EUA e China dão nova trégua. Escalada na guerra comercial suspensa

Thomas Peter / EPA

Os EUA e a China acordaram uma segunda trégua ao 359º dia da guerra comercial iniciada a 6 de julho de 2018, anunciou a agência de notícias chinesa Xinhua na sequência do encontro entre Trump e Xi Jinping este sábado à margem da cimeira do G20 em Osaka, no Japão.

À saída do encontro das duas delegações chefiadas pelos dois presidentes que durou oitenta minutos, Trump declarou que a reunião tinha sido “excelente” e que os EUA “estão de volta aos trilhos” com a China.

Este sábado de manhã, Trump confirmou numa conferência de imprensa no Japão que acordou com Xi Jinping uma nova trégua na guerra comercial. O presidente norte-americano considerou como uma “grande reunião” o encontro realizado durante oito horas.

Trump afirmou que as negociações entre as duas partes vão continuar e prometeu “que, pelo menos, por ora, não haverá novas taxas alfandegárias” sobre o resto das importações vindas da China que ainda não estão abrangidas pela guerra comercial.

O presidente norte-americano adiantou que a China acordou em aumentar as aquisições de produtos dos “patriotas agricultores” norte-americanos, sublinhando que os agricultores serão “tremendos beneficiários” do acordo com Pequim.

Sobre o conflito na área tecnológica, o tema da Huawei, colocada na lista negra norte-americana, foi deixado “para o final” nas negociações: “Confirmámos deixar o assunto par o fim. Huawei é uma situação complicada”.

Com esta segunda trégua na guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, uma escalada na imposição de mais taxas é travada. Os EUA tinham ameaçado avançar com taxas alfandegárias de 25% sobre as restantes importações da China que ainda não estão abrangidas pela guerra comercial desencadeada por Trump em julho do ano passado.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) tinha avisado em abril, na publicação das suas previsões no World Economic Outlook, que uma escalada agravaria o abrandamento da economia mundial, para além dos estragos provocados nas duas economias em confronto.

Face à incerteza, os principais bancos centrais, nomeadamente a Reserva Federal norte-americana e o Banco Central Europeu, declararam estar prontos para avançar com novos estímulos monetários no caso da conjuntura se agravar.

A guerra comercial foi iniciada a 6 de julho de 2018 com a imposição por parte de Washington de taxas de 25% sobre uma primeira lista de 818 produtos importados da China no valor de 34 mil milhões de dólares (cerca de 30 mil milhões euros).

Seguiram-se novas medidas protecionistas dos EUA e retaliações por parte da China, chegando a um quadro de guerra comercial envolvendo taxas sobre 250 mil milhões de dólares (cerca de 220 mil milhões de euros) de exportações da China para os EUA e sobre 110 mil milhões de dólares (97 mil milhões de euros) de exportações dos EUA para a China.

Uma primeira trégua de 90 dias foi acordada na reunião a 1 de dezembro entre os dois presidentes à margem da cimeira do G20 em Buenos Aires.

Delegações das duas partes negociaram durante o período de trégua que foi estendido e que só foi interrompido com a decisão de Trump a 5 de maio em escalar a guerra comercial com a subida das taxas aduaneiras de 10% para 25% sobre 200 mil milhões de dólares (176 mil milhões de euros) de importações a partir do dia 10 daquele mês.

Entretanto o confronto estendeu-se ao campo da tecnologia e muitos analistas falam do regresso de um quadro de guerra fria, agora entre as duas atuais principais potências do mundo.

China anuncia abertura ao capital internacional

Xi Jinping aproveitou a deslocação à cimeira do G20 para anunciar um pacote de medidas de abertura ao investimento estrangeiro e a determinação em acelerar as negociações comerciais com a UE e finalizar o acordo tripartido com o Japão e a Coreia do Sul.

Pequim vai divulgar uma nova lista de sectores vedados ao capital estrangeiro, ampliando as exceções nas áreas da agricultura, minas, indústria e serviços. Também vai avançar com mais seis zonas piloto, incluindo uma nova em Xangai, e vai estabelecer um porto livre na ilha de Hainão. Uma nova lei sobre investimento estrangeiro vai ser publicada no início de 2020.

Também à margem do G20, os presidentes da China, Índia e Rússia, as três principais potências dos BRICS, decidiram reforçar a cooperação trilateral no sentido de apoiar “a globalização económica e a liberalização comercial” e combater “o protecionismo e o unilateralismo”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nona Sinfonia de Beethoven revela novos detalhes sobre o cérebro humano

A Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven, 250 anos após a sua criação, ajudou a demonstrar a existência de células conceituais no cérebro. Quase 200 anos depois da morte de Beethoven, a maior obra do músico …

Governo vai suspender devolução dos manuais escolares

O ministro da Educação informou hoje que o Governo vai suspender a devolução de manuais escolares, em curso desde 26 de junho, cumprindo a decisão do parlamento, que aprovou uma proposta nesse sentido. O plenário da …

Cuba prestes a abrir portas ao turismo (exceto aos cubano-americanos)

Depois de fechar as suas fronteiras para os turistas no final de março por causa da pandemia da covid-19, Cuba prepara-se agora para reabrir várias das suas baías ao turismo - mas há algumas exceções. …

Cidade do México enterrou os rios para prevenir doenças, mas a covid-19 resiste e prospera

Na tentativa de evitar a disseminação de doenças como a malária e a cólera, a Cidade do México enterrou os seus rios. Agora, como consequência, criou inadvertidamente as condições necessárias para a covid-19 prosperar. A Cidade …

Descoberto sistema de túneis da I Guerra onde estarão enterrados dezenas de soldados

A Agência do Património da Bélgica anunciou esta semana a descoberta de um sistema de túneis alemão da I Guerra Mundial, onde estarão, muito provavelmente, dezenas de soldados enterrados. Em comunicado, citado pela Russia Today, …

Cinco funcionários da Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia

Cinco funcionários da produtora automóvel Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia, avança o The Washington Post. De acordo com o jornal norte-americano, foram cinco os colaboradores dispensados da …

"Qual o lugar mais seguro?". Costa compara infetados no Reino Unido e Algarve

O primeiro-ministro apresentou hoje uma tabela que mostra o Reino Unido muito acima do Algarve em número de infetados com covid-19 por cem mil habitantes e pergunta qual o lugar mais seguro para umas férias …

Azul anuncia venda de 6% da TAP ao Estado por 10 milhões de euros

A companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou hoje a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo anunciado esta quinta-feira entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da …

NASA cria dispositivo que o avisa para não tocar no rosto (e pode ser reproduzido em casa)

A pensar na pandemia, a NASA desenvolveu o PULSE, um colar vibratório que nos alerta se formos tocar no rosto com as nossas mãos. A pandemia de covid-19 alastrou pelo mundo e, enquanto não chega um …

Há mais 11 mortes e 374 novos casos de infecção (300 são na Grande Lisboa)

Portugal regista hoje mais 11 mortos devido à doença covid-19 do que na quinta-feira e mais 374 infectados, dos quais 300 na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim da Direcção-Geral da …