/

FBI diz que grupos radicais dos EUA têm fortes ligações com extrema-direita europeia

(dr) Molly Riley / Reuters

O diretor do FBI, Christopher A. Wray

O diretor do FBI revela que os radicais norte-americanos são os que têm os laços internacionais mais vastos e que se têm deslocado para se encontrarem com outros ativistas.

Os norte-americanos de extrema-direita e com motivações racistas contactaram grupos que defendem posições semelhantes no estrangeiro e viajaram para fora do país para se encontrarem com eles, revelou esta quinta-feira o chefe do Departamento Federal de Investigação (FBI), numa audiência do Congresso dos Estados Unidos.

Christopher Wray, diretor do FBI, revelou à comissão de Inteligência da Câmara dos Representantes que a agência chegou à conclusão de que os militantes de extrema-direita nos Estados Unidos são os radicais a com ligações internacionais mais vastas.

Segundo Wray, alguns indivíduos norte-americanos de extrema-direita viajaram rumo à Europa para se encontrarem e, possivelmente, fazerem formações com outros grupos.

Segundo o Público, as declarações de Wray sobre os radicais norte-americanos de extrema-direita que viajam para a Europa têm por base um relatório confidencial sobre extremistas internos que foi avançado, recentemente, por agências de espionagem dos EUA.

Wray não especificou quem eram os extremistas com motivações raciais, mas o relatório mencionava que os supremacistas brancos americanos são as “figuras com as ligações transnacionais mais persistentes e preocupantes”.

Acrescentou ainda aos deputados que o FBI tem estado a empenhar “esforços contínuos” à procura de novas ameaças ao Capitólio dos EUA.

Os funcionários dos serviços secretos revelaram à comissão que consideram as atuais movimentações militares russas perto da fronteira com a Ucrânia como uma “demonstração de força”.

Os diretores da Agência de Inteligência de Defesa (DIA) e da Agência Central de Inteligência (CIA) disseram à comissão as agências americanas estão a monitorizar os movimentos russos.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.