/

“Guerra preventiva”. Churchill propôs atacar a URSS com armas nucleares até à submissão

O antigo primeiro-ministro do Reino Unido, Winston Churchill, estava a planear uma guerra nuclear preventiva contra a União Soviética, mesmo depois de Moscovo ter criado as suas próprias bombas atómicas.

De acordo com o jornal britânico The Times, Winston Churchill, primeiro-ministro do Reino Unido entre 1940 e 1945, período em que o país lutou contra o nazismo, antes de regressar ao cargo entre 1951 e 1955, propôs uma guerra nuclear preventiva contra a União Soviética em 1951.

Esta informação foi encontrada num memorando escrito pelo então editor-chefe do The New York Times, Julius Ochs Adler, após uma reunião com o famoso político britânico em 29 de abril de 1951, seis meses antes de se tornar primeiro-ministro do Reino Unido pela segunda vez.

No texto, encontrado pelo historiador Richard Toye nos arquivos do jornal novaiorquino, Adler recorda a forma como o então líder da oposição britânica o recebeu na sua casa em Kent, onde bebeu champanhe com uma taça “moldada e tamanhos incomuns”.

Em certo momento, Churchill mudou o tema da conversa e falou das relações entre o Ocidente e a URSS, chamando a política conjunta Estados Unidos-Reino Unido em relação ao país euroasiático de “mais fraca do que agressiva”.

“De forma um tanto abrupta, perguntou-me o número oficial do nosso arsenal de bombas atómicas e a nossa estimativa do suprimento disponível da Rússia“, escreveu o jornalista norte-americano.

“Respondi que, felizmente, não fazia parte dos círculos internos do Governo e, portanto, não conhecia esse segredo impressionante. Depois, surpreendeu-nos uma segunda vez, afirmando que, se fosse Primeiro-Ministro e pudesse obter um acordo do nosso Governo, imporia certas condições para a Rússia na forma de um ultimato“, lembrou Adler.

“Perante uma recusa, o Kremlin deve ser informado de que, a menos que reconsidere, bombardearíamos uma em cada 20 ou 30 cidades. Ao mesmo tempo, devemos alertá-los de que é imperativo que a população civil de todas as cidades escolhidas seja evacuada imediatamente”, disse.

“Ele acreditava que se recusariam novamente a considerar os nossos termos. Então, tínhamos de bombardear um dos alvos e, se necessário, outros. Seria tal o pânico que se seguiria (certamente por causa do terceiro ataque) não só entre o povo russo, mas também dentro do Kremlin, que os nossos termos seriam cumpridos”, disse Adler.

O jornalista acrescenta que se opõe à ideia, argumentando que nem o povo norte-americano nem “muitos sócios” em Washington apoiariam tal guerra preventiva.

Os planos de Churchill de realizar bombardeamentos nucleares não se limitaram à União Soviética – o político britânico também considerou atacar a China. Em particular, estava a pensar em atacar bases militares e concentrações de tropas chinesas ao norte do rio Yalu.

Toye indicou que, embora já fossem conhecidos planos semelhantes de Churchill antes de 1949 – o ano em que a URSS testou a sua primeira bomba nuclear, não havia evidências de que tivesse continuado a desenvolvê-los dois anos depois.

O historiador reconheceu que a ideia não era “brilhante” e afirmou que a estratégia que Churchill promoveu quando era primeiro-ministro era “muito melhor”. “Quando se tornou primeiro-ministro novamente, não andava a comportar-se de uma forma incrivelmente ameaçadora”, disse.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.