassivo em vez de uma estrela

Estamos habituados à ideia de que um planeta orbita estrelas. No entanto, estes corpos celestes podem também existir em torno de buracos negros supermassivos. Os cientistas já haviam adotado a ideia de que há planetas a …

PSD a 3 deputados da maioria na Madeira. CDS afasta geringonças

Miguel Albuquerque, político experiente, apreciador de música e apaixonado por rosas, voltou hoje a vencer as eleições regionais da Madeira, mas tem agora pela frente a ‘espinhosa’ tarefa de negociar um entendimento que garanta estabilidade …

Porto 2-0 Santa Clara | E vão cinco vitórias consecutivas na Liga

O FC Porto respondeu ao triunfo do Benfica no sábado em Moreira de Cónegos com a quinta vitória consecutiva na Liga, na recepção ao Santa Clara, por 2-0. Num jogo morno, com uma segunda parte mal jogada …

Mazda entra na corrida e prepara lançamento do seu primeiro carro elétrico

A Mazda garantiu o lançamento do seu primeiro carro elétrico já no próximo ano. O veículo será apresentado no Salão Automóvel de Tóquio. A corrida dos veículos elétricos acelera a todo o vapor e a Mazda …

Descobertas evidências de um reino bíblico em pleno deserto israelita

A bíblia faz referência a um reino de Edom, do século X antes de Cristo. Novas evidências sugerem que este reino poderá ter estado assente no deserto de Arava, no Israel. A análise de arqueólogos a …

PSD vence regionais na Madeira mas perde maioria absoluta

O PSD venceu hoje as eleições legislativas regionais na Madeira, com 37% a 41% dos votos, o que lhe retira a maioria absoluta no parlamento, segundo a projeção da RTP/Católica. O Partido Social Democrata venceu as …

No Afeganistão, há mulheres a arriscar a vida por um golo

As jogadores da seleção de futebol feminino do Afeganistão não treinam no seu país por razões de segurança. Muitas sofreram abusos sexuais e correm risco de vida para poderem jogar futebol. Pelo menos alguma vez na …

Cientista diz que avanços científicos podem levar à extinção humana

A evolução da ciência e tecnologia pode ser fundamental para evitar catástrofes, mas, ironicamente, pode também ser a causadora do fim da nossa espécie. O estudo das mudanças climáticas baseia-se em simulações cada vez mais de …

A ilha mais remota do mundo tem nome português

Tristão da Cunha é uma ilha com apenas 250 habitantes, onde ninguém fala português. Não há hotel nem aeroporto. Há quem parta em busca de um lugar sossegado para evitar as grandes multidões turísticas. Caso esteja …