Guitarrista António Parreira guardou em partitura 180 fados tradicionais

Pedro Ribeiro Simões / Flickr

-

O guitarrista António Parreira, que toca há mais de 40 anos, transcreveu 180 melodias de fados tradicionais, que habitualmente eram “passadas ‘por ouvido’, de geração em geração”, fixando as suas partituras, disse o músico à Lusa.

“O livro dos fados”, como se intitula a obra, guarda agora as partituras de diferentes melodias fadistas tradicionais, do Fado Acácio ao Fado Zirita, passando pelos fados Bizarro, Cigano, Fé, Laranjeira e Zé Negro.

Todavia, como exemplifica no livro, “nem tudo se canta numa melodia, e a cada melodia corresponde um tipo de estrofe e a respetiva métrica dos versos”.

O Fado Adiça, de Armando Augusto Freire, popularmente designado “Armandinho”, é cantável em quadras que tenham uma estrutura métrica de versos em heptassílabo (“setessílabo”, na gíria fadista), o Fado Azenha, de Frederico de Brito, é aplicável a sextilhas, na mesma métrica, o “Marana”, de Armando Machado, para quadras em dodecassílabo, e o “Maria Emília”, de Miguel Ramos, para quintilhas em heptassílabo, entre outros.

As melodias tradicionais fadistas aplicam-se aos três tipos clássicos de estrofes – Quadras, Quintilhas e Sextilhas – e às diferentes métricas de versos — alexandrinos, decassílabo, heptassílabo e dodecassílabo -, no caso do heptassílabo é também considerado o setessílabo, versículo.

A variante versículo, em que um apêndice musical é acrescentado à melodia, pelo intérprete, é contemplado em diferentes fados, nomeadamente no Menor em Versículo, atribuído a Alfredo Marceneiro, sobre o qual Fernando Pinto do Amaral escreveu “Fado da saudade”, criado por Carlos do Carmo, e que arrecadou, em Espanha, um Prémio Goya.

Com a variante de versículo são citados, entre outros, os fados Cruz de Guerra, de Miguel Ramos, para quadras, o “Maria Marques”, de Marceneiro, também para quadras ou, ainda, deste autor, o “Pierrot” para quadras, e o Bailado, para quintilhas.

No Fado Bailado, por exemplo, além da composição que lhe deu nome, cuja letra é de Henrique Rego, é também interpretado, entre outros, “Estranha forma de vida”, de Amália Rodrigues.

Para cada melodia pode-se sempre interpretar novas letras, desde que respeitem a respetiva estrutura estrófica e métrica, havendo ainda os casos, não contemplados neste livro, de poemas cantados no fado com música própria, muito habitualmente os sonetos – cite-se “Caravelas”, de Florbela Espanca e música de Tiago Machado, uma criação de Mariza.

“Além destes padrões há depois o da sensibilidade, o tom da melodia, isto é, escolher-se de acordo com o teor da letra – uma letra triste requer um tipo de cadência menor, diferente de uma letra mais alegre”, explicou.

Segundo o guitarrista, “este livro vai ser um instrumento de consulta, nomeadamente pelos mais novos, e, por outro lado, fixou-se em escrita de música os fados que, até agora, salvo raras exceções, estavam apenas na memória do meio fadista”, disse Parreira.

Professor de guitarra portuguesa no Museu do Fado, em Lisboa, António Parreira afirmou à Lusa que “há um rejuvenescimento de instrumentistas, interessados na prática fadista”.

Os três fados apontados como basilares e cuja autoria é anónima — Menor, Corrido e Mouraria — são também fixados pelo guitarrista.

Pai de dois guitarristas, Paulo e Ricardo Parreira, António Parreira considera que, “fixadas as melodias tradicionais, há toda uma margem à criatividade”, e defendeu que “este não é universo fechado”.

Prova disso mesmo é que, nestes 180 fados tradicionais, estão incluídas melodias da sua autoria, designadamente o “Margaridense”, o “Maria Inês”, o “Maria Leonor” e “Marina”.

António Parreira transcreveu 180 fados, mas há os que são de seu especial gosto como, logo a abrir, o Fado dos Sonhos, de Frederico de Brito (sextilhas — heptassílabo), o “Varela”, “Alvito”, “Raul Pinto”, “Primavera”, “Três Bairros”, “Alberto”, “Pinóia” ou o “Carlos da Maia”, de quadras, quintilhas e sextilhas.

Uma das novidades deste livro é que as investigações de António Parreira, em diversos arquivos, nomeadamente na Torre do Tombo, revelaram que, além dos fados Carlos da Maia, de Quadras e de Sextilhas, respetivamente para a métrica de heptassílabo, “há também um de Quintilhas para a mesma métrica”, disse.

A obra “O livro dos fados — 180 Fados Tradicionais em partituras” é apresentada no Museu do Fado, a Alfama, em Lisboa, no próximo dia 14 de março, às 19:00.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …