Guerra comercial entre chineses e americanos está a tornar a China mais poderosa

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China tem feito mossa nas duas economias, mas os chineses são capazes de ser os grandes vencedores deste duelo entre as duas maiores potências comerciais do mundo.

Os EUA e a China chegaram a um acordo na guerra comercial entre os dois países. Após uma reunião entre Trump e Xi Jinping, no G20, os dois líderes concordaram em retomar as negociações. As tarifas, que começaram a ser introduzidas por ambos os lados, não serão aumentadas.

No entanto, uma série de tarifas permanece e as relações comerciais ainda estão longe do normal entre as duas maiores economias do mundo. Isto pode não ser uma guerra fria, mas é uma grande rivalidade de poder com foco na supremacia tecnológica e de que lado tem o melhor modelo de desenvolvimento.

A economia da China está a desacelerar e as recentes tarifas dos EUA sobre as suas exportações não ajudaram. A taxa de crescimento da China caiu de 6,6%, em 2018, para 6,4% no primeiro trimestre de 2019.

Mas, a longo prazo, a pressão exercida pela administração de Trump fortalecerá a China. Isto ajudará a China a acelerar os esforços para reestruturar a economia, focar mais na inovação e também impulsionar o orgulho nacional do país.

Os avanços tecnológicos são cruciais para a construção de um império e o surgimento de novas potências, com a energia a vapor e, depois, com as tecnologias eletrónicas que impulsionam os impérios britânico e americano anteriores. A quarta revolução industrial deslocará a concorrência internacional do trabalho, território e armas nucleares para novas tecnologias, incluindo robótica, inteligência artificial e serviços sem fios.

Hora de acordar

Até recentemente, os legisladores americanos operavam sob a suposição de que os EUA eram a super-potência tecnológica do mundo e o Silicon Valley era o centro de inovação do mundo. A China era considerada uma imitadora que constrói clones desajeitados das tecnologias americanas ou usa as suas grandes empresas estatais para comprar empresas inovadoras dos EUA e absorver a sua propriedade intelectual e know-how.

Mas quando se trata de 5G, os EUA ficaram para trás. Nenhuma empresa americana tem equipamentos comparáveis à Huawei. Isto estimulou Trump a empreender uma guerra contra a empresa chinesa de tecnologia. Primeiro, declarou uma emergência nacional, proibindo vendas e o uso de equipamentos de telecomunicações considerados como “riscos inaceitáveis”. Depois, pressionou aliados a fazerem o mesmo.

Empresas sediadas nos EUA seguiram o exemplo. Primeiro, a Google removeu a Huawei do seu serviço Android, depois a Wi-Fi Alliance, a Bluetooth e outras empresas seguiram o exemplo.

Revolução na inovação

A Huawei é um produto da estratégia de política industrial do governo chinês. A visão de elevar uma fabricante de baixo custo a uma líder de inovação global levou ao lançamento da iniciativa “Made In China 2025” e um plano de desenvolvimento de inteligência artificial para canalizar recursos para setores estratégicos como computação, inteligência artificial, robótica e aeroespacial.

A China pretende alcançar uma taxa de auto-suficiência de produção de IA de 80%, minimizando a dependência de outros países para as partes complexas necessárias nesta tecnologia. Também pretende tornar-se num centro tecnológico líder em IA até 2030. Isso está a dar frutos, já que em 2017, 48% do financiamento global de IA era chinês, comparado a 38% dos americanos.

A China é hoje a maior produtora mundial de artigos de investigação científica e o Semantic Scholar, o motor de busca académico de artigos científicos, sugere que os investigadores chineses superaram os seus colegas norte-americanos na produção de artigos de inteligência artificial.

Assim, a proibição da Huawei e as tarifas sobre produtos chineses não vão retardar a China — elas vão estimular um novo sistema de inovação e vão impulsionar a investigação científica com o objetivo de se tornarem mais independentes.

Impulso doméstico

A China quer agora reequilibrar a sua economia para longe da procura externa, passando para um investimento ao consumo interno. Isto começou em 2008 com a crise financeira global e tornou-se cada vez mais necessário à medida que a classe média chinesa se desenvolve.

Quando Trump anunciou pela primeira vez as tarifas em 2018, o consumo interno da China foi responsável por 76,2% do crescimento do PIB, e o mercado de ações chinês absorveu o impacto e recuperou após um declínio acentuado inicial.

Desde então, o governo chinês introduziu novas políticas para impulsionar ainda mais o consumo interno, incluindo mais cortes de impostos e iniciativas e incentivos para o cuidado com idosos e crianças. Assim, a guerra comercial apoiou os esforços da China para redistribuir riqueza e reestruturar a economia.

A guerra comercial também reuniu o público chinês em torno do seu governo. O tratamento dos EUA às empresas chinesas tem sido percebido como bullying, o que impulsionou o apoio interno ao governo.

A palavra chinesa para crise é composta por dois caracteres — um para o perigo e outro para a oportunidade. A capacidade do país de capitalizar com o atual desafio dos EUA irá fortalecê-lo nos próximos anos.

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Algo semelhante poderá acontecer fora da China.
    Vendo-se reduzidas as oportunidades de acesso a tecnologia a preços baixos, resultante de mão de obra subvalorizada, os restantes países começarão a desenvolver tecnologias nos seus próprios mercados.

  2. Esse desafio “motivador” aplica-se à China mas não aos EUA? Que interesse à China que os países industrializados reforcem parcerias com a India, Vietnam, Indonésia? Ou que a América acorde e retorne produção ao pais? (Afinal todo o talento do mundo aspira viver e estudar na América não na china, sem talento não existe progresso)

    Panfletos propagandistas anti Ocidente..

    Pessoas que criticam muros e muralhas nos EUA mas elogiam muralhas na China, Israel, India ..

    Enfim só não vê quem não sabe ler.

    • Totalmente de acordo. Este artigo é um pouco como dizer: “O FC Porto, que vê sair grande parte do plantel esta época, ficará mais forte porque terá de se unir mais e desenvolver novos esquemas táticos”.
      Isto… basicamente não é nada.

  3. Se havia duvidas de que os eua iriam perder a guerra comercial, ela aqui está preto no branco. O presidente chinês tinha avisado que uma guerra comercial seria facil de perder, portanto o trump foi avisado e nao quis seguir o conselho. Olha que coincidencia, o trump nao seguiu o conselho do chinês, e a May nao seguiu o conselho do trump. Que chatice.

  4. Se alguém ainda tem alguma dúvida sobre a existência de campanhas pagas, orquestradas e controladas pelos gabinetes dos grandes ditadores mundiais, bastaria lêr este tipo de artigos para perceber que esta guerra de amolecer o inimigo com campanhas psicológicas está brava e para durar!

  5. Está guerra comercial foi a melhor coisa que podia acontecer á China e está a demonstrar que os EUA não estavam preparados para ela. Só pedir tréguas na guerra, Trump já chegou a conclusão que estava a perder a guerra. As sanções á Huawei são ineficazes, só vão reforçar a vontade da China e da Huawei de avançarem sozinhos sem qualquer elemento americano nos seus telefones, e os grandes perdedores são as empresas americanas, os EUA ofereceram de mão beijada a indústria de tecnologia á china a muito curto prazo. É como se diz na gíria, foi um autêntico tiro no pé.

  6. ……os coaboys nunca se deram com os ares do oriente desde a guerra do Vietname………..por isso mais uma derrota para os states……THE BIG PROBLEM e saber se a Europa não terá de pagar a fatura dessa guerra, por causa da incompetencia dos seus dirigentes políticos, que teem os seus “amigos” ingleses a espera, para lhes fazer a vida negra………

  7. Enfim. Concluo com alguma facilidade que a maioria das criaturas que aqui comentam não compreenderam que esta notícia é assim mas também poderia ser exatamente ao contrário. É tudo hipóteses. E no campo da realidade até ao momento temos quando muito um empate ou até uma ligeira vantagem para os EUA.
    A Huawei está encurralada. Ficará sem software nenhum. As empresas americanas (todas) já vieram dizer que deixaram de equipar estes equipamentos. Depois nas tarifas o saldo é positivo para os EUA. De resto qualquer novo cenário seria sempre melhor do que o anterior (tudo entrava nos EUA e para o mercado chinês já não era bem assim). Desse modo concluo que os EUA estão com ligeira vantagem ou no máximo um empate.

  8. No final os grandes perdedores vão ser os Europeus.
    Os USA estão na trampa mas têm capacidade de dar a volta. Pode demorar algum tempo, mas a estrutura política, social e mental permitem ter uma capacidade de resposta (vejam o que aconteceu antes da 2 grandes guerras mundiais!).
    A China tem um mercado interno muito grande, se se voltar a fechar, só com o mercado dela sobrevive.
    Os europeus estão no meio. Infelizmente a realidade política da Europa ira acabar por travar qualquer reação (pois nestas ocasiões alguns ficam a ganhar e outros a perder).
    Para Portugal (que é o mexilhão) vai acabar, mais cedo ou mais tarde, por vir a ser uma desgraça…

    • Quem nos dera a nós crescer ao ritmo que os EUA crescem. Olhe, procure estar mais atento ao mundo. Pode ser que o compreenda melhor.

RESPONDER

Netflix retira imagens de suicídio de "13 Reasons Why"

A Netflix modificou o episódio da série "13 Reasons Why" onde apareciam imagens do suicídio da protagonista Hannah Baker (Katherine Langford), passando agora essa parte da ação a ocorrer de forma totalmente oculta para os …

Belinda Sharpe é a primeira árbitra do râguebi australiano em 111 anos

Belinda Sharpe vai tornar-se na primeira árbitra de campo na história de 111 anos da liga profissional de râguebi na Austrália, quando dirigir um jogo do campeonato agendado para quinta-feira. A Liga Nacional de Râguebi (NRL) …

Os chimpanzés não têm noção de justiça e aceitam desigualdades

Os chimpanzés carecem da noção de justiça e aceitam a desigualdade na repartição de comida ou materiais, segundo a investigadora Nereida Bueno. A cientista, da Universidade Pontificia de Camillas, que participou num estudo publicado esta semana …

Descartar drogas pelo esgoto pode criar "meta-caimões" nos Estados Unidos

O Departamento da Polícia de Loretto, no estado norte-americano do Tennessee, alertou este sábado para os perigos associados à eliminação de narcóticos através das canalizações das casas de banho. Numa publicação na página oficial de Facebook, …

Descoberta nova via terapêutica para tratar o Alzheimer

Um grupo de cientistas descobriu uma nova via terapêutica para tratamento do Alzheimer, que segundo os investigadores cria “alguma esperança” para travar o desenvolvimento da doença em estágios mais iniciais. O projeto, cujas conclusões foram publicadas …

Exército de carraças está a dizimar vacas (e pode chegar aos humanos)

Uma espécie invasiva de carraças já dizimou um quinto da população de vacas na Carolina do Norte. Os cientistas temem que o próximo alvo podem ser os humanos. A espécie de carraça Haemaphysalis longicornis tem feito …

Ucrânia aprova castração química para pedófilos

Na Ucrânia, será administrada uma injeção que reduz o libido aos pedófilos. A legislação vai aplicar-se a homens com idades entre os 18 e os 65 anos que forem considerados culpados de violação ou abuso …

Em vez de desaparecer, ilhas do Pacífico poderão mudar de forma

Países insulares como Tuvalu, Toquelau e Kiribati passam o nível do mar em poucos metros. Estes são Estados considerados vulneráveis ao aquecimento climático do planeta e as populações acreditam que podem desaparecer com a subida …

Morreu o pugilista Pernell Whitaker. O campeão olímpico foi vítima de atropelamento

O pugilista norte-americano Pernell Whitaker morreu atropelado este domingo em Virginia Beach, aos 55 anos. O atleta foi atingido mortalmente quando atravessava a estrada num cruzamento, durante a noite. Num comunicado enviado ao Guardian, o Departamento …

Eis a primeira aterragem autónoma de um avião tripulado

Uma equipa de cientistas alemã criou um sistema que permite à aeronave aterrar autonomamente em qualquer pista, sem nenhum tipo de apoio humano. Enquanto a indústria automóvel tem andado léguas no que toca a inovação em …